skip to Main Content

O Reino Unido não usará mais pesticidas que prejudicam as abelhas

Por Manish Pandey Newsbeat repórter 03 de março de 2021 – Foto GETTY IMAGES

Um pesticida que se acredita prejudicar as abelhas não será usado na Inglaterra, depois de ter sido aprovado para uso temporário em janeiro.

O governo havia autorizado o uso emergencial de um produto contendo o químico tiametoxam, por causa de um vírus que afetou as sementes de beterraba sacarina.

Mas essa proteção não será necessária agora, pois o clima mais frio significa que há menos risco para a safra.

O secretário do Meio Ambiente, George Eustice, disse que a autorização de emergência só foi “concedida com condições estritas”.

O Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (Defra) diz que para justificar o uso do agrotóxico, suas previsões tinham de mostrar que o vírus chegaria a um determinado nível.

“No caso, esse limite de pragas não foi ultrapassado, então este tratamento de sementes não será usado este ano”, acrescentou Eustice.

Beterraba sacarina

A beterraba sacarina é importante para a produção de açúcar na Europa – Foto GETTY IMAGES

Em 2018, uma proibição quase total foi imposta pela UE e pelo Reino Unido por causa dos graves danos que o produto químico poderia causar às abelhas.

Estudos científicos relacionaram o uso desses produtos químicos à queda do número de abelhas, abelhas selvagens e outros animais que polinizam as plantas.

Na época da proibição, Michael Gove, então secretário do Meio Ambiente, disse que o Reino Unido era a favor, pois não podia “se dar ao luxo de colocar em risco nossas populações de polinizadores”.

Mas, de acordo com o Defra, a quantidade de beterraba cultivada em 2020 foi reduzida devido ao vírus amarelo – e condições semelhantes em 2021 teriam causado os mesmos problemas, a menos que ela agisse.

Agora diz que alguns danos à safra ainda são prováveis, mas devem estar abaixo do nível em que o uso de pesticidas é considerado justificado.

Por que as abelhas são importantes?

Milan Wiercx van Rhijn, da instituição de caridade Bees for Development, ficou inicialmente “decepcionado” com a decisão do governo de permitir o uso do pesticida.

Ele está “aliviado” pelo fato de o pesticida não ser mais usado, mas continua preocupado se essa for uma opção.

“A agricultura deve ser regenerativa e não podemos continuar destruindo o ecossistema do qual dependemos”, disse ele à Rádio 1 Newsbeat.

“As gerações futuras ficarão chocadas só com o fato de termos considerado o uso dessas toxinas – já vemos o enorme declínio dos insetos e da biodiversidade.”

O homem de 32 anos explica que os insetos desempenham um papel vital na cadeia alimentar – cerca de um terço da comida que comemos depende da polinização principalmente por abelhas.

“Se matarmos os insetos que são os blocos de partida da cadeia, vamos matar os animais lá em cima”, acrescenta.

“É difícil entender o impacto que isso terá sobre nós.”

Milan concorda que é importante proteger a beterraba – mas diz que soluções de longo prazo devem ser o foco.

“Se continuarmos pensando nessas soluções de curto prazo e voltando atrás, nunca chegaremos ao ponto em que não usaremos esses produtos.”

Abelha

As abelhas são importantes no processo de polinização das plantas – Foto GETTY IMAGES

Ele sugere um foco maior em ter uma “bio-abundância forte e resiliente” – que é deixar as coisas crescerem adequadamente e “não reduzi-las”.

“Mantenha suas flores crescendo na primavera, pois isso terá alimento para os polinizadores.”

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top