skip to Main Content
Bairro De Curitiba Vai Mudar De Cara Com Mega Fazenda Urbana

Bairro de Curitiba vai mudar de cara com mega fazenda urbana

“O Centro de Referência em Agricultura Urbana e Economia Criativa de Curitiba, anunciado em 2017 nas redes sociais pelo prefeito Rafael Greca (PMN), mudou de nome e local. Como apurado por HAUS na época, o projeto ocuparia 9.860 m² de um terreno sem ocupação na área anexa ao pátio de manobras de trens no entorno da Vila Capanema.

A Prefeitura de Curitiba informa nesta terça-feira (9), no entanto, que o projeto foi rebatizado de Fazenda Urbana de Curitiba e vai ocupar uma área de 4.435 m² ao lado do Mercado Regional do bairro Cajuru a partir do primeiro trimestre de 2019.

A mudança se deu porque estudos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) mostraram que a possibilidade de plantio naquela área era inviável por comprometimento do solo.”

“A fazenda vai reunir diversas técnicas de plantio sustentável de hortifrutigranjeiros (como cultivo protegido, plantio elevado, aquaponia e hidroponia), espaço para grandes culturas e hortas comunitárias. O projeto prevê ainda o uso de energias renováveis, como a eólica e captação de água de chuva para a irrigação e também solar, além de composteira própria.

Jardins de Mel, com abelhas nativas sem ferrão, e espaços para a criação de pequenos animais também farão parte do empreendimento, que contará ainda com restaurante escola e banco de alimentos, além de infraestrutura para eventos e treinamento.”

“Criado a partir de uma proposta da Secretaria Municipal do Abastecimento, o projeto foi desenvolvido pelo arquiteto Paulo França, do Instituto de Pesquisa Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc).

A estimativa de investimentos na estruturação da fazenda urbana é de R$ 3 milhões, com recursos do Fundo de Abastecimento Alimentar do município.”

“O secretário de Abastecimento Luiz Gusi lembra que boa parte da população nas cidades tem contato com o alimento apenas na hora da compra, mas que há outras questões que precisam ser disseminadas e incorporadas no dia a dia.

“Com o projeto, também queremos trabalhar questões como a valorização dos produtos da agricultura familiar na Grande Curitiba, dentro da proposta de criação do Mercado Comum Metropolitano; o aumento do consumo de frutas e hortaliças, que ajuda na redução do risco de doenças crônicas não transmissíveis (como diabetes e hipertensão); o aproveitamento total dos alimentos e, em consequência, a redução de resíduos orgânicos e o consumo consciente de alimentos e da água”, reforçou em reportagem anterior de HAUS.”

Imagens – Ippuc/Divulgação

Fonte – HAUS, Gazeta do Povo de 09 de outubro de 2018

Deixe uma resposta

Back To Top