skip to Main Content

Plástico oxibiodegradável pode ser reciclado juntamente com os plásticos convencionais, mostra análises realizadas pela Roediger

A associação dos Convertedores Europeus de Plástico (“EuPC”) publicou um relatório sobre a reciclagem dos plásticos biodegradáveis elaborado pelo austríaco für Kunststofftecknik GmbH (“TCKT”).

A Associação dos Plásticos Oxibiodegradáveis (OPA) solicitou uma análise deste relatório pelo laboratório especialista Roediger em Stellenbosch, África do Sul, e a análise foi publicada no site da OPA. (www.biodeg.org)

A análise Roediger conclui que o relatório TCKT é confuso e que “ele precisa ser claramente entendido que existem dois tipos muito diferentes de produtos de plástico biodegradável”.

A) “Compostáveis” – (também vagamente conhecido como “plásticos de base biológica” ou ” bioplásticos “) e projetado de acordo com EN13432 para biodegradar em compostagem industrial, e,

B) Oxibiodegradável – feito a partir de polímeros derivados do petróleo, tais como PE e PP, que contenham ingredientes especiais (que não incluem os “metais pesados”) concebidos de acordo com a norma ASTM D6954 a degradar e biodegradar em meio aberto sem deixar resíduos nocivos.

Quatro amostras testadas pela TCKT, das quais três eram baseados em bio e compostáveis e apenas uma delas (DEG2) não era de base biológica e degradável, que por sinal não foi adequadamente descrita. Portanto, não se sabe que tipo de polímero foi utilizado, qual a idade da amostra testada, nem que aditivo havia sido incluído no polímero, nem a sua concentração dentro do polímero. Não há nenhuma explicação sobre a forma como o autor avaliou se a amostra DEG2 era biodegradável.

A conclusão dos laboratórios Roediger é que:

O relatório TCKT confirma que os plásticos “compostáveis” baseados em bio plásticos não podem ser reciclados de forma segura, juntamente com os plásticos baseados em petróleo em um fluxo de resíduos pós-consumo, e que, não há nenhuma razão para mudar seu ponto de vista após extensos testes realizados em 2012, os quais mostraram que produtos plásticos feitos com tecnologia oxibiodegradável podem ser reciclados juntamente com polímeros à base de petróleo convencionais, sem a necessidade de separação e sem qualquer prejuízo significativo para o produto reciclado recém-formado.

O relatório Roediger observa que “A oxibiodegradação do material polimérico foi estudado em profundidade em muitos estudos científicos, mais recentemente no Instituto Técnico de Pesquisa da Suécia e na Universidade Sueca de Ciências Agrícolas. Um relatório do trabalho independente foi publicado no Vol. 96 da revista de Polímeros Degradação e Estabilidade (2011) na página 919-928. Ele mostra 91% de biodegradação em um ambiente de solo dentro de 24 meses”, quando testado em conformidade com a norma ISO 17556.”

Roediger ressalta que “a oxibiodegradação é definida pela norma CEN TR15351 como” degradação oxidativa resultante de fenômenos mediados por células, simultaneamente ou sucessivamente. Embora descrita no relatório TCKT como “oxi-fragmentável”, e às vezes descrito na literatura não científica como “oxi-degradável”, isso descreve apenas a primeira fase de degradação ou do fenômeno oxidativo. Estas descrições não devem ser utilizadas para o material que se degrada por processo de oxibiodegradação definido pelo CEN, e a descrição correta é “oxibiodegradável.”

Sobre a Associação dos Plásticos Oxibiodegradáveis (OPA)

Atualmente existem 1.258 integrantes na associação. São fabricantes, distribuidores, importadores, exportadores e usuários comerciais finais de produtos oxibiodegradáveis em diferentes países.

Fonte – Oxobiodegradable Plastics Association. Este documento foi fornecido pelo editor da SpecialChem / Portal SpecialChem  de 14 de janeiro de 2014

Boletim do Instituto IDEAIS de 21 de janeiro de 2014

Instituto Ideais
Visite o site  www.i-ideais.org.br
Siga no Twitter twitter.com/InfoIdeais
Siga no Facebook www.facebook.com/pages/Instituto-Ideais
Entre em contato por Email [email protected]
Ou por telefone + 55 (19) 3327 3524

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top