skip to Main Content

Agricultores ecologistas lançam campanha pela redução do consumo de plástico

Quanto à notícia abaixo, todas as soluções para a sustentabilidade do planeta são simples.

Leve seu embornal para a feira, porque na logo abaixo alguém está defendendo a volta das sacolas de papel. A FUNVERDE é totalmente contra, pois o custo ambiental do papel é mais alto do que o do plástico. Considere a água envolvida no processo do crescimento da árvore até a fabricação do papel, a perda de terra fértil para alguém pegar as sacolas, levar para casa e jogar imediatamente no lixo após um único uso. Isso sem contar os produtos químicos necessários para a fabricação da sacola de papel.

Voltemos então ao velho e bom embornal. Se era bom para sua avó, porque não seria para você?

 

Na verdade a solução final está na extinção da espécie humana, mas como isso não é aceitável, temos que nos adaptar à nova realidade da escasses dos recursos naturais pelo excesso de consumo e excesso de população no planeta.

Observe os porquinhos americanos, que comem até estourar porque a comida está à sua disposição. Não estamos falando de fome mas de comer por comer, para satisfazer alguma outra frustração.

Potes de iogurte? Faça seu próprio iogurte que é muito mais saudável.

Comprou ovos, na próxima vez leve a embalagem vazia para colocar os ovos que irá comprar.

Vidros de geléia? Compre as frutas da época e faça sua geléia sem conservantes e sabe-se lá mais o que químicos tem dentro de uma infensiva geléia.

Quanto ao plástico das sacolas de mercado, dos saquinhos de verdura também do mercado, das sacolas de feira, padaria açougue, videolocadora, farmácia … Oras, compre somente em supermercado que utiliza plástico oxi-biodegradável, que ao invés de demorar até 500 anos para se degradar, em 18 meses já sumiu no ambiente.

Com um pouquinho de boa vontade e menos preguiça dá para mudar o mundo sim, antes que o barco balance tanto não consiga mais voltar ao equilíbrio e vire de cabeça para baixo. Daí meu amigo, já era.

Vou dar o roteiro, porque parece que algumas pessoas pensam que a volta ao uso das sacolas retornáveis é um bicho de sete cabeças.

Afinal, qual a dificuldade de deixar um embornal dentro da bolsa para pequenas compras diárias e alguns dentro do carro para as compras semanais? Caramba, não é tão dificil assim e muito mais confortável, porque as alças das sacolas de plástico cortam a mão quando estão com muito peso dentro da sacola.

Deixe uns 5 embornais no carro para as compras semanais. Quando chegar ao mercado coloque as quatro sacolas dentro de uma sacola e leve ao mercado, coloque dentro do carrinho e faça suas compras.

Quando chegar ao caixa – e esta é a parte mais enervante do processo – vá logo avisando à mocinha do caixa que é para colocar suas compras dentro das sacolas que você trouxe – ela vai reclamar um monte e não entender nada, insistindo muito para você usar as sacolas de plástico que eles oferecem porque depois você pode usar até para colocar lixo.

Depois de uma explanação ideológica – e a vontade de torcer o pescoço da imbecil da mocinha – ela muito à contragosto irá colocar suas compras nas sacolas.

Pois bem, com muito menos sacolas você colocará suas compras no carro sem bagunça – e sem dor nas mãos – pois os embornais são estruturados, você se dirige à sua casa, tira as compras do carro, chega à despensa e retira as compras dos embornais para guardar – dããã – e dobra seus embornais, colocando quatro dentro do quinto e quando voltar ao carro, você os coloca novamente no porta malas para a próxima compra.

Óh, que dificuldade, que cansativo. Pelamordedeus, o mundo está acabando, comece a tirar a bunda do sofá e fazer sua parte, porque o governo está pouco se lixando para o fim do mundo, estão muito mais interessados em enriquecer enquanto estão no poder.

Adapte-se a um novo mundo sem excessos de consumo para ter um mundo para viver.

Campanha Menos plástico e Mais Saúde encerra no próximo dia 16 e visa conscientizar o consumidor a reutilizar as embalagens.

Porto Alegre, RS – “Tenho pavor ao plástico. Procuro sempre evitar as embalagens plásticas. É importante que as pessoas se conscientizem sobre os males que eles podem causar”. A afirmação expontânea da consumidora Elena Almeida, na manhã ensolarada desse sábado, durante suas compras na Feira dos Agricultores Ecologistas da primeira quadra da Rua José Bonifácio,
em Porto Alegre, realçava bem a campanha que acabava de ser lançada. “Menos plásticos e mais saúde” é o slogan do movimento que tenta diminuir o consumo de sacolas e embalagens plásticas.

A partir desse sábado e até o próximo dia 16, todos os consumidores que levarem suas sacolas plásticas de casa terão direito a fichas. No dia 23 de dezembro, ante-véspera do Natal, os clientes inscritos que apresentarem o maior número de fichas ganham vale-compras que poderão ser utilizados na Feira. “Não é tanto pelos vale-compras, que vão de R$ 50,00 a R$ 20,00, mas pela conscientização das pessoas que está o valor dessa campanha”, afirma a jornalista e uma das organizadoras do movimento Cláudia Dreier.

Enquanto animava os consumidores, colocando uma seleta programação de música popular brasileira na Rádio Feira, instalada com essa finalidade, em parceria com o técnico de som, também jornalista e músico, Felipe Messa, Cláudia chamava as pessoas a assinarem um manifesto que pede à Editora L&PM a reedição do livro “O Futuro Roubado”, que está esgotado e mostra as ameaças que o plástico causa à saúde humana, dos animais e do ambiente.

No momento em cadastrava suas fichas, a consumidora Elena Almeida esbanjava otimismo. “Freqüento a Feira há quatro anos, desde que me mudei do Bairro Tristeza para o Bom Fim. Essa iniciativa é maravilhosa. Ela é fundamental para a conscientização das pessoas. Sempre trago minhas sacolas. Eu nunca pego as da feira. Espero que todas as pessoas se conscientizem sobre a importância dessa iniciativa”.

Dramático

Já, no meio da manhã, os primeiros resultados mostravam que os clientes começavam a entender o recado dos agricultores. Antes das 9h30min, cerca de 40 pessoas haviam cadastrado suas fichas. A agricultora Flávia Ryzewski, da cidade de Mariana Pimentel e uma das representantes da Comissão da Feira, revelava o drama vivido pelos que dependem da terra para sobreviver. “O problema do plástico chega ser dramático, pois ele se espalha rapidamente. Nos locais mais longínquos, onde achávamos que ele não estava presente, começa a ser encontrado”.

É triste ver em estabelecimentos comerciais pessoas pegando mais sacolas do que necessitam, revela Flávia Ryzewski. “Temos que voltar à época das sacolas de papel, que se degradam rapidamente”, acrescenta. “As pessoas não pensam no futuro. Imagine o que será daqui há dez anos, por exemplo, com essa grande quantidade de plástico. Em qualquer praça ou parque, quando cavamos para plantar árvores, encontramos plásticos que estão ali há mais de 20 anos, quase intactos. Temos que pensar seriamente o que estamos deixando para as futuras gerações”.

Potes devolvidos

Também o gerente administrativo Renato Salles passava adiante sua receita para tentar minimizar a utilização do plástico: “Sou consumidor da Feira há cerca de 15 anos e procuro, junto com minha esposa, reutilizar todo tipo de plástico. Todo sábado devolvo nas bancas os potes de morango ou amora, comprados na semana anterior. Minhas sacolas plásticas trago de casa. Temos que educar os mais jovens para que sigam esse mesmo caminho, enquanto não encontramos soluções definitivas para o plástico”.

Renato Salles mostrava-se muito preocupado com outro tipo de plástico quem não tem sido aproveitado: os potes de iogurte. “Os produtores de iogurte dizem que não têm como reaproveitar devido a esterilização do pote”, justifica. “Mas mesmo assim trago de volta. Tem que se achar uma saída para eles”.

Desfile de cachorros

Já, o consumidor Petrônio Angresani, de 76 anos, mostrava-se contrariado com a quantidade de cachorros que circulam no interior da Feira, em meio à multidão de clientes. “Não é possível, isso aqui virou um desfile de cachorros. Por que não passeiam com eles no outro lado da rua, onde há um grande parque?”. No seu entender é necessário que os organizadores da Feira tomem medidas urgentes para disciplinar a situação.

A campanha “Menos plástico e mais saúde” prossegue até o próximo dia 16. O cliente ecologista deve levar para a feira qualquer tipo de embalagem. No ato da compra total na banca, sem receber sacola, ele terá direito a uma ficha amarela. Com as fichas na mão, ele deverá cadastrar-se na banca central. Na festa de encerramento do dia 23 de dezembro, os clientes inscritos que tiverem o maior número de fichas ganham vales-compras nos seguintes valores: primeiro lugar, R$ 50,00; segundo lugar, R$ 40,00; terceiro lugar, R$ 35,00; quarto lugar, R$ 25,00 e quinto lugar, R$ 20,00. (EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais)

Este Post tem 2 Comentários
  1. Gostaria de fazer um campanha contra socolas descartavel, pois nossa cidade esta cheia de sacolas. Tem alguma sugesatão para me enviar/
    Agradecida
    Leonene lima

Deixe uma resposta

Back To Top