skip to Main Content
A Ilha Desabitada E Cheia De Elásticos

A ilha desabitada e cheia de elásticos

Os guardas florestais que cuidam da colônia na ilha Mullion ficaram inicialmente intrigados por este fenômeno. Estavam vendo pequenas coisas coloridas espalhadas pela ilha.

Deduziram depois que as grandes gaivotas e arenque-de-dorso-preto pegavam os elásticos como se fossem alimento e os traziam do continente.

Eles os deixam em locais de repouso na ilha, de acordo com o National Trust.

A Ilha Mullion, na Península Lizard, é um santuário para aves marinhas, incluindo grandes gaivotas-de-dorso-preto - a maior espécie de gaivota do mundo - gaivotas-prateadas, corvos-marinhos e felpudos

A Ilha Mullion, na Península Lizard, é um santuário para aves marinhas, incluindo grandes gaivotas-de-dorso-preto – a maior espécie de gaivota do mundo – gaivotas-prateadas, corvos-marinhos e felpudos

Apesar da falta de acesso ao público no local, os efeitos da influência humana estão por toda parte.

Os elásticos são usados pela indústria de flores para prender os ramos – e quando descartada irregularmente, as aves se confundem e pensam que é comida e levam para a ilha para alimentar seus filhotes.

Partes de rede de pesca e de barbante também foram encontrados entre os alimentos não digeridos, provavelmente confundidos pelas gaivotas imaginando um delicioso alimentos que estavam flutuam na superfície do mar.

Rachel Holder, guarda florestal do National Trust, disse: ‘Plástico e borracha ingeridos é mais um na lista dos desafios que nossas gaivotas e outras aves marinhas que precisam enfrentar a fim de sobreviverem’.

“As Gaivotas mesmo sendo barulhentas e aparentemente comuns, estão com sua população em declínio.”

“Pela quantidade de plásticos e borrachas encontrados na ilha, podemos deduzir que a população de peixes e está diminuindo neste local”.

‘Lugares como Ilha Mullion devem ser santuários para nossas aves marinhas, por isso é horrível vê-las se tornarem vítimas das atividades humana.’

Os guardas florestais que cuidam da colônia em Mullion Island ficaram inicialmente coçando a cabeça pelo fenômeno, que viu faixas coloridas espalhadas pela ilha.  Na foto, maços de rede de pesca de plástico verde e barbante regurgitados por gaivotas

Pensa-se que grandes gaivotas e arenque-de-dorso-preto apanham as bandas como alimento, enquanto se alimentam nos campos dos agricultores no continente.  Na foto, especialistas limpando Mullion Island

Pensa-se que grandes gaivotas e arenque-de-dorso-preto apanham as bandas como alimento, enquanto se alimentam nos campos dos agricultores no continente. Na foto, especialistas limpando a Ilha Mullion.

Uma gaivota morreu após ser apanhada em um anzol de 10 cm de comprimento

Esta gaivota morreu após ser apanhada em um anzol de 10 cm de comprimento

O National Trust está pedindo às empresas que revejam suas práticas de como descartam o plástico, látex e outros materiais que podem causar danos à vida selvagem.

Lizzy Carlyle, chefe de práticas ambientais do Trust, disse: ‘Os materiais de uso único estão tendo um impacto alarmante nos lugares mais remotos do planeta’.

“Cabe a todos nós assumir a responsabilidade pela forma como usamos e descartamos esses itens – sejam produtores ou consumidores”.

Rachel Holder, guarda florestal do National Trust, disse: 'Plástico e borracha ingeridos são outro fator em uma longa lista de desafios que nossas gaivotas e outras aves marinhas devem enfrentar apenas para sobreviver.  Na foto, um elástico amarelo em um pellet de alimentos não digeridos

Na foto, um elástico amarelo em um pellet de alimentos não digeridos

O West Cornwall Ringing Group visita a ilha duas vezes por ano.

Mark Grantham, do grupo, disse: ‘Primeiro notamos os elásticos em uma visita de monitoramento durante a estação reprodutiva e ficamos confusos por que havia tantas e como chegaram lá’.

“Para evitar perturbar os ninhos dos pássaros, fizemos uma viagem especial no outono para limpar a ninhada. Em apenas uma hora, coletamos milhares de elásticos e um punhados de resíduos de pesca.

`A temporada de procriação das gaivotas foi decepcionantemente em 2019 e o consumismo humano está ajudando a acabar com estas espécies nesta ilha da Cornualha’.

Uma gaivota morreu após ser apanhada em um anzol de 10 cm de comprimento.  Na foto, um especialista remove um anzol da garganta de uma grande gaivota de dorso negro

 

O número da gaivota-de-costas-pretas diminuiu em 30% nas últimas décadas e agora existem apenas cerca de 17.000 ninhos ocupados em todo o país.

A Ilha Mullion, na Península Lizard, é um santuário para aves marinhas, incluindo grandes gaivotas-de-dorso-preto - a maior espécie de gaivota do mundo - gaivotas-prateadas, corvos-marinhos e felpudos

O número de gaivotas-prateadas também diminui 60% desde 1969. Pensa-se que as razões das mudanças incluam doenças, escassez de alimentos e aumento de predadores no solo.

Deixe uma resposta

Back To Top