skip to Main Content
A Humanidade E A Destruição Da Vida Animal

A humanidade e a destruição da vida animal

Por Damian Carrington – Editor de ambiente The Guardian

A humanidade já destruiu 60% da vida animal desde 1970, A enorme perda é uma tragédia em si, mas também ameaça a sobrevivência da civilização hu,ama, dizem os principais cientistas do mundo.

Foto:  Gado na floresta amazônica. Fotografia: Michael Nichols / National Geographic / Getty Images,

A humanidade exterminou 60% dos mamíferos, aves, peixes e répteis desde 1970, levando os principais especialistas do mundo a advertir que a aniquilação da vida selvagem é agora uma emergência que ameaça a civilização humana.

A nova estimativa do massacre da vida selvagem é feita em um importante relatório produzido pelo WWF e envolvendo 59 cientistas de todo o mundo. É enorme o consumo de alimentos pela população humana e está destruindo a biodiversidade de vida que demorou bilhões de anos para se formar.

“Estamos caminhando para a beira do precipício”, disse Mike Barrett, diretor executivo de ciência e conservação do WWF. “Se houvesse um declínio de 60% na população humana, isso equivaleria a esvaziar a América do Norte, América do Sul, África, Europa, China e Oceania. Essa é a escala do que já fizemos. ”

“Isso é muito mais do que apenas perder as maravilhas da natureza, por mais triste que seja”, disse ele. “Isso agora está colocando em risco o futuro das pessoas. A natureza não é somente para ser bela e agradável – é dela que tiramos nosso suporte de vida.”

 

“Estamos ficando rapidamente sem tempo”, disse o professor Johan Rockström, especialista em sustentabilidade global do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático, na Alemanha. “Somente abordando os ecossistemas e o clima, temos a chance de salvaguardar um planeta estável para o futuro da humanidade na Terra.”

Muitos cientistas acreditam que o mundo começou uma sexta extinção em massa, a primeira a ser causada por uma espécie – o Homo sapiens (nós). Outras análises recentes revelaram que a humanidade destruiu 83% de todos os mamíferos e metade das plantas desde o início da civilização e que, mesmo que a destruição terminasse agora, levaria de 5 a 7 milhões de anos para o mundo natural se recuperar.

O Living Planet Index, produzido para a WWF pela Zoological Society de Londres, usa dados sobre 16.704 populações de mamíferos, aves, peixes, répteis e anfíbios, representando mais de 4.000 espécies, para acompanhar o declínio da vida selvagem. Entre 1970 e 2014, os dados mais recentes disponíveis, as populações caíram em média 60%. Quatro anos atrás, o declínio era de 52%. A “verdade chocante”, disse Barrett, é que a queda da vida selvagem continua em um ritmo alarmante.

A dead Bodó, in front of stranded floating houses on the bed of Negro River, a major tributary of the Amazon River, during a drought in 2015

A vida selvagem e os ecossistemas são vitais para a vida humana, disse o professor Bob Watson, um dos cientistas ambientais mais eminentes do mundo e atualmente presidente de um painel intergovernamental sobre biodiversidade que falou destruição da natureza é tão perigosa quanto a mudança climática.

“A natureza contribui para o bem-estar humano cultural e espiritualmente, assim como através da produção de alimentos, água potável e energia, e também através da regulação do clima, poluição, polinização e inundações de Terras”, disse ele. “O relatório Living Planet demonstra claramente que as atividades humanas estão destruindo a natureza em uma taxa inaceitável, ameaçando o bem-estar das gerações atuais e das futuras”.

A maior causa de perdas de vida silvestre é a destruição de habitats naturais, grande parte dela para criar terras agricultáveis. Três quartos de todas as terras no planeta agora são significativamente afetados pelas atividades humanas. Matar por comida é a segunda maior causa – 300 espécies de mamíferos estão sendo extintas – enquanto os oceanos são pescados em sua exaustão, com mais da metade sendo pescado para industria pesqueira.

A poluição química também é significativa: metade das populações de baleias assassinas do mundo está agora fadada a morrer de contaminação por PCB. O comércio global introduz espécies e doenças invasivas, com os anfíbios dizimados por uma doença fúngica que se acredita espalhar pelo comércio de animais de estimação.

 

A região mais afetada é a América do Sul e Central, que registrou uma queda de 89% nas populações de vertebrados, impulsionada em grande parte pela derrubada de vastas áreas de floresta rica em vida selvagem. Na savana tropical chamada cerrado, uma área do tamanho da Grande Londres é limpa a cada dois meses, disse Barrett.

“É um exemplo clássico de onde o desaparecimento é resultado de nosso próprio consumo, porque o desmatamento está sendo impulsionado pela expansão da agricultura do soja, que está sendo exportada para países como o Reino Unido para alimentar porcos e galinhas”, disse ele. O próprio Reino Unido perdeu grande parte de sua vida selvagem, ocupando o 189º lugar em perda de biodiversidade em 218 nações em 2016.

Os habitats que mais sofrem danos são os rios e lagos, onde as populações de animais silvestres caíram 83%, devido à enorme sede agrícola e ao grande número de barragens. “Novamente, existe esse vínculo direto entre o sistema alimentar e o esgotamento da vida selvagem”, disse Barrett. Comer menos carne é uma parte essencial da reversão de perdas, disse ele.

O Índice Living Planet foi criticado para ser uma medida muito ampla das perdas de vida selvagem e mostrar detalhes cruciais. Mas todos os indicadores, desde as taxas de extinção até a inatividade dos ecossistemas, mostram perdas colossais. “Todos contam a mesma história”, disse Barrett.

Os esforços de conservação podem funcionar, com o número de tigres aumentando 20% na Índia em seis anos, à medida que o habitat é protegido. Os pandas gigantes na China e as lontras no Reino Unido também têm aumentada sua população.

Marco Lambertini, diretor geral da WWF International, disse que a questão fundamental era o consumo: “Não podemos mais ignorar o impacto dos atuais modelos de produção insustentável e estilos de vida de abundancia”.

As nações do mundo estão trabalhando para uma reunião decisiva da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica em 2020, (Isso antes da pandemia) quando serão assumidos novos compromissos para a proteção da natureza. “Precisamos de um novo acordo global para a natureza e as pessoas”, disse Barrett. “Essa é realmente a última chance. Temos resolver este problema desta vez.

Tanya Steele, diretora executiva da WWF, disse: “Somos a primeira geração que sabemos que estamos destruindo nosso planeta e a última que pode fazer alguma coisa para impedir sua destruição”.

Original

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top