skip to Main Content
Corrida Para Explorar O Fundo Do Mar Deve Causar Estragos Enormes à Vida Marinha

Corrida para explorar o fundo do mar deve causar estragos enormes à vida marinha

The Guardian

Novas pesquisas alertam que a ‘aceleração azul’ – uma corrida global do ouro para explorar o fundo dos oceanos – já está impactando o meio ambiente marinho.

O caracol de pés escamosos (Chrysomallon squamiferum) é uma das criaturas mais estranhas do planeta. Ele vive a mais de 2.300 metros abaixo do nível do mar em uma área de fontes hidrotermais nas profundezas do Oceano Índico. Aqui, ele desenvolveu uma forma notável de proteção contra as condições severas e de alta pressão que são encontradas nessas profundezas da Estíria. Cresce em uma concha de ferro.

Descoberto em 1999, a armadura de sulfeto de ferro multicamada do Chrysomallon squamiferum  que mede apenas alguns centímetros de diâmetro – já atraiu o interesse do departamento de defesa dos EUA, cujos cientistas estão estudando seus genes em uma tentativa de descobrir como ele cresce em uma armadura de metal.

Resultado de imagem para chrysomallon squamiferum image

Os pesquisadores terão que agir rapidamente, já que a União Internacional para a Conservação da Natureza acaba de incluir o caracol à sua lista de espécies ameaçadas de extinção. Grupos industriais alemães e chineses tem planos para explorar o fundo do mar em torno de dois dos três respiradouros que abrigam os caracóis de pés escamosos. Se eles prosseguirem com a mineração das veias de metais e minerais do fundo do mar, um grande pedaço da base onde vivem os caracois será destruído e a existência dessa pequena e notável criatura estará ameaçada.

“Em terra, já estamos explorando os recursos minerais ao máximo”, diz Jean-Baptiste Jouffray, da Universidade de Estocolmo. “Ao mesmo tempo, a necessidade de mais tipos de metais raros está se tornando cada vez mais importante para fornecimento de tecnologias verdes, como usinas eólicas e solares.

“E assim os industriais estão olhando para o fundo do mar, onde agora é tecnicamente e economicamente viável extrair minerais. Daí vem a ameaça a criaturas marinhas como os caracóis de pés escamosos.

Jouffray é o principal autor de um estudo, publicada na semana passada na revista One Earth , que envolveu a síntese de 50 anos de dados das indústrias de transporte, perfuração, aquicultura e outras indústrias marinhas e mostra uma situação alarmante do impacto que a exploração futura do oceanos pode causar.

Essa ameaça não vem apenas da mineração no fundo do mar, que deve se expandir dramaticamente nos próximos anos, mas da criação em cativeiro de peixes, a construção de usinas de dessalinização, da instalação de cabos submarinos, do turismo de cruzeiros e a construção de parques eólicos offshore (dentro do mar).

Trata-se de uma “aceleração azul”, o termo usado por Jouffray e seus co-autores para descrever o recente e rápido aumento da industrialização marinha, uma tendência que trouxe o aumento da  acidificação dos oceanos, aquecimento dos mares, destruição de recifes de corais e a poluição plástica. Como afirmam em seu artigo: “Da costa oceânica até o mar profundo, a aceleração azul já está gerando grandes conseqüências sociais e ecológicas”.

Outra ilustração da aceleração azul é fornecida pela captura no fundo do mar , afirmam os autores. O artigo 76 da convenção da ONU sobre o direito do mar (UNCLOS) permite que os países reivindiquem os fundos marinhos que se situam além das 200 milhas da zona econômica exclusiva (costa) de uma nação. Desde que a primeira reivindicação nos termos do artigo 76 foi feita em 2001, 83 países fizeram os pedidos. Juntas, essas reivindicações representam mais de 37 milhões de quilômetros quadrados de fundo do mar, uma área com mais do dobro do tamanho da Rússia.

Muitos dos que reivindicam o fundo do mar, são pequenos países que estão tentando se tornar grandes estados oceânicos este processo. Por exemplo, as ilhas Cook, no Pacífico Sul , reivindicaram uma área do fundo do mar que é 1.700 vezes o seu tamanho em terra. “A extensão da plataforma continental não está apenas transformando a paisagem geopolítica, mas também diminuindo substancialmente a área designada como patrimônio comum da humanidade”, afirma o relatório.

Exemplos deste conflito que poderia ocorrer devido à aceleração azul é a interrupção do estoque de peixes pela perfuração de gás ou petróleo no mar, a instalação de gasodutos que impeçam a pesca de arrasto e a construção de parques eólicos offshore que atrapalham o turismo.

Resultado de imagem para chrysomallon squamiferum image

A Noruega tem uma demonstração clara deste provável ​​conflito que poderemos ter no futuro. O objetivo é aumentar em cinco vezes a agricultura de salmão e aumentar o turismo de cruzeiros em suas águas nos próximos anos, mas, ao mesmo tempo, está construindo cada vez mais parques eólicos offshore e plataformas de gás e petróleo offshore. A mineração de minerais no fundo do mar também está programada para iniciar. Essa saturação do espaço oceânico torna as águas norueguesas altamente vulneráveis ​​a conflitos, afirma o relatório.

O Mar da China Meridional é outro ponto de possíveis conflitos. É um passagem importante para a rede de cabos de telecomunicações submarinos daquela região, sendo um terço da remessa mundial passando por ela, enquanto metade dos barcos de pesca do mundo opera em suas águas – que são disputadas de várias formas pela China, Malásia, Vietnã e outros. Se surgir um conflito armado aqui sobre qualquer uma dessas questões, haverá um impacto de longo alcance na economia mundial.

“A relevância do oceano para o futuro da humanidade é incontestável”, afirma o relatório. “No entanto, abordar a diversidade de reivindicações, seus impactos e suas interações exigirá uma governança eficaz.”

Para conseguir isso, os autores pedem uma maior responsabilização a ser imposta aos financiadores destas mudanças fundamentais que estão sendo feitas nos oceanos do planeta. Isso inclui os bancos e os governos.

Além disso, a vulnerabilidade dos pequenos países também precisa ser tratada, acrescenta: “Navegar na aceleração azul de maneira justa e sustentável exige ênfase particular nas implicações do aumento do uso dos oceanos em todo o mundo – e como essas alegações podem ter um impacto sobre a segurança econômica e o bem-estar de comunidades e grupos sociais vulneráveis ​​”.

Original

 

 

 

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top