skip to Main Content

Pesca fantasma causa declínio acentuado na população marinha

Divulgado hoje (8) pela World Animal Protection, relatório aponta que as 15 maiores empresas de pescado do mundo precisam promover ações para acabar com a pesca fantasma – que é aquela realizada por equipamentos de pesca abandonados, perdidos e descartados, também conhecidos como petrechos fantasmas. Esses materiais matam cruel e desnecessariamente milhões de animais marinhos (peixes, mamíferos, tartarugas) todos os anos. Além do alto impacto ambiental pela demora na decomposição desses equipamentos, até 600 anos, estima-se que 5 a 30% do declínio populacional de algumas espécies pode ser atribuído à pesca fantasma.

No relatório, as empresas foram classificadas de 1 a 5 em sua capacidade de enfrentar o problema dos equipamentos e da pesca fantasma: sendo nível 1 o melhor e o nível 5 o pior. Nenhuma dessas companhias alcançou o nível 1 e 2. “Nosso objetivo com esse relatório é chamar a atenção do setor para algo tão prejudicial aos animais. A ideia é que essas companhias integrem a gestão responsável e o gerenciamento de pesca nas estratégias de negócios”, afirma João Almeida da World Animal Protection.

Apenas três das 15 empresas alcançaram o nível 3, pois estabeleceram políticas para a gestão e manuseio de suas redes de pesca: Young’s Seafood, Thai Union e TriMarine. No nível 4 estão Bumble Bee Seafoods e Dongwon. Essas empresas contam com gerenciamento responsável de pesca em suas agendas, mas os dados sobre as ações e mudanças ainda são limitados.

As 10 empresas restantes, incluindo o gigante canadense High Liner Foods, cujos produtos de marca de varejo são vendidos nos Estados Unidos, Canadá e México, sob as etiquetas High Liner, Fisher Boy, Sea Cuisine e C. Wirthy, ocupam o nível 5 e não estão envolvidas com o tema. “Esperamos que essas empresas trabalhem duro para melhorar suas posições nos próximos anos. Afinal, além da questão ambiental, os consumidores já tratam o bem-estar animal como fator decisivo de compra”, declara João Almeida da World Animal Protection.

Com preocupação, o relatório mostra que 73% das empresas avaliadas não possuem uma posição clara sobre os petrechos e sobre a pesca fantasma. Nem mesmo reconhecem publicamente a questão.

Fonte – Julio Ottoboni, Envolverde de 08 de março de 2018

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top