skip to Main Content
Centro Da ONU Participa De Websérie Sobre O Futuro Da Alimentação

Centro da ONU participa de websérie sobre o futuro da alimentação

Consumo de produtos industrializados em países das Américas estaria ligado a taxas crescentes de sobrepeso, obesidade e doenças crônicas, como diabetes, câncer e doenças do coração. Foto: WikiCommons/lyzadanger/Diliff

Estreou nesta semana (26) o primeiro episódio da série documental O que você vai comer amanhã?, que aborda os desafios contemporâneos da alimentação. Com a participação de especialistas do mundo inteiro, a obra busca respostas para problemas nas áreas de nutrição, desperdício de alimentos, entre outros temas. Produção audiovisual quer ajudar as pessoas a fazer melhores escolhas na hora de se alimentar.

Estreou nesta semana (26) o primeiro episódio da série documental O que você vai comer amanhã?, que aborda os desafios contemporâneos da alimentação. Com a participação de especialistas do mundo inteiro, a obra busca respostas para problemas nas áreas de nutrição, desperdício de alimentos, entre outros temas. Produção audiovisual quer ajudar as pessoas a fazer melhores escolhas na hora de se alimentar.

O primeiro episódio discute as mudanças profundas que ocorreram nos hábitos alimentares dos seres humanos desde o século passado. Também são debatidos os impactos do atual modelo de alimentação.

A série foi produzida pela Urban Farmcy, empresa de restaurantes que aposta no hiperlocalismo — conceito de alimentação que privilegia o consumo de alimentos em lugares o mais próximo possível de onde são produzidos.

Daniel Balaban, diretor do Centro de Excelência contra da Fome da ONU e representante do Programa Mundial de Alimentos no Brasil, foi um dos entrevistados para a obra.

A Urban Farmcy entrevistou dezenas de especialistas de todo o mundo, em mais de cem horas de conteúdo. Todo o material será divulgado gratuitamente por meio da plataforma de expansão de conhecimento Farmcy Academy, ligada à Urban Farmcy.

Assista ao primeiro episódio da série:

Fonte – ONU Brasil de 28 de junho de 2019

Deixe uma resposta

Back To Top