skip to Main Content

 

Recebemos muitas mensagens solicitando informação de porque a FUNVERDE criou o projeto sacolas ecológicas e apoia a tecnologia de plástico biodegradável.

 

Por que mudar algo que está funcionando?

As sacolas plásticas estão fazendo sua parte na sociedade, levando e acondicionando o que o que o consumidor coloca dentro delas.

O problema maior é a educação das pessoas que as utilizam.

Educação demanda tempo para ser conseguida, algumas vezes, demora gerações e a humanidade não tem mais todo esse tempo para poder reverter o quadro de destruição do planeta.

A FUNVERDE faz, aos sábados, desde 2004, o replantio de mata ciliar nos córregos de Maringá. Junto, faz a limpeza dos córregos.

O que mais se encontra na limpeza são sacos e sacolas plásticas.

Proporcionalmente, 80% do lixo recolhido são sacos de supermercados com suas logomarcas aparecendo claramente e restos de sacos de lixo que são jogados neste local, 10% garrafas PET de água, refrigerantes, xampu etc., 2% de tecidos em geral (restos de tecido), 1% de vidros em geral, 1% de pneus de bicicletas, carros e caminhões, 5% de outros matériais, inclusive material utilizados em clinicas e hospitais como seringas, agulhas, pacotes de sangue etc. e 1% de metais em geral.

Então o que fazer?

Educar? Sim, é o mais importante. Pedir para que não se jogue sujeira nas ruas, pelas janelas dos carros, depois de consumir uma cerveja ou refrigerante, dar o destino apropriado para todo o lixo.

Em 2005, iniciamos a procura de alguma tecnologia emergencial para degradação do plástico. Encontramos várias, mas optamos pela biodegradádel pelo seu preço e por já estar disponível no mercado europeu há alguns anos.

Pesquisando, descobrimos que a tecnologia biodegradável necessitava de ambiente biologicamente ativo, ou seja, precisa de muitas bactérias para poder consumir este plástico, e isso não se encontra nos plásticos presos às raízes ou galhos de árvores, nas beiras de córregos, nas ruas e estradas, isso só é encontrado nos lixões ou aterros sanitários.

Os plásticos que estavam sendo acondicionados nestes locais não nos preocupava, pois já tinham tido destinação correta.

Por esta razão, optamos pela tecnologia biodegradável, que sempre se degrada, em qualquer condição, pois primeiro se oxida e após este processo, é consumida pelos microorganismos.

Procuramos os laudos que haviam sobre processos de degradação dos plásticos aditivados, onde mostrava os efeitos causados ao ambiente.

Descobrimos que os plásticos biodegradáveis de amido, em sua degradação, emitem gás metano, que é 21 vez mais prejudicial ao planeta do que o carbono que é emitido pelo plástico aditivado.

Por que plástico biodegradável?

O plástico biodegradável tem o preço bem próximo do plástico convencional, é menos poluente, não contém metais pesados e se degrada em qualquer situação.

O plástico biodegradável é reciclável, devendo ter este destino quando coletado, assim como o plástico convencional.

O plástico biodegradável não contamina os processos de reciclagem, nem precisa de coleta separada como é o caso do plástico biodegradável.

O plástico biodegradável pode ser feito de material reciclado.

O plástico biodegradável é compatível com compostagem se este for seu destino, ou seja, podemos colocar os resíduos orgânicos em saco de lixo biodegradável e imediatamente colocar para compostagem.

Os motivos acima foram o suficiente para que a FUNVERDE se declarasse a favor desta tecnologia.

Na produção de gasolina, diesel e outros subprodutos do petróleo, a nafta – material do qual o plástico é produzido – é gerada. Se não for aproveitada, será queimada gerando CO2, sem ter tido utilidade para a humanidade.

Por isso, enquanto dependermos do petróleo como matriz energética, somos a favor de plásticos derivados do petróleo.

A FUNVERDE não consegue conceber a idéia de utilizar terra fértil tão preciosa e escassa, para utilizar no plantio de milho, cana e outros alimentos para matéria prima do plástico biodegradável.

A terra deve ser utilizada para plantar alimento para os seres humanos.

Nós sabemos que o ideal, quando se trata de supermercados, é o uso de sacolas retornáveis, movimento crescente nos paises europeus. O mal menor, hoje, na nossa sociedade, é a sacola biodegradável.

Qual o BEM ou o MAL do plástico BIODEGRADÁVEL depois de consumido.

SE FOR devidamente destinado para os aterros ou lixões, em pouco tempo irá se decompor, evitando, como no caso dos plásticos convencionais, que se crie camadas de plásticos que impermeabilizam os aterros, impedindo a decomposição do lixo e gerando gases (metano por exemplo).

SE FOR jogado em local impróprio, como ruas, fundo de vale etc, irá para o local mais baixo, como os rios e lagos, finalmente o mar, ficando muito menos tempo exposto, pois em 18 meses no máximo, irá se degradar e posteriormente se biodegradar.

Para acabar com as dúvidas das pessoas que estão comentando que este plástico irá se fragmentar, aumentando a poluição, vamos dar o exemplo da melancia. Ninguém consegue comer uma melancia inteira, apenas se for fatiada.

Pois com os microorganismos é a mesma coisa, por isso o plástico demora até 500 anos para se degradar.

A cadeia molecular do plástico é muito longa, sendo quase impossível de ser consumida pelos microorganismos, mas a partir da degradação, o plástico está fatiado e pronto para ser consumido pelos microorganismos, isto é, biodegradado.

O MAL

As pessoas que são contra o uso desta tecnologia dizem que contém metais pesados, mas sabemos que o metal pesado esta presente no pigmento (cor) do plástico no Brasil.

Os laudos que nos foi passado pela tecnologia D2W da Symphony comprova que não existe risco de contaminação dos produtos acondicionados diretamente ou não nas sacolas produzidas com este aditivo. Não existe risco de contaminação na natureza quando o processo de biodegradação finaliza.

Não interessa se o aditivo que degrada o plástico está presente ou não, a pigmentação é um contaminante.

Então qual o mal de se degradar em 18 meses ou em 100 anos? O metal pesado esta presente na tinta e não no plástico. Só estaremos deixando um problema para as futuras gerações resolverem.

COMO RESOLVER ISSO?

Para poder sanar este problema, estamos incentivando o uso de sacolas plásticas transparentes, com o mínimo de cor, evitando o uso de pigmentação, preservando assim recursos naturais.

Estamos também incentivando a utilização de pigmentos ecologicamente corretos.

A MÉDIO E LONGO PRAZO

Estamos recriando a sacola retornável – que nossas avós já usavam há muito tempo -, com conforto e facilidade para quem está sempre fazendo pequenas compras nos supermercados, feiras, padarias, açougues etc. Veja neste link http://www.funverde.org.br/blog/sacolas/projeto-sacolas-ecologicas

Não temos a intenção de resolver o problema em um toque de mágica, mas sabemos que são as pequenas ações que farão a diferença na preservação ambiental, deixando um planeta melhor para as futuras gerações, os seres do amanhã.

Back To Top