skip to Main Content
Amiga Natural

Amiga natural

Prefeitura de Belo Horizonte disponibiliza joaninhas para combate a pragas em hortas e jardins

De Maria Eduarda Faria 12/11/2019

Famosas na cultura popular por atrair a sorte, as joaninhas passaram a ser os novos amuletos dos belo-horizontinos. É que a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) desenvolveu uma biofábrica para criá-las a fim de combater pragas de hortas e jardins, sem fazer uso de agrotóxicos ou pesticidas.

Além de serem utilizadas pela gestão pública, as joaninhas são distribuídas, de forma GRATUITA, diariamente para a população. Em cinco meses, foram disponibilizados 25 mil insetos da espécie. E você também pode contar com tais ajudantes. Vem ver como!

Segundo o gerente de Ações para Sustentabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Dany Sílvio Amaral, a experimentação do projeto teve início há quase dois anos e diante dos resultados positivos, as joaninhas começaram a ser distribuídas na capital mineira. “A ideia veio em 2017, quando descobrimos que na França tinha uma biofábrica dessa. Levamos a proposta para a prefeitura que logo a transformou em um planejamento estratégico”, conta ao BHAZ.

Imagem Ilustrativa/Elements/Reprodução

 

O profissional completa dizendo que o processo de criação teve início em maio de 2018 e em outubro do mesmo ano já estavam sendo realizados testes em algumas hortas. “Começamos a fazer as experimentações locais e foi um sucesso. As joaninhas e os crisopídeos exterminaram a maior parte das pragas existentes. Então, aumentamos a produção dos insetos e, a partir de julho deste ano, começamos com a distribuição para quem se interessasse”, diz Dany.

As duas espécies escolhidas são as principais predadoras de recorrentes pragas ambientais. Tanto na fase larval, como na fase adulta, as joaninhas se alimentam de pulgões, ácaros e percevejos. Já as larvas de crisopídeos consomem pulgões, cochonilhas, ácaros, tripes, lagartas pequenas e mosca-branca. Ao colocar as larvas no meio ambiente, elas mantém a biodiversidade.

Imagem Ilustrativa/Elements/Reprodução

Kit joaninha

Ter esses novos aliados em casa é fácil! Para receber os kits de joaninhas, o interessado deve apenas preencher um formulário no portal de serviços da prefeitura (clique AQUI). Com o pedido autorizado, o solicitante será convocado por e-mail a ir buscar os kits na Casa Amarela do Parque da Mangabeiras ou na Secretaria de Meio Ambiente, no Centro da capital.

As larvas dos insetos são distribuídas GRATUITAMENTE à população em frascos que contém serragem e, em média, 10 insetos. Cada pessoa tem direito a três potes. “Liberamos os insetos em fase larval por se tratar de sua fase inicial, dessa forma se alimentam mais. Além disso é um período que por exemplo a joaninha ainda não voa, então não corre risco dela sumir da plantação”, explica Dany Sílvio ao BHAZ.

Imagem Ilustrativa/Elements/Reprodução

 

“A meta de demanda até 2020 é de 60 mil larvas, mas em menos de seis meses já contabilizamos uma média de 25 mil insetos doados. A ideia é cada vez aumentar nossa matriz de produção e assim poder ter um número cada vez maior de ‘amigos naturais’, que é como chamamos as joaninhas e crisopídeos”, completa o gerente de Ações para Sustentabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Sucesso internacional

Voltando a sua matriz de inspiração, o projeto da biofábrica de Belo Horizonte foi convidado a se apresentar no município de Caen, na região da Normandia, na França. A ideia desenvolvida pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente será representada pelo biólogo Wagner Resende, um dos técnicos responsáveis pelo trabalho.

Na programação, que vai até o dia 24 de novembro de 2019, estão previstas várias atividades, como reuniões para troca de experiências na prefeitura e na Universidade de Caen. Outro destaque será a visita técnica ao Jardim Botânico da cidade, que desde a década de 80 dedica-se também à produção massal de joaninhas e crisopídeos para o controle agroecológico de pragas em horticultura, jardinagem e arborização pública.

PBH/Divulgação

 

O convite partiu do prefeito de Caen, Joel Brunneau, e da Embaixada da França, por meio do Adido Cultural da Embaixada da França em Belo Horizonte e diretor-adjunto do Instituto Francês do Brasil para o Estado de Minas Gerais, Philippe Makany.

“Esta visita técnica será muito interessante, porque Caen vai poder conhecer uma experiência exitosa de manejo em áreas verdes executadas no Brasil. É um primeiro passo para que Caen conheça o que está sendo feito na biofábrica de Belo Horizonte e a partir daí estabeleça outros trabalhos conjuntos”, disse Philippe Makany.

Veja também

Deixe uma resposta

Back To Top