Os desertos recebem em seis horas mais energia do que a humanidade consome em um ano

desertec

O futuro será renovável, ou não haverá futuro”

A Terra é um planeta sem luz própria e depende totalmente dos raios do sol. Toda a vida na Terra depende da luz solar. A energia do sol é a fonte da maior parte da riqueza disponível na Terra e de toda a base alimentar. Mas, infelizmente, a humanidade desprezou a energia solar nos primeiros 200 anos da Revolução Industrial e preferiu queimar os combustíveis fósseis para impulsionar a economia, o que aumenta o efeito estufa, a acidificação dos oceanos e o aquecimento global.

Um cálculo elementar, feito em 1986, pelo físico alemão Gerhard Knies, mostra que os desertos recebem em seis horas mais energia do que a humanidade consome em um ano. Pequenas áreas de deserto utilizadas permanentemente poderiam fornecer a energia renovável suficiente para movimentar a economia.

O sonho de captar a energia solar que está disponível nos desertos pode se tornar realidade com a redução do custo da energia renovável e com a construção de linhas de transmissão com base nos conectores de corrente contínua de ultra-alta tensão (UHVDC) que são mais adequados para a transmissão em grandes extensões de produção energética. Estas ligações de alta capacidade não só tornam a rede elétrica mais verde, mas também as torna mais estáveis, equilibrando a oferta e a demanda.

Por exemplo, uma pequena área do deserto do Saara, menor do que a área de Alagoas, seria o suficiente para abastecer toda a Europa e o Oriente Médio e o Norte da África (MENA). O consócio Desertec Industrial Initiative (DII), criado em 2009, foi criado exatamente para implementar usinas solares e eólicas no norte da África e no Oriente Médio, visando fornecer 15% da energia consumida na Europa por volta de 2050 e reduzindo as emissões de gases de efeito estufa.

Embora existam dúvidas sobre a viabilidade do projeto, a fase inicial já começou no Marrocos, em 2013, com a construção de uma usina solar de 500 megawatts perto da cidade marroquina de Ouarzazate (a proximidade com a Espanha facilita a entrada da energia na rede europeia). Outras iniciativas estão sendo implementadas no Marrocos, na Argélia e na Tunísia. Numa etapa posterior, devem ser incluídos a Líbia, o Egito, e os países da Península Arábica, da costa asiática do Mediterrâneo e do Iraque. Cabos de transmissão extras instalados no Mediterrâneo e na Turquia poderiam dar sustentação financeira à iniciativa ao redor de 2035.

A primeira parte do projeto Desertec é orçada em € 400 bilhões e conta com o apoio de empresas do porte da Siemens. Apesar do alto custo, o projeto de captar energia renovável no deserto pode ficar mais barato do que a exploração de combustíveis fósseis, além de ajudar os países europeus e da MENA a cumprir com as metas de descarbonização da economia, estabelecidas pelo Acordo de Paris, de 2015.

A crise econômica europeia e a instabilidade política do norte da África e do Oriente Médio são fatores limitadores. Evidentemente, investimentos de longo prazo como proposto pelo consórcio Desertec requerem o envolvimento do Estado e estabilidade das instituições políticas. Mas os ganhos para ambos os lados do Mediterrâneo poderão ser tão grandes que convençam os países a investir em energia renovável e no aproveitamento do potencial solar.

Mas enquanto o potencial solar do deserto do Saara avança a passos lentos – mesmo diante de um futuro brilhante – a China já tem vários projetos para incrementar as usinas solares no deserto de Gobi e na Mongólia interior. Com a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota (OBOR – One Belt, One Road), a China pretende levar a energia solar para a Eurásia e a África, interligando as usinas com uma rede de transmissão inteligente (com os conectores de corrente contínua de ultra-alta tensão – UHVDC).

De acordo com a Administração Nacional de Energia da China, o país instalou um total de 52,8 GW de nova capacidade solar em 2017 (o equivalente a 4 usinas de Itaipu). Ou seja, somente no ano passado a China instalou mais capacidade de produção de energia solar que o Brasil em toda a sua história. No total a China já tem 130 GW de energia solar instalada, líder absoluta do mundo. A China adicionou um total de 133 GW de nova capacidade de geração de energia em 2017, incluindo 12,8 GW de energia elétrica e 45,78 GW de energia térmica. Isso significa que, pela primeira vez na história do país, a China instalou energia mais limpa do que a energia térmica.

Artigo de Angus McCrone, da Bloomberg New Energy Finance (BNEF, 16/01/2018), apresenta 10 previsões para a energia renovável em 2018 e mostra que a energia solar se tornou a fonte energética mais barata, a que mais cresceu em 2017 e a que vai apresentar os maiores avanços em 2018. A contínua queda nos custos, o barateamento das baterias de íons de lítio e os veículos elétricos vão impulsionar a instalação de nova capacidade que pode chegar a 107 GW em 2018 (equivalente a 8 usinas de Itaipu), coisa impensável há dois anos.

O que não falta no mundo é luz solar e áreas secas e ermas. Diversos outros países estão investindo em usinas solares no deserto, como o Chile que avança na produção solar no deserto de Atacama. O Nordeste e o semiárido brasileiro poderiam fornecer mas energia ao Brasil do que as jazidas do pré-sal, com a vantagem de ser uma fonte energética mais limpa, com potencial mais democrático e menos sujeita à corrupção.

Ou seja, as áreas desérticas do mundo, especialmente aquelas com alta incidência de insolação, podem fornecer um futuro de energia renovável e mais limpa que o mundo necessita. A despeito das dificuldades da intermitência e dos problemas da produção e do descarte, a energia solar é um dos caminhos indicados pelo Acordo Climático de Paris para a economia de baixo carbono.

Referências

ALVES, JED. A revolução da energia renovável e suas limitações, Ecodebate, 03/07/2015
http://www.ecodebate.com.br/2015/07/03/a-revolucao-da-energia-renovavel-e-suas-limitacoes-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A transição energética: da energia fóssil às renováveis, Ecodebate, 28/07/2017
https://www.ecodebate.com.br/2017/07/28/transicao-energetica-da-energia-fossil-as-renovaveis-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A China e a Rede Elétrica Inteligente global, renovável e UHVDC, Ecodebate, 13/03/2015 https://www.ecodebate.com.br/2017/03/13/china-e-rede-eletrica-inteligente-global-renovavel-e-uhvdc-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

Desertec Industrial Initiative: http://www.desertec.org/

Angus McCrone. The Force Is With Clean Energy: 10 Predictions for 2018. Bloomberg New Energy Finance, January 16, 2018
https://about.bnef.com/blog/clean-energy-10-predictions-2018/

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal.

Fonte – EcoDebate de 02 de fevereiro de 2018

Deixe uma resposta