skip to Main Content

Cochonilha: porque deixar de consumir produtos que utilizam o corante extraído dela

Por Green Me – 22 de agosto de 2018

Vocês sabiam que vários alimentos industrializados são feito com insetos esmagados? Um dos corantes mais utilizados pela indústria alimentícia é o carmim, que é um pigmento vermelho produzido a partir da Cochonilha (Dactylopius coccus). Este corante confere aos produtos também outras cores como: marrom, laranja ou rosada.

O corante de cochonilha é utilizado em produtos como biscoitos, gelatinas, recheios de bolacha, iogurte, balas, pirulitos, sorvetes, licores, refrigerantes, chocolate, leite de soja de frutas, carnes processadas, geleias, sucos, rações de animais e muitos outros produtos.

E não é só em alimentos que este corante é utilizado, podemos encontrá-lo em outros produtos que utilizamos no dia a dia como: xampus, sombras, batons, sais de banho, tintas, corantes de roupas, detergentes, desinfetantes, medicamentos, verniz, cera, xaropes, comprimidos, etc.

Os corantes são substâncias que dão cor aos alimentos para ficarem mais atrativos para o paladar.

Para saber mais sobre a cochonilha e o corante carmim, serão tratados os seguintes assuntos:

1. Como e onde vive a cochonilha

A cochonilha é um inseto que gosta de se alimentar do cactos, gênero Opuntia. Ela mede de 3 a 5 milímetros de comprimento e pode ser nas vermelha, laranja, marrom, verde ou amarela.

Estes insetos vivem em algumas plantações, se alojando em frutos, raízes e folhas de diversas espécies de plantas.

Em algumas regiões se alimentam da seiva dos cactos.

Fazem parte da classe dos insetos da ordem Hemiptera, são parentes próximas das cigarrinhas, cigarras e dos pulgões.

Os predadores naturais da cochonilha são a joaninha e alguns tipos de vespa.

A cochonilha é um inseto típico de habitats da América Central, como México e Peru. O corante carmim consumido no Brasil é importado do Peru.

2. O massacre das cochonilhas

Bilhões de cochonilhas são mortas para produzir o corante carmim. Setenta mil fêmeas de cochonilhas são mortas para se obter meio quilo desse corante.

Para dar cor à bola de sorvete de morango, são utilizados no mínimo 40 cochonilhas.

3. Como é extraído o corante a partir das cochonilhas

As cochonilhas são criadas em laboratórios ou em plantações de cactos cujo cultivo é voltado à criação da cochonilha visando produção e comercialização do corante carmim.

Seja como for, o processo de extração e produção do corante a partir das cochonilhas as submete a uma massacre.

Estes insetos são mortos aos milhares, em imersão em água quente ou por exposição ao calor de um forno, depois são assados, amassados e triturados apenas para dar cor aos produtos.

Outro fator é que estes corantes para serem produzidos são testados em animais, inclusive alguns corantes são cancerígenos.

Pessoas que praticam o Veganismo, ativistas e várias entidades em defesa dos direitos dos animais, condenam e boicotam o uso da cochonilha como corante.

4. Alternativas vegetais para obtenção de corantes

Existem alternativas vegetais para substituir o corante extraído da cochonilha, como frutas, flores, cascas de árvores, urucum, açafrão, a páprica, beterraba e uva.

Existem corantes como a antocianina produzida a partir de castas de frutas e flores.

Corantes de origem vegetal fornecem variadas cores como: vermelho, púrpura, azul, amarelo, laranja, verde, entre outras cores.

5. Possíveis efeitos colaterais do consumo do corante carmim

Em pessoas alérgicas ou sensíveis à substância do corante carmim, podem ocorrer reações alérgicas ou choque anafilático.

O alergologista Dr. James L. Baldwin, da Universidade do Michigan (University of Michigan Medical Center), comprovou que o corante carmim provocou choque anafilático em um paciente após consumir um picolé roxo.

O resultado dessa pesquisa sobre o corante carmim consta na edição de novembro 1997 do Annals of AllergyAsthma and Immunology.

Outro alerta é que o consumo excessivos de corantes pode provocar distúrbios digestivos, metabólicos e neurológicos.

6. As várias denominações desse corante

Esse aditivo comumente é especificado na formulação dos produtos como:

  • corante natural carmim de cochonilha
  • corante natural
  • C.I. 75470
  • E 120
  • vermelho 3
  • carmim
  • cochineal
  • corante C.I
  • INS 120
  • corante natural ácido carmínico

7. O consumo do corante carmim é desnecessário para nós

Quando ficamos indiferentes ao que consumimos, sem procurar saber o que realmente faz parte da composição dos produtos, acabamos sendo coniventes com práticas fúteis e desnecessárias, como essa de matar milhares ou até bilhares de cochonilhas com a finalidade de colorir produtos artificiais para ficarem parecendo naturais.

Outro fator é que na maioria dos casos este corante é usado em produtos industrializados e processados, ou seja feitos com vários aditivos químicos, conservantes, estabilizantes, flavorizantes, aromatizantes e outros.

Conclusão prejudicamos as cochonilhas e nossa saúde!

Outro agravante é que existem outros corantes extraídos através da exploração e matança dos animais.

Existem outras opções de produtos mais naturais, sem conservantes e corantes. Pesquise e se informe e saiba o que realmente está consumindo.

Quanto mais nossa alimentação for saudável e natural, menos bombardeamos o nosso organismo com aditivos e mais preservamos os seres vivos e a natureza que são prejudicados pelo nosso consumismo artificial.

 

Este Post tem 14 Comentários

  1. Cadê a resposta à afirmação do título? “Deixar de consumir porque pode causar choque anafilático em pessoas sensíveis e alérgicas”? Então vamos eliminar abelhas, afinal uma picada também pode causar a morte em pessoas susceptíveis. Ou eliminar o amendoim também. Balela.
    “Massacre das cochonilhas”? Quer dizer então que mentir faz parte do jogo? Pare de mentir, ninguém está colhendo cochonilhas na natureza para fazer corante, as cochonilhas utilizadas em corantes alimentícios são criadas em ambiente controlado para a produção alimentícia.
    “…o consumo excessivos de corantes pode provocar distúrbios digestivos, metabólicos e neurológicos.”? Outra baboseira sem sentido, ninguém mete a colher em corante e leva à boca. Para você começar a passar mal por causa do corante, vai ter que comer quilos e quilos do alimento em uma só leva.

    Melhore seu ativismo idiota com fatos, porque mentiras não levam a nada.

    1. 3. AS LEIS ALIMENTARES

      Estas leis tinham e têm como objetivo prevenir doenças e melhorar a saúde dos verdadeiros filhos de Deus. Não era uma regra exclusivamente voltada ao povo de Israel ou a uma nação específica e nem tampouco era limitada à uma legislação mosaica.

      No princípio, o Criador concedeu uma dieta ideal ao primeiro par:

      “Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a Terra, e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento.” Gênesis 1:29.

      Foi somente depois do dilúvio que Deus permitiu o uso de alimentos cárneos. É muito importante observar que Deus neste momento fez a distinção entre animais limpos e imundos. Bem antes de a Lei ser dada no Monte Sinai, aliás, bem antes da existência do povo judeu, ou seja, no tempo do dilúvio, Deus determinou a Noé o seguinte:

      “De todos os animais limpos levarás contigo sete e sete, o macho e sua fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea.” Gênesis 7:2.

      Posteriormente Deus apresenta à Moisés uma lista extensa de animais limpos e imundos, o que povo poderia comer e o que não deveria comer. Esta relação nós encontramos em Levítico 11 e Deuteronômio 14. Para distinguir um animal limpo de um animal imundo, basta seguir alguns critérios:

      a) Os animais limpos

      Deus disse o seguinte: “Estes são os animais que podereis comer dentre todos os animais que há sobre a terra; dentre os animais, todo o que tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas e que rumina, esse podereis comer.” Levítico 11:2-3. Nesta lista estão: “o boi, a ovelha, a cabra, o veado, a gazela, …” Deuteronômio 14:4-5.

      “Estes são os que podereis comer de todos os que há nas águas; todo o que tem barbatanas e escamas, nas águas, nos mares e nos rios, esse podereis comer.” Levítico 11:9.

      b) Os animais imundos

      Deus disse: “Os seguintes, contudo, não comereis, dentre os que ruminam e dentre os que têm a unha fendida: o camelo, porque rumina, mas não tem a unha fendida, esse vos será imundo; …a lebre, porque rumina mas não tem a unha fendida, essa vos será imunda; o porco, porque tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas, mas não rumina, esse vos será imundo. Da sua carne não comereis, nem tocareis nos seus cadáveres; esses vos serão imundos.” Levítico 11:4-8.

      “Mas todo o que não tem barbatanas e nem escamas, nos mares e nos rios, todo réptil das águas, e todos os animais que vivem nas águas, estes vos serão abomináveis, …” Levítico 11:10-12. Dentre os muitos animais que vivem nos mares e nos rios, que não têm escamas e nem barbatanas, considerados imundos por Deus, destacamos os seguintes: camarão, siri, caranguejo, lagosta, lula, polvo, ostra, os mariscos, os mexilhões e muitos outros. Estes não estão listados na Bíblia, mas, como não tem escamas e barbatanas, obviamente são imundos.

      “Dentre as aves, a estas abominareis; não se comerão, serão abomináveis: a águia, …o avestruz,… a gaivota, o gavião,… a coruja,… a cegonha, a garça, …o morcego.” Levítico 11:13-19.

      Entre os animais imundos estão incluídos os ratos, os crocodilos, as lagartixas, os lagartos conforme Levítico 11:29-30.

      Ao abster-se de alimentos impuros, o povo de Deus demonstra gratidão por sua libertação daquilo que corrompe, do mundo impuro que se encontra à sua volta. Os propósitos de Deus são claros:

      “…Eu sou o Senhor, vosso Deus, que vos separei dos povos. Fareis, pois, diferença entre os animais limpos e os imundos, e entre as aves imundas e as limpas; e não fareis abomináveis as vossas almas por causa de animais ou de aves, ou de qualquer coisa de tudo de que está cheia a terra, as quais coisas apartei de vós como imundas. E sereis para Mim santos; porque Eu, o Senhor, sou santo, e vos separei dos povos, para serdes Meus.” Levítico 20:24-26. (ver Deuteronômio 14:2).

      No final do milênio, quando finalmente for erradicado o pecado, a morte não existirá mais. Não havendo mais morte, o alimento cárneo certamente será excluído do cardápio.

      Nos dias atuais, ao introduzir qualquer coisa impura no templo do corpo, onde o Espírito de Deus deseja habitar (ver I Coríntios 3:16-17), é ficar aquém do ideal de Deus.

      http://verdadeemfoco.com.br/estudo.php?id=38

  2. Vc só come produtos orgânicos? Sua alimentação é 100% orgânica? Se não, os defensivos agrícolas dos vegetais que vc come, matam muito, mas muito mais insetos que as cochonilhas.

  3. Acredito que a alimentação à base de insetos possa ser uma solução viável para a desnutrição e fome a curto prazo, mas, também admito que respeitar os seres conscientes independente de seu tamanho é uma prova linda de respeito à vida animal

    1. 3. AS LEIS ALIMENTARES Estas leis tinham e têm como objetivo prevenir doenças e melhorar a saúde dos verdadeiros filhos de Deus. Não era uma regra exclusivamente voltada ao povo de Israel ou a uma nação específica e nem tampouco era limitada à uma legislação mosaica. No princípio, o Criador concedeu uma dieta ideal ao primeiro par: “Eis que vos tenho dado todas as ervas que dão semente e se acham na superfície de toda a Terra, e todas as árvores em que há fruto que dê semente; isso vos será para mantimento.” Gênesis 1:29. Foi somente depois do dilúvio que Deus permitiu o uso de alimentos cárneos. É muito importante observar que Deus neste momento fez a distinção entre animais limpos e imundos. Bem antes de a Lei ser dada no Monte Sinai, aliás, bem antes da existência do povo judeu, ou seja, no tempo do dilúvio, Deus determinou a Noé o seguinte: “De todos os animais limpos levarás contigo sete e sete, o macho e sua fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea.” Gênesis 7:2. Posteriormente Deus apresenta à Moisés uma lista extensa de animais limpos e imundos, o que povo poderia comer e o que não deveria comer. Esta relação nós encontramos em Levítico 11 e Deuteronômio 14. Para distinguir um animal limpo de um animal imundo, basta seguir alguns critérios: a) Os animais limpos Deus disse o seguinte: “Estes são os animais que podereis comer dentre todos os animais que há sobre a terra; dentre os animais, todo o que tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas e que rumina, esse podereis comer.” Levítico 11:2-3. Nesta lista estão: “o boi, a ovelha, a cabra, o veado, a gazela, …” Deuteronômio 14:4-5. “Estes são os que podereis comer de todos os que há nas águas; todo o que tem barbatanas e escamas, nas águas, nos mares e nos rios, esse podereis comer.” Levítico 11:9. b) Os animais imundos Deus disse: “Os seguintes, contudo, não comereis, dentre os que ruminam e dentre os que têm a unha fendida: o camelo, porque rumina, mas não tem a unha fendida, esse vos será imundo; …a lebre, porque rumina mas não tem a unha fendida, essa vos será imunda; o porco, porque tem a unha fendida, de sorte que se divide em duas, mas não rumina, esse vos será imundo. Da sua carne não comereis, nem tocareis nos seus cadáveres; esses vos serão imundos.” Levítico 11:4-8. “Mas todo o que não tem barbatanas e nem escamas, nos mares e nos rios, todo réptil das águas, e todos os animais que vivem nas águas, estes vos serão abomináveis, …” Levítico 11:10-12. Dentre os muitos animais que vivem nos mares e nos rios, que não têm escamas e nem barbatanas, considerados imundos por Deus, destacamos os seguintes: camarão, siri, caranguejo, lagosta, lula, polvo, ostra, os mariscos, os mexilhões e muitos outros. Estes não estão listados na Bíblia, mas, como não tem escamas e barbatanas, obviamente são imundos. “Dentre as aves, a estas abominareis; não se comerão, serão abomináveis: a águia, …o avestruz,… a gaivota, o gavião,… a coruja,… a cegonha, a garça, …o morcego.” Levítico 11:13-19. Entre os animais imundos estão incluídos os ratos, os crocodilos, as lagartixas, os lagartos conforme Levítico 11:29-30. Ao abster-se de alimentos impuros, o povo de Deus demonstra gratidão por sua libertação daquilo que corrompe, do mundo impuro que se encontra à sua volta. Os propósitos de Deus são claros: “…Eu sou o Senhor, vosso Deus, que vos separei dos povos. Fareis, pois, diferença entre os animais limpos e os imundos, e entre as aves imundas e as limpas; e não fareis abomináveis as vossas almas por causa de animais ou de aves, ou de qualquer coisa de tudo de que está cheia a terra, as quais coisas apartei de vós como imundas. E sereis para Mim santos; porque Eu, o Senhor, sou santo, e vos separei dos povos, para serdes Meus.” Levítico 20:24-26. (ver Deuteronômio 14:2). No final do milênio, quando finalmente for erradicado o pecado, a morte não existirá mais. Não havendo mais morte, o alimento cárneo certamente será excluído do cardápio. Nos dias atuais, ao introduzir qualquer coisa impura no templo do corpo, onde o Espírito de Deus deseja habitar (ver I Coríntios 3:16-17), é ficar aquém do ideal de Deus. http://verdadeemfoco.com.br/estudo.php?id=38

  4. Ajudem a uma leiga no assunto: o que faço com meu jardim que está infestado de cochonilhas??? Do ponto de vista vegano como salvo minhas plantas que me custaram dinheiro e anos de cultivo???

    1. Tem 2 produtos que eu uso aqui em São Paulo tem fácil acesso, um é o Oleo de Neem é um produto orgânico e o segundo é um produto químico de acesso controlado Malathion

  5. Eu trabalho com plantas, colchonilhas são uma praga devastadora na natureza e até em ambiente controlado, caso você queira pode me procurar e salvar as milhões e milhões de colchonilhas que eu mato para os meu clientes, pode pegar todas e levar para a sua casa.

  6. achei muito foda e quem fala isso não é qualquer um, é o PIROCAMAN que fala rapa, ta tirando? Essas pessoas que falam que esse post foi uma merda, é porque tem INVEJA DISSO

  7. Quanta desinformação, primeiro que esses animais são extremamente primitivos, com sistema nervoso extremamente básico e não sentem dor. Segundo que esses são criados em laboratório, logo não causam dano ao meio ambiente. E terceiro que não há correlação comprovada entre o consumo de corantes e o surgimento de disturbios metabolicos, digestivos ou neurologicos como você fala. Chega até a ser ridiculo citar UM caso estudado por UM médico. Por favor, procure se informar e no mínimo peço que remova esta postagem, pois ela está divulgando informações falsas e manipulando uma visão própria, sendo um desserviço.

    Obs.: E ao amiguinho nos comentários que vem citar um livro extremamente datado e de cárater duvidoso como a bíblia, apenas pare, você está se fazendo de idiota aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top