skip to Main Content

Composto presente em plásticos pode contribuir para a obesidade infantil

Obesidade infantil: ftalatos são substâncias presentes em alguns objetos de plástico que, assim como o bisfenol A, são prejudiciais ao organismoObesidade infantil: ftalatos são substâncias presentes em alguns objetos de plástico que, assim como o bisfenol A, são prejudiciais ao organismo (Thinkstock/VEJA/VEJA)

Pesquisa americana encontra relação entre a obesidade em crianças e os ftalatos, grupo de substâncias químicas encontradas em diversos produtos usados cotidianamente

Existem alguns compostos químicos, utilizados na fabricação de diversos produtos, que podem ser extremamente prejudiciais à saúde por funcionarem como desreguladores endócrinos. Ou seja, imitam a ação de alguns hormônios naturais do organismo, podendo provocar uma série de complicações. Um deles é o bisfenol A (BPA), substância presente em alguns plásticos, principalmente nos transparentes e mais rígidos, como mamadeiras e recipientes de alimentos. Esse composto, após ter sido relacionado por diversas pesquisas com incidência de cânceres, puberdade precoce, Síndrome de Down, obesidade e hiperatividade em crianças, foi proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)de estar presente na fabricação das mamadeiras.

Além do BPA, há outra substância que funciona da mesma maneira no corpo e também pode ser encontrada em produtos de plástico, mas, ao contrário do bisfenol A, é utilizada para deixar os objetos mais maleáveis. Trata-se dos ftalatos, grupo de compostos químicos presente em materiais como revestimento de pisos e paredes, equipamentos médicos e produtos de cuidado pessoal. Um novo estudo, feito no Centro Médico Monte Sinai, em Nova York, encontrou uma associação entre a exposição a essa substância e o aumento da obesidade infantil. A pesquisa foi divulgada neste mês no periódico Environmental Research.

Saiba mais

FTALATOS NO BRASIL

É autorizada no Brasil a utilização dos ftalatos na fabricação de embalagens de plástico, inclusive naquelas que costumam entrar em contato com “alimentos, matérias-primas para alimentos, águas minerais e de mesa, assim como as embalagens e equipamentos de uso doméstico, elaborados ou revestidos com material plástico”, segundo a Resolução nº 105 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de 19 de maio de 1999.

Os autores do estudo mediram a concentração de ftalato na urina de 387 crianças negras e hispânicas. Os testes de urina revelaram que 97% dos participantes haviam sido expostos a algum tipo do composto, normalmente encontrado em produtos de cuidados pessoais como perfume, loções e outros cosméticos; e também em vernizes.

Um ano após medirem a concentração do composto na urina das crianças, os pesquisadores calcularam o índice de massa corporal (IMC), a altura e a medida da circunferência da cintura de cada uma delas. Eles observaram que, entre as crianças com sobrepeso, o IMC era 10% maior naquelas que tinham a maior concentração da substância em relação às que tinham menores níveis de ftalato.

“Essa pesquisa mostra que a exposição a esses produtos químicos todos os dias pode prejudicar o desenvolvimento infantil e, pela primeira vez, demonstra que esses compostos podem contribuir para a obesidade infantil”, afirma Susan Teitelbaum, uma das autoras do estudo e professora associada do Departamento de Medicina Preventiva da Escola de Medicina de Mount Sinai. “Este estudo também enfatiza a importância de reduzir a exposição a esses produtos químicos sempre que possível. Porém, mais pesquisas são necessárias para determinar definitivamente se a exposição ao ftalato causa aumento no tamanho do corpo”, afirma.

Fonte – Veja de 24 de janeiro de 2012

Deixe uma resposta

Back To Top