skip to Main Content
O Lado Bom Da Pandemia De Coronavírus – Queda Na Poluição Do Ar

O lado bom da pandemia de coronavírus – queda na poluição do ar

Por  e – The Guardian
Níveis de poluição na China em 2019, esquerda e 2020. Fotografia: Guardian Visuals / ESA satellite data
‘Maior experimento em escala de todos os tempos’ mostra o que é possível, pois imagens de satélite revelam queda acentuada nos níveis globais de dióxido de nitrogênio.
A pandemia de coronavírus está fechando fabricas e diminuindo as atividades industriais temporariamente baixando os níveis de poluição do ar em todo o mundo, mostram as imagens de satélite da Agência Espacial Européia.

Especialista disse que a mudança repentina representou o “experimento de maior escala de todos os tempos” em termos de redução de emissões industriais.

As leituras do satélite Sentinel-5P da ESA mostram que, nas últimas seis semanas, os níveis de dióxido de nitrogênio (NO2) nas cidades e aglomerados industriais na Ásia e na Europa foram marcadamente mais baixos do que no mesmo período do ano passado.

 

O dióxido de nitrogênio é produzido a partir de motores de automóveis, usinas de energia e outros processos industriais e acredita-se que seja uma das causas das doenças respiratórias como a asma.

Embora não seja um gás de efeito estufa, o poluente se origina das mesmas atividades e setores industriais responsáveis ​​por grande parte das emissões de carbono do mundo e que impulsionam o aquecimento global.

Paul Monks, professor de poluição do ar da Universidade de Leicester, previu que aprenderemos lições importantes nesta pandemia. “Estamos agora, inadvertidamente, conduzindo o experimento de maior escala já visto”, disse ele. “Estamos passando pelo que poderemos analisar no futuro se pudermos mudar para uma economia de baixo carbono. Não termos mais perda de vidas, mas isso pode nos dar alguma esperança. É um laboratório maravilhoso para podermos analisar o que poderemos conseguir no futuro”.

Monks, ex-presidente do comitê consultivo de ciência do governo do Reino Unido sobre a qualidade do ar, disse que uma redução na poluição do ar pode trazer alguns benefícios à saúde, embora seja improvável que eles compensem a perda de vidas devido à pandemia.

“É provável que uma redução na poluição do ar seja benéfica para pessoas em que sejam suscetíveis, por exemplo, alguns que sofrem de asma”, disse ele. “Isso poderia reduzir a propagação da doença. Um alto nível de poluição do ar aumenta a absorção viral, porque inflama e diminui a imunidade da pessoa. ”A agricultura também pode receber um impulso porque a poluição atrapalha o crescimento das plantas”, acrescentou.

A Organização Mundial da Saúde descreve o NO2 como “um gás tóxico que causa inflamação nas vias aéreas” em concentrações acima de 200 microgramas por metro cúbico. As partículas de poluição também podem ser um vetor para patógenos, além de aumentar os problemas de saúde existentes. A OMS agora está investigando se as partículas de poluição transportadas pelo ar podem ser um vetor que espalha o Covid-19 e o torna mais virulento.

Uma das maiores quedas nos níveis de poluição foi observada na cidade de Wuhan, no centro da China, que foi submetida a um rígido bloqueio no final de janeiro. A cidade de 11 milhões de pessoas serve como um importante centro de transporte e é o lar de centenas de fábricas que fornecem peças de automóveis e outros equipamentos para as cadeias de suprimentos globais. Segundo a Nasa, os níveis de dióxido de nitrogênio no leste e no centro da China foram 10 a 30% mais baixos que o normal.

Os níveis de NO2 também caíram na Coréia do Sul, que há muito luta com altas emissões de sua grande frota de usinas a carvão, mas também de instalações industriais próximas na China.

O país evitou a confinamento de regiões inteiras, mas está meticulosamente rastreando e isolando casos suspeitos de coronavírus.

As mudanças no norte da Itália são particularmente impressionantes, porque a fumaça de um denso aglomerado de fábricas tende a ficar presa nos Alpes no final do Vale do Pó, fazendo deste um dos pontos críticos da poluição na Europa Ocidental.

Desde que o país entrou em quarentena no dia 9 de março, os níveis de NO2 em Milão e outras partes do norte da Itália caíram cerca de 40%. “É algo sem precedentes”, disse Vincent-Henri Peuch, diretor do Serviço de Atmosfera Copernicus. “No passado, vimos grandes variações em alguns dias, mais por causa do clima. Nenhum sinal de emissões que durou tanto tempo.”

A fonte ainda não está clara. Uma possibilidade é uma desaceleração da atividade no coração industrial da Itália. Outro fator provavelmente será a redução do tráfego rodoviário, responsável pela maior parcela das emissões de dióxido de nitrogênio na Europa.

Peuch disse que os satélites estão começando a captar sinais semelhantes em outras cidades europeias que estão entrando em quarentena, embora os dados precisem ser estudados por um período mais longo para confirmar que esse é um padrão.

 

Embora o Reino Unido esteja mais de uma semana atrás da Itália em termos de propagação da doença e resposta do governo, os monitores na estrada já mostram níveis significativamente baixos de poluição em pontos críticos como o Marylebone em Londres.

O tráfego rodoviário é responsável por cerca de 80% das emissões de óxido de nitrogênio no Reino Unido, segundo Monk. Para um carro a diesel médio, cada quilômetro não percorrido evita que 52 miligramas do poluente entrem no ar.

“Acho que sairemos desta pandemia com uma percepção clara e fomos desafiados a pensar: precisamos realmente dirigir nossos carros como fazemos hoje, queimando tanto combustíveis?”, disse Monk.

São Paulo, uma das cidades mais poluídas da América Latina, não fugiu ao que se vê no resto do mundo. Muitas pessoas foram às redes sociais escrever que nunca tinham visto o céu tão azul na capital paulista e que a tradicional faixa marrom ou acinzentada no horizonte pelo ar sujo tinha sumido. No fim da tarde de ontem, todas as estações da CETESB na Grande São Paulo indicavam boa qualidade do ar.

Em Porto Alegre, estação de monitoramento de qualidade do ar na zona Norte registrou nos últimos dias valores baixos de poluição e qualidade do ar permanentemente boa. M

Conforme a Organização Mundial da Saúde, a poluição do ar mata por ano no mundo 7 milhões de pessoas.

 

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top