Projeto Bosque Sensorial – plantio do dia 27 de agosto de 2016

No sábado à tarde, fomos plantar árvores, na maioria frutíferas, no Bosque sensorial, projeto que desenvolvemos desde 2009.

Plantamos pés de mangostim, oliveira, caqui, acerola, canela, manga, romã, ameixa do governador, pinha, tamarindo, pitomba, manga, uvaia, carambola e loureiro.

Buscando as árvores no viveiro.

Enquanto o Ayrton e o Claudio descarregavam as ferramentas, o Charles transportava as árvores para o local de plantio.

Uma oliveira plantada e usado um tronco morto para proteção.

Estaqueando.

O Claudio fazendo a cova para o plantio enquanto o Ayrton já plantou, estaqueou, amarrou e colocou o protetor de roçada.

Formigas e cigarras…

Salvando uma muda que quebrou durante o transporte do viveiro.

Academia? Pfff… Ganhar massa muscular com um propósito é aqui.

Plantando um loureiro, encontramos uma muda. Salvamos e vamos levar cuidar até ficar do tamanho adequado para plantar. Nada se perde.

Pinha. Nham…

Abiu roxo. As folhas tem coloração verde-escura lustrosa na face superior e dourado-tomentosas na inferior.

Ipê amarelo.

No sábado, convidamos pela pelo face, whats e insta, os cidadãos para se juntarem a nós para o plantio. Vieram a Luz Marina e o Plinio. Agradecemos a participação e já convidamos os dois para virem sempre. Sempre precisamos de cidadãos preocupados com o planeta para dividir o trabalho pesado.

Colocando o protetor de roçada na árvore que o Plinio plantou.

Fazendo um tour com a Luz e o Plinio, mostrando algumas árvores não muito conhecidas na região.

Não sabemos quem está instalando estes bancos, mas queremos mais.

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.

Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.
Carlos Drummond de Andrade

Não, neste caso, tinha uma árvore caída no meio do caminho.

Secretário Gilmar, da SEMUSP, por favor, peça para retirarem a árvore do meio do caminho.

Deixe uma resposta