Projeto Mata Ciliar FUNVERDE – 10 de setembro de 2005 – sábado

Edmundo

Adilmar

Guilherme

Bruno

Nesse dia não conseguimos ligar a motobomba no rio para aguar as plantas.

A ribanceira é tão alta que não deu pressão. A bomba pode descer no máximo 7 metros e nesse local a altura passava disso.

Projeto Mata Ciliar FUNVERDE – 26 de agosto de 2005 – sexta-feira

Colégio Santa Cruz trouxe as crianças da pré-escola para dia de ecologia em campo plantando árvores nativas.

 

Cada criança plantou uma árvore e colocou uma placa com seu nome para quando a criança for visitar o local do plantio, saber qual é a sua árvore e como ela está se desenvolvendo.

O círculo vicioso do lixo

A sacola de plástico que você recebe no supermercado, farmácia, feira, padaria, açougue, banca de revista … e usa uma unica vez e joga no lixo – ou na rua – acaba aqui …

 

Aqui no lixao a céu aberto em Maringá …

Virando chorume que que corre para os rios …

Nos rios da cidade em que você mora e acaba bebendo da mesma água que você poluiu. O círculo está completo.

Projeto Mata Ciliar FUNVERDE – 13 de agosto de 2005 – sábado

Humberto e Rodrigo demarcando e estaqueando para o trator perfurar os locais onde serão plantadas as árvores.

 

Buracos prontos para plantio.

Adilmar cinco metros abaixo, dentro do rio, ligando a motobomba para aguar as árvores plantadas hoje.

Subindo para continuar o plantio.

Aguando as plantas após o plantio – motobomba com vazão de 18.000 litros de água por hora.

Projeto Mata Ciliar FUNVERDE – 06 de agosto de 2005 – sábado

Árvores depois da roçada.

Roçada periódica no local do plantio para evitar a concorrência do mato com as árvores.

Essa parte queimada ocorre porque os vizinhos fizeram uma travessia de pedestres no local e todo mês acontece algum incêndio criminoso.

Voluntários – Leonardo, Vagner, Bruno, Humberto, Franklin, Luiz Henrique e Rodrigo.

Antes ou após o plantio são ministradas aulas de educação ambiental no local para os voluntários.

PROJETO MATA CILIAR FUNVERDE

A FUNVERDE iniciou em agosto de 2004, o PROJETO MATA CILIAR.

O objetivo do projeto é revegetar a mata ciliar de todos os córregos e nascentes de Maringá, da região e finalmente do Paraná.

Consideramos este projeto ambicioso, mas plenamente viável. Vemos anualmente a mídia noticiar que o governo irá plantar um milhão ou mais de mudas no dia do rio ou em outra época comemorativa.

Infelizmente a política suplanta os interesses da sociedade fazendo com que isso não se constitua em um projeto permanente para mudar a realidade em nosso estado que atuaimente tem seus rios privados de sua cobertura florestal e fazendeiros plantando ou criando o gado até a margem do rio.

Sempre que se cria um projeto governamental, os objetivos são maiores do que os recursos e o tempo de duração do projeto não é suficiente para que os objetivo sejam cumpridos.

Nós da FUNVERDE não definimos tempo para finalizarmos este projeto, pois sabemos que a quantidade de arvores que serão destinadas a este projeto é muito grande. Como exemplo, podemos citar o primeiro córrego que estamos finalizando em Maringá, Neste córrego, já plantamos mais de 20 mil mudas de árvores nativas de um metro e meio cada.

Nosso projeto se desenvolve somente nos sábados durante duas horas com nossos voluntários. Levamos seis meses para fazer os dois quilômetros de extensão deste córrego. O objetivo está sendo cumprido lentamente. Caso houvesse interesse governamental, o tempo que levaríamos para plantar mesma extensão seria de aproximadamente um mês.

O PROJETO MATA CILIAR desde o início do projeto, conta com o apoio da Promotoria de Meio Ambiente de Maringá.

Em 2005 a Prefeitura de Maringá – SEMAA – Secretaria de Meio Ambiente iniciou uma parceria com a FUNVERDE, dando suporte ao projeto realizando as roçadas, preparação do terreno e finalmente os buracos para o plantio das arvores.

Em 2006 a VIAPAR – concessionária de de rodovias – também passa a ser mais uma parceira no PROJETO MATA CILIAR FUNVERDE, realizando roçadas nos locais de plantio.

Este projeto visa também a formação de corredores biológicos entre as diferentes ilhas de remanescentes florestais que existem hoje. Isso ocorre muito na área agrícola onde as matas são geralmente pequenas e isoladas e não suportam alimentar um animal de médio porte.

Visa também proteger as nascentes e os cursos dos córregos e rios, melhorando a qualidade da água e conseqüentemente a qualidade de vida da população.

Um outro grande problema com que nos deparamos durante a execução do projeto, foi o lixo que se acumula nas curvas dos riachos e rios. Está aumentando visivelmente com o passar do tempo. Por isso, durante o período de revegetação de um local, estamos simultaneamente fazendo a limpeza dos córregos.

Para podermos nos certificar de que as mudas plantadas irão crescer e também para termos resultados mais rápidos, utilizamos mudas de no mínimo um metro e meio de altura.

Somente utilizamos mudas de espécies florestais nativas da região, ou seja, espécies da floresta estacional semidecidual.

RESULTADOS DO PROJETO MATA CILIAR FUNVERDE DE AGOSTO DE 2004 A JUNHO DE 2006

Plantados 1.900 metros lineares, totalizando 30.000 árvores nos Córregos Diamante e Mandacaru.

PREVISÃO DE PLANTIO ATÉ DEZEMBRO DE 2006

Trecho compreendido entre a Rua Palmital até a Avenida das Palmeiras.

615 metros lineares em cada margem num total de 1.230 metros lineares.

Trecho compreendido entre a Avenida das Palmeiras até a Avenida Major Abelardo da Cruz.

536 metros lineares em cada margem num total de 1.072 metros lineares.

Previsão de plantio nas duas áreas descritas acima de 23.000 árvores nativas de no mínimo um metro e meio de altura cada.