skip to Main Content
Mudanças Climáticas: Ondas De Calor Recorde Na Sibéria

Mudanças climáticas: Ondas de calor recorde na Sibéria

Por – The Guardian

Mapa mostra locais mais quentes (em vermelho) ou mais frios (em azul) no mês de maio, maior do que a média histórica.

A onda de calor prolongada que está sobre a Sibéria é “sem dúvidas, alarmante”, disseram os cientistas do clima. As altas temperaturas estão ligadas a incêndios florestais, um enorme derramamento de óleo e a praga de mariposas que se alimentam das árvores.

Em escala global, o calor da Sibéria está ajudando a elevar a temperatura do planeta e se tornar ano mais quente já registrado até hoje, apesar de uma pequena queda nas emissões de carbono devido à pandemia de coronavírus.

As temperaturas nas regiões polares estão subindo mais rapidamente porque as correntes oceânicas transportam calor para os pólos e a região está ficando menos reflexivas para os raios solares e com isso aumentando o derretimento do gelo.

As cidades russas no círculo ártico registraram temperaturas extraordinárias, com Nizhnyaya Pesha atingindo 30°C em 9 de junho e Khatanga, que normalmente tem temperaturas diurnas de cerca de 0°C nesta época do ano, atingindo 25°C em 22 de maio . O registro anterior foi 12°C.

Em maio, as temperaturas da superfície de algumas partes da Sibéria chegaram a 10°C acima da média, de acordo com o Serviço de Mudança Climática da União Européia (C3S). Martin Stendel, do Instituto Meteorológico Dinamarquês, disse que as temperaturas anormais de maio observadas no noroeste da Sibéria provavelmente ocorrerão apenas uma vez a cada 100.000 anos sem aquecimento global causado pelo homem.

Freja Vamborg, cientista sênior da C3S, disse: “É sem dúvida um sinal alarmante, mas não apenas maio foi extraordinariamente quente na Sibéria. Todo o inverno e a primavera tiveram períodos repetidos de temperaturas do ar na superfície acima da média.

“Embora o planeta como um todo esteja esquentando, isso não está acontecendo igualmente. A Sibéria Ocidental se destaca como uma região que mostra mais uma tendência de aquecimento com maiores variações de temperatura. Portanto, até certo ponto, grandes anomalias de temperatura são esperadas. No entanto, o que é incomum é por quanto tempo as anomalias mais quentes que a média irão persistir.”

Marina Makarova, meteorologista chefe do serviço meteorológico da Rússia em Rosgidromet, disse: “Este inverno foi o mais quente da Sibéria desde que os registros começaram a 130 anos. As temperaturas médias foram 6°C superiores às temperaturas normais.”

Robert Rohde, o principal cientista do projeto Berkeley Earth, disse que a Rússia como um todo, experimentou temperaturas recordes em 2020, com a média de janeiro a maio de 5,3°C acima da média de 1951-1980. “Este é um novo recorde de 1,9°C em um todo”, disse ele.

Em dezembro, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, comentou sobre o calor incomum: “Algumas de nossas cidades foram construídas ao norte do Círculo Polar Ártico, no permafrost. Se começar a derreter, você pode imaginar quais consequências isso teria. Isso é um problema muito sério.

O degelo do permafrost foi o culpado, pelo menos em parte, pelo vazamento de diesel na Sibéria este mês, que levou Putin a declarar estado de emergência. Os suportes do tanque de armazenamento afundaram subitamente, de acordo com seus operadores; grupos verdes disseram que a infraestrutura envelhecida e mal mantida também é a culpada.

Incêndios florestais atingiram centenas de milhares de hectares das florestas da Sibéria. Os agricultores costumam atear fogo na primavera a fim de limpar a vegetação, e uma combinação de altas temperaturas e ventos fortes causou alguns incêndios que ficaram fora de controle.

Russia's Siberia region, best known as an icy tundra, is being transformed by climate change

Enxames da mariposa de seda da Sibéria, cujas larvas se alimentam das árvores coníferas, aumentaram rapidamente com a elevação da temperatura. “Em toda a minha carreira, nunca vi mariposas tão grandes e crescendo tão rapidamente”, disse à AFP Vladimir Soldatov, especialista em mariposas.

Ele alertou sobre “consequências trágicas” para as florestas, com o aumento das larvas nas árvores e deixando-as mais suscetíveis a incêndios.

 

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top