skip to Main Content
Duas Calotas De Gelo Canadenses Desaparecem Completamente

Duas calotas de gelo canadenses desaparecem completamente

Por – EcoWatch

Três anos atrás, os cientistas previram que isso aconteceria. Agora, novas imagens de satélite da NASA confirmam que é verdade: duas calotas polares na província canadense de Nunavut desapareceram completamente, fornecendo mais evidências visuais do rápido aquecimento acontecendo perto dos pólos, como noticiou a CTV News no Canadá.
This outline of the St. Patrick Bay ice caps, taken from the 2017 The Cryosphere paper, is based on aerial photography from August 1959, GPS surveys conducted during August 2001, and for August of 2014 and 2015 from NASA’s Advanced Spaceborne Thermal Emission and Reflection Radiometer (ASTER).

De acordo com o Gizmodo , cientistas do Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo (NSIDC) disseram na semana passada que as calotas polares da Baía de St. Patrick, no nordeste da Ilha Ellesmere, não podem ser vistas em imagens de satélite. A revelação de que as calotas polares desapareceram veio mais cedo do que os cientistas esperavam.

 

Ice caps

“Não posso dizer que fiquei surpreso porque sabíamos que eles estavam derretendo, mas aconteceu muito rápido”, disse Mark Serreze, diretor do NSIDC no Colorado, à CNN . Serreze foi coautor de um artigo em 2017, estimando que as calotas polares desapareceriam em cinco anos.

As temperaturas extremamente altas no verão de 2015 reduziram a longevidade das calotas polares da Baía de St. Patrick. “Você realmente podia ver que eles foram atingidos. Mas o calor não parou. Está ficando ainda muito quente”, disse Serreze à CNN.

Este ano foi bem difícil para a região. Os últimos meses foram acometidos por ondas de calor e incêndios florestais em todo o Ártico , como relatou o Gizmodo. O calor extremo contribuiu para o derretimento das calotas polares. A pesquisa descobriu que os verões na região não são tão quentes há 115.000 anos.

De acordo com a CNN, as geleiras próximas que ficam em uma altitude mais elevada também estão diminuindo significativamente.

“Farei outra previsão de que eles desaparecerão em uma década”, disse Serreze à CNN.

Semelhante aos cientistas que lamentaram a perda de uma geleira na Islândia e uma perda na Suíça realizado para uma geleira, Serreze sentiu o impacto da perda dessas duas calotas polares.

“Há muito tempo sabemos que, à medida que a mudança climática estão acontecendo, os efeitos serão vistos com maior facilidade no Ártico”, explicou Serreze, conforme noticiado pela CTV News. “Mas a morte daquelas duas geleiras que conheci tão bem tornoua mudança climática muito pessoal. Tudo o que resta são algumas fotos e muitas memórias.”

Serreze visitou as calotas polares pela primeira vez em 1982 e a tem estudado desde aquela época, de acordo com o Gizmodo.

As calotas polares derretidas eram a metade de um grupo de pequenas calotas polares no Platô Hazen, que se formaram durante a Idade do Gelo há vários séculos, segundo o NSIDC.

Serreze disse à CNN que as pequenas calotas polares no Ártico são indicadores claros dos efeitos da crise climática .

“Há algo chamado ‘amplificação ártica’, que se refere à observação – não à teoria – de que o Ártico está se aquecendo a uma taxa muito mais rápida do que o resto do globo, algo entre duas a quatro vezes mais rápido”, disse Serreze.

As ondas de calor mais intensas e as ondas de frio que não são tão frias como eram no passado são fatores contribuintes para aumentar este problema.

“Estamos começando a ver todas esses fenômenos se encaixarem.” Serreze disse à CNN, acrescentando que o desaparecimento das calotas polares da Baía de St. Patrick é” um problema muito sério que está acontecendo no Ártico”.

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top