skip to Main Content

Fragmentação das florestas em escala global revela desmatamento sem precedentes nos trópicos

The aerial photo shows forest fragments of the Brazilian Atlantic rainforest in Northeastern Brazil (Mata Atlântica), surrounded by sugar cane plantations. Photo: Mateus Dantas de Paula

As florestas tropicais em todo o mundo desempenham um papel fundamental no ciclo global do carbono e abrigam mais da metade das espécies em todo o mundo. No entanto, o aumento do uso da terra nas últimas décadas causou perdas sem precedentes de floresta tropical. Cientistas do Helmholtz Center for Environmental Research (UFZ) adaptaram um método da física para descrever matematicamente a fragmentação das florestas tropicais.

Na revista científica Nature, eles explicam como isso permite modelar e compreender a fragmentação das florestas em escala global. Eles descobriram que a fragmentação da floresta em todos os três continentes é próxima de um ponto crítico além do qual o número do fragmento aumentará fortemente. Isto terá consequências graves para a biodiversidade e o armazenamento de carbono.

Para analisar os padrões globais de fragmentação florestal, um grupo de pesquisa UFZ liderado pelo Prof. Andreas Huth usou dados de sensoriamento remoto que quantificam a cobertura florestal nos trópicos em uma resolução extremamente alta de 30 metros, resultando em mais de 130 milhões de fragmentos florestais. Para sua surpresa eles descobriram que o tamanho dos fragmentos seguiu em todos os três continentes distribuições de freqüência semelhantes.

Por exemplo, o número de fragmentos florestais menores que 10 000 hectares é bastante semelhante nas três regiões: 11,2% na América Central e do Sul, 9,9% em África e 9,2% no Sudeste Asiático. “Isso é surpreendente porque o uso da terra difere visivelmente de continente a continente”, diz o Dr. Franziska Taubert, matemático da equipe de Huth e primeiro autor do estudo. Por exemplo, As áreas florestais muito grandes são transformadas em terras agrícolas na região amazônica. Em contraste, nas florestas do Sudeste Asiático, muitas espécies de árvores economicamente atraentes são retiradas da floresta.

Ao buscar explicações para os padrões de fragmentação idênticos, os modelos de UFZ encontraram sua resposta na física. “A distribuição do tamanho do fragmento segue uma lei de poder com expoentes quase idênticos nos três continentes”, diz o biofísico Andreas Huth. Tais leis de poder são conhecidas por outros fenômenos naturais, como incêndios florestais, deslizamentos de terra e terremotos. O avanço de seu estudo é a capacidade de derivar as leis de poder observadas da teoria da percolação. “Esta teoria afirma que, em uma certa fase de desmatamento, a paisagem florestal exibe estruturas fractrais, auto-similares, ou seja, estruturas que podem ser encontradas repetidas vezes em diferentes níveis”, explica Huth. “Na física, isso também é referido como o ponto crítico ou transição de fase,

A equipe da UFZ comparou os dados de sensoriamento remoto das três regiões tópicas com várias previsões da teoria da percolação. Em apoio à sua hipótese, eles encontraram acordo não só para a distribuição do tamanho do fragmento, mas também para outros dois indicadores importantes – a dimensão fractal e a distribuição do comprimento das bordas dos fragmentos. “Esta teoria física nos permite descrever os processos de desmatamento nos trópicos”, conclui o Dr. Rico Fischer, co-autor do estudo. E isso não é tudo: essa abordagem também pode ser usada para prever como a fragmentação das florestas tropicais avançará nas próximas décadas. “Particularmente perto do ponto crítico, esperam-se efeitos dramáticos mesmo no caso de desmatamento relativamente menor”, acrescenta Taubert.

Usando cenários que assumem diferentes taxas de compensação e reflorestação, os cientistas modelaram quantos fragmentos de floresta podem ser esperados em 2050. Por exemplo, se o desmatamento continuar nos trópicos da América Central e do Sul à taxa atual, o número de fragmentos aumentará 33 vezes e seu tamanho médio diminuirá de 17 ha para 0,25 ha. A tendência da fragmentação só pode ser interrompida pelo abrandamento do desmatamento e reflorestamento de mais áreas do que o desmatamento, o que atualmente é uma opção bastante improvável. As futuras missões por satélite, como a Tandem-L, são de grande importância para a detecção oportuna e confiável dessas tendências.

A fragmentação avançada das florestas tropicais terá graves conseqüências para a biodiversidade e o armazenamento de carbono. Por um lado, a biodiversidade sofre porque muitas espécies de animais raros dependem de grandes manchas de floresta. Por exemplo, a onça precisa de cerca de 10 000 hectares de floresta contígua para sobreviver. Por outro lado, a crescente fragmentação das florestas também tem um impacto negativo sobre o clima. Uma equipe de cientistas da UFZ liderada por Andreas Huth descreveu em Nature Communications na primavera do ano passado que a fragmentação de áreas de floresta tropical já conectadas poderia aumentar as emissões de carbono em todo o mundo por outro terço, como muitas árvores morrem e menos dióxido de carbono é armazenado na borda da floresta fragmentos.

Referência

Franziska Taubert, Rico Fischer, Jürgen Groeneveld, Sebastian Lehmann, Michael S. Müller, Edna Rödig, Thorsten Wiegand, Andreas Huth (2018): Global patterns of tropical forest fragmentation. Nature, http://dx.doi.org/10.1038/nature25508

Fontes – Helmholtz Center for Environmental Research – UFZ / tradução e edição Henrique Cortez, EcoDebate de 16 de fevereiro de 2018

This Post Has One Comment
  1. A fragmentação das florestas, de todos os biomas. Vem acelerando em níveis cada vez maiores. Todos benefícios que as florestas oferecem, tais como regularizador do clima, o efeito esponja de liberar água para os rios de forma gradativa, absorção de gases de efeito estufa, oferecer habitat para milhares de espécies, beleza visual e muitos outros benefícios.
    A fragmentação trará sérios problemas para a humanidade . O meu porém é: Estados Unidos e a Europa já reduziram suas coberturas vegetais a muito tempo. Vejo como obrigatória que todos os países ditos de primeiro mundo, contribuam tanto de forma financeira como técnica. Para a preservação das florestas que ainda existem nos respectivos países da América Central, do Sul, África e Ásia. E trabalhos de reflorestamento. A eliminação das floresta objetiva: retirada de madeira e uso do seu espaço para a agropecuária. Onde parte significativa desses produtos irão justamente para os países desenvolvidos. Deve-se ter um compromisso com as gerações futuras de forma que elas tenham uma boa qualidade de vida. Diminuindo a emissão de gases de efeito estufa. Preservação da fauna e flora, onde tem-se previsões alarmantes da quantidade de espécies que serão extintas. O compromisso na preservação. Não só das florestas tropicais mas com toda cobertura vegetal que ainda existem. Deve ser levado a um nível de maior urgência. Falo tudo isso e esqueço que todos os danos que o homem vem causando em nosso único e exclusivo lar que é o Planeta Terra. É feito com objetivo FINANCEIRO e da ganância do homem. Infelizmente tudo que descrevi é uma grande baboseira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top