skip to Main Content
Quantificar Os Impactos Evolutivos Dos Humanos Na Biosfera é Mais Difícil Do Que Parece

Quantificar os impactos evolutivos dos humanos na biosfera é mais difícil do que parece

Os pesquisadores podem estar estudando espécies que se saem relativamente melhores em tais ambientes do que a espécie média na Terra, porque só se pode estudar a seleção em espécies que sobrevivem em ambientes impactados. Crédito: Andrew Hendry

Os distúrbios humanos no ambiente estão provocando mudanças evolutivas em animais e plantas? Um novo estudo conduzido por pesquisadores da McGill descobriu que, em média, os distúrbios humanos não parecem acelerar o processo de seleção natural. Embora a descoberta possa parecer reconfortante, esse padrão inesperado pode refletir o número limitado de espécies para as quais há dados disponíveis.

Muitos estudos mostraram que as espécies evoluem, em resposta à atividade humana, em um ritmo que excede as taxas naturais: as espécies de peixes geralmente se tornam menores à medida que os humanos colhem seletivamente os maiores peixes; Ervas daninhas e pragas de insetos estão se tornando resistentes aos pesticidas, e os patógenos estão se tornando mais resistentes aos antibióticos.

A rápida evolução em resposta às atividades humanas pode ser causada por um fortalecimento da seleção natural, uma influência fundamental no ritmo da evolução. Para entender melhor até que ponto isso ocorre, Vincent Fugère e Andrew Hendry, do Departamento de Biologia da McGill, revisaram milhares de trabalhos científicos sobre o tema. Destes, eles mantiveram 40 que fornecem estimativas de “força de seleção” – a medida em que uma característica particular está ligada à sobrevivência ou sucesso reprodutivo (“aptidão darwiniana”) – em ambientes humanos perturbados e naturais. Esses casos incluíam, por exemplo, espécies de ervas daninhas encontradas em pastagens pulverizadas ou não pulverizadas com herbicidas; outro envolveu uma população de tubarões antes e depois da construção de um resort de praia que induziu a alteração do habitat local de mangue.

Dos 40 estudos selecionados, os autores compilaram 1.366 estimativas cobrindo 102 características em 37 espécies diferentes. Eles então usaram modelos estatísticos para testar se havia uma tendência geral de seleção mais forte em condições de perturbação humana. Embora alguns distúrbios tenham causado uma seleção muito forte induzida pelo homem, outros enfraqueceram a seleção, o que não resultou em efeito líquido, em média, ao agrupar todos os estudos disponíveis.

“Não estamos argumentando que os distúrbios humanos não causam evolução; na verdade, eu certamente acredito no contrário”, diz Fugère, principal autor do novo artigo publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences .

Em vez disso, a descoberta, que provavelmente surpreenderá alguns biólogos evolucionistas, destaca os desafios de quantificar os impactos evolucionários dos seres humanos na biosfera.

Por exemplo, a maioria das espécies no banco de dados dos autores teve um bom desempenho (apresentou maior ‘adequação’) no ambiente perturbado, o que pode enfraquecer as estimativas da força de seleção por razões estatísticas. “Os biólogos sabem que muitas espécies que se saem mal em ambientes impactados por humanos, muitas vezes, se extinguem nesses ambientes, um fenômeno conhecido como extinção local”, diz Fugère. “Taxas de extinção local nunca foram tão altas, mas nenhuma espécie incluída em nosso banco de dados tornou-se localmente extinta Assim, parte da explicação para nossa principal conclusão é que os pesquisadores podem estar estudando espécies que se saem relativamente melhores em tais ambientes do que a espécie média na Terra, porque só se pode estudar a seleção em espécies que sobrevivem em ambientes impactados “.

Fugère e Hendry esperam que seu resultado inesperado guie estudos futuros da seleção natural e nos ajude a entender melhor os impactos evolutivos das mudanças ambientais causadas por seres humanos.

Referência

Human influences on the strength of phenotypic selection. Vincent Fugère, Andrew P. Hendry. Proceedings of the National Academy of Sciences Oct 2018, 115 (40) 10070-10075; DOI: 10.1073/pnas.1806013115. http://www.pnas.org/content/115/40/10070

Fontes – McGill University / tradução e edição Henrique Cortez, EcoDebate de 15 de outubro de 2018

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top