skip to Main Content

Pesquisa revela o declínio catastrófico nas áreas selvagens globais nos últimos 20 anos

Um décimo das regiões selvagens do mundo perdidas em 2 décadas

Uma equipe de pesquisa, incluindo o professor William Laurance da James Cook University, descobriu que houve um declínio catastrófico nas áreas selvagens globais nos últimos 20 anos. A equipe mostrou que, desde a década de 1990, uma décima parte da região selvagem mundial desapareceu – uma área do dobro do tamanho do Alasca. A Amazônia e a África Central foram mais atingidas.

As descobertas evidenciam uma necessidade urgente de políticas internacionais para reconhecer o valor das regiões selvagens e enfrentar ameaças sem precedentes para isso, disseram os pesquisadores.

“As políticas ambientais estão falhando no mundo”, disse o professor Laurance.

“Apesar de serem fortalezas para a biodiversidade em perigo, regulando os climas locais e sustentando muitas comunidades indígenas, as áreas selvagens estão desaparecendo diante de nossos olhos”.

A equipe de pesquisa, liderada por James Watson, da Wildlife Conservation Society e da Universidade de Queensland, mapeou paisagens biologicamente e ecologicamente intactas, sem qualquer perturbação humana significativa em todo o mundo. Os pesquisadores compararam seu mapa atual da região selvagem com um produzido pelo mesmo meio no início da década de 1990.

O mapa atualizado mostra que 30 milhões de quilômetros quadrados (23 por cento da área terrestre mundial) ainda sobrevivem como região selvagem, sendo a maioria localizada na América do Norte, Norte da Ásia, África do Norte e Austrália.

No entanto, cerca de 3,3 milhões de quilômetros quadrados de área selvagem foram destruídos nos últimos 20 anos. As perdas foram maiores na América do Sul, que sofreram uma perda de 30% de sua região selvagem e a África, que sofreu uma perda de 14%.

“A área de regiões selvagens perdida em apenas duas décadas é assombrosa e triste. Políticas internacionais são urgentemente necessárias para manter a região selvagem sobrevivente, antes que seja tarde demais. Provavelmente temos apenas uma ou duas décadas para transformar esta crise”, disse o professor Laurance.

O Prof. Laurance disse que as Nações Unidas e outros organismos internacionais ignoraram as áreas selvagens de importância global nos principais acordos ambientais multilaterais, e isso tem que mudar.

“Uma vez que uma área selvagem se perde, quase nunca volta”, disse o Prof. Laurance. “A única opção é proteger proativamente a região selvagem que restam”.

William F. Laurance, PhD, FAA, FAAAS, FRSQ
Distinguished Research Professor, James Cook University
Australian Laureate & Prince Bernhard Chair in International Nature Conservation (Emeritus)
Director of the Centre for Tropical Environmental and Sustainability Science (TESS)
Director of ALERT (ALERT-conservation.org)

Referência

Catastrophic declines in wilderness areas undermine global environmental targets. Watson, James E. M., Shanahan, Danielle F., Di Marco, Moreno, Allan, James, Laurance, William F., Sanderson, Eric W., Mackey, Brendan and Venter, Oscar (2016) Catastrophic declines in wilderness areas undermine global environmental targets. Current Biology, 26 21: 2929-2934. doi:10.1016/j.cub.2016.08.049

Fonte – Tradução e edição Henrique Cortez, EcoDebate de 29 de setembro de 2017

Deixe uma resposta

Back To Top