Depois da polêmica, casinha dos cães comunitários do calçadão está de volta

Abrigo foi retirado no final de outubro após suposta ameaça dos Correios

Um mês depois de causar polêmica nas redes sociais e nas ruas, a casinha dos cães comunitários que vivem no calçadão de Campo Mourão está de volta. O i44 Newsacompanhou com exclusividade o retorno do abrigo na tarde desta quarta (6). A iniciativa recebeu o apoio de pessoas que passavam pelo local.

Retirada no final de outubro, após uma suposta ordem e ameaça dos Correios de interromper a entrega de correspondência na região, a casinha era mantida pela empresária Sandra Curriel, que também fornecia água e ração aos animais que vivem no calçadão. Um vídeo postado por ela nas redes sociais, no final de outubro relatando o caso, teve mais de 140 mil visualizações, 2 mil compartilhamentos e 2 mil curtidas.

Segundo Sandra, depois da polêmica, muitas pessoas manifestaram apoio à causa e pediram a volta do abrigo. “Estou muito feliz porque hoje eu sei que estou amparada pela lei do cão comunitário, que me protege e protege eles. Então achei que já era o momento da casinha voltar, inclusive nunca deveria ter saído”, comentou Sandra após recolocar o abrigo em frente à sua loja.

“Voltou ainda mais bonita”

Para a modelista Elaine Vieira, a iniciativa dos comerciantes em cuidar dos animais de rua é um gesto de amor. “É importante que a casinha continue ali para abrigar os animais que vivem na rua. Devemos cuidar deles assim como cuidamos uns dos outros. Espero que ela (a casinha) nunca mais seja retirada”, comentou.

Rosiane Ferreira de Almeida conta que ficou surpresa ao ver a casinha. Ela diz que acompanhou ocaso pelas redes sociais e torcia para um desfecho bom para os animais. “Quando eu vi, fiquei super feliz de ter voltado. Acho isso aqui uma super ideia. Todo mundo deveria aderir. E a casinha voltou ainda mais bonita. Acho que forma nenhuma atrapalha”, disse.

Amparada pela lei

Com a polêmica e a visibilidade do caso, três animais que viviam no calçadão foram adotados. Permanecem no local a Meninona e a Serumaninha, nomes atribuídos pelos empresários e funcionários que oferecem alimento e abrigo aos cães. “Aqueles que não gostam, que não criticam, eu preciso dizer que estou amparada pela lei e não vou abandoná-los em momento algum”, disse Sandra.

Fonte – Gelinton Batista, i44 News de 06 de dezembro de 2017

Deixe uma resposta