Disposição Final dos Resíduos Sólidos Urbanos no Brasil em 2016

No artigo anterior foi avaliado o panorama dos resíduos sólidos urbanos – RSU no Brasil em 2016 com base nas informações publicadas pela Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – Abrelpe. O relatório deixa evidente a diminuição de 2% na geração global de RSU com 214.405 toneladas/dia em comparação com as 218.874 toneladas/dia, geradas em 2015. Na escala individual, a queda foi de 2,9% com 1,040 kg/habitante/dia e 1,071 kg/habitante/dia no ano anterior. Todos os indicadores relacionados aos RSU foram negativos em relação ao ano anterior, incluindo-se o aumento de municípios com disposição inadequada, atualmente 3.331 que utilizam lixões e aterros controlados. O relatório da Abrelpe atribui à crise econômica o principal motivador destes resultados.

Quanto à disposição final dos RSU coletados, houve retrocesso de 58,7% para 58,4% de encaminhamento para aterros sanitários ambientalmente adequados, com 114.189 toneladas/dias em 2016 e 116.631 tonelada/dia em 2015. Para os aterros controlados, houve aumento percentual de 24,1% para 24,2%, mas o volume global diminuiu de 47.942 toneladas/dia para 47.315 toneladas/dia. O volume de RSU destinado diariamente aos lixões foi de 33.948 toneladas/dia com 17,4% do total, sendo em 2015 de 34.177 toneladas/dia e 17,2%. No total anual, em 2016 os aterros sanitários receberam 41.678.985 toneladas, para os aterros controlados enviaram-se 17.269.975 toneladas e nos lixões ficaram 12.391.020 toneladas anuais.

Ano

Aterros sanitários

Aterros controlados

Lixões

2015

116.631 (58,7%)

47.942 (24,1%)

34.177 (17,2%)

2016

114.189 (58,4%)

47.315 (24,2%)

33.948 (17,4%)

Tabela 1 – Destino final dos resíduos sólidos em 2015 e 2016. Em toneladas/dia. Fonte – Abrelpe.

Em relação aos recursos financeiros destinados aos serviços de coleta dos resíduos sólidos e outros serviços de limpeza urbana pelos municípios, também houve queda em todas as regiões, com resultados negativos para o conjunto destes serviços e da gestão dos RSU.

Região

2015

2016

2015

2016

Valor total (em milhões/ano).

Valor total (em milhões/ano).

Valor per capita (em reais/mês).

Valor per capita (em reais/mês).

Norte

685

680

3,28

3,19

Nordeste

2.152

2.120

3,17

3,10

Centro Oeste

587

582

3,17

3,10

Sudeste

5.117

5.103

4,97

4,92

Sul

1.286

1.274

3,67

3,61

Brasil

9.827

9.759

4,00

3,95

Tabela 2 – Recursos financeiros destinados à coleta de RSU em 2015 e 2016. Fonte – Abrelpe.

Região

2015

2016

2015

2016

Valor total (em milhões/ano).

Valor total (em milhões/ano).

Valor per capita (em reais/mês).

Valor per capita (em reais/mês).

Norte

1.044

1.032

4,98

4,85

Nordeste

3.646

3.583

5,37

5,25

Centro Oeste

623

610

3,36

3,25

Sudeste

8.247

8.048

8,01

7,77

Sul

1.524

1.494

4,34

4,23

Brasil

15.084

14.767

6,15

5,97

Tabela 3 – Recursos aplicados nos demais serviços de limpeza urbana. Disposição final dos RSU, capinas, varrições, limpezas em geral, manutenção de parques e jardins. Fonte – Abrelpe.

Antonio Silvio Hendges – Articulista no EcoDebate, professor de biologia e educação ambiental, pós graduação em auditorias ambientais, assessoria e consultoria em educação ambiental.

Fonte – EcoDebate 06 de outubro de 2017

Deixe uma resposta