skip to Main Content
Os Alimentos Alternativos Que Podem Revolucionar As Dietas Do Futuro

Os alimentos alternativos que podem revolucionar as dietas do futuro

As folhas de moringa são ricas em vitaminas A, B e C, e mineirais; o Centro de Alimentos para o Futuro que popularizar cultivos esquecidos. GETTY IMAGES

No interior de três estufas gigantes, futuristas e prateadas, um grupo de cientistas tenta mudar o futuro dos alimentos.

Estamos na sede da Crops for the Future (Centro de Alimentos para o Futuro, em tradução livre, ou CFF, na sigla em inglês), uma organização internacional de pesquisa agronômica, que fica nos arredores de Kuala Lumpur, a capital da Malásia.

Aqui, eles tentam revolucionar a alimentação humana com cultivos ignorados – que eles descrevem como esquecidos, pouco usados ou mesmo “alternativos”.

“Tudo o que você vê aqui são cultivos esquecidos”, diz Sayed Azam Ali, diretor do CFF, enquanto mosstra à BBC uma enorme variedade de plantas nos jardins do centro do edifício.

De acordo com Azam Ali, só quatro produtos – trigo, milho, arroz e soja – correspondem a dois terços da oferta mundial de alimentos.

“Dependemos destes quatro cultivos, mas há cerca de 7 mil que a humanidade conhece e planta há milhares de anos. E eles estão sendo ignorados.”

A CFF acredita que alguns deles, especialmente, deveriam passar fazer parte da nossa dieta nos próximos anos.

1. Cajá-manga

Esta fruta tropical, Spondias dulcis, é conhecida como kedondong na Indonésia, periba no Peru e cajá-manga ou cajarana no Brasil. Ela é originária da Polinésia, e daí foi introduzida a regiões tropicais das Américas, da Ásia e da África.

Em território brasileiro, é encontrada principalmente na região Nordeste.

Salada de frutas com cajá-manga

O cajá-manga é consumido na Ásia em saladas de frutas, mas também está presente no Nordeste brasileiro. GETTY IMAGES

Cajás-manga na árvore

O CFF tenta transformar o cajá-manga em uma bebida efervescente, que tem pouco açúcar e muita vitamina C. GETTY IMAGES

O cajá-manga contém vitamina C, cálcio, fósforo e ferro, entre outros nutrientes. Sua polpa pode ser consumida em saladas de fruta, em calda, como purê, sucos e geleias.

O CFF está tentando transformar a fruta em uma bebida efervescente, livre de açúcar e com alta concentração de vitamina C.

2. Moringa

A árvore Moringa oleifera, também chamada de Acácia-branca, é natural do norte da Índia, da Etiópia, das Filipinas e do Sudão, mas pode ser encontrada na América Latina, especialmente em Cuba, República Dominicana, Paraguai e Argentina.

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) diz que suas folhas “são ricas em proteínas, vitaminas, A, B e C e minerais: muito recomendáveis para mulheres grávidas lactantes, assim como para crianças pequenas”.

Bebida com pó de moringa

Os produtos derivados da moringa têm propriedades antibióticas e as sementes da planta são usadas para problemas circulatórios. GETTY IMAGES

As folhas, com alto conteúdio de cálcio e ferro, podem ser usadas como equivalente do espinafre.

Além disso, a planta tem propriedades medicinais. De acordo com a FAO, os produtos derivados da moringa têm propriedades antibióticas. As sementes da planta também são usadas no tratamento de problemas circulatórios.

Folhas de moringa

No CFF, chefes e pesquisadores fazem bolos de moringa, que contém nível baixo de glúten e alto conteúdo nutricional. GETTY IMAGES

A especialista em tecnologia de alimentos Tan Xin Lin, do CFF, mostrou à BBC como preparar uma massa verde brilhante com pó de moringa.

Xin Lin usa folhas de moringa pulverizadas em lugar de farinha para fazer bolos com nível baixo e glúten e alto conteúdo nutricional.

3. Feijão-bambara

Esta planta, Vigna subterranea, é uma leguminosa rica em proteína nativa da África sub-saariana, que também cresce em algumas regiões do sudeste asiático.

Ela é resistente a altas temperaturas e cresce mesmo em solos pobres em nutrientes. Suas vagens crescem sob a terra, de maneira semelhante ao amendoim.

Feijões-bambara

O feijão-bambara cresce mesmo em solos pobres e é resistente a altas temperaturas. GETTY IMAGES

Guisado de porco com feijões-bambara

Este é um guisado de porco com feijão-bambara, feito pelo CFF; a organização tenta reintroduzir a leguminosa na dieta das pessoas com receitas novas. GETTY IMAGES

Por ser uma leguminosa, essa planta melhora a fertilidade do solo naturalmente. As plantas fixadoras de nitrogênio, como ela, abrigam bactérias e fungos capazes de transformar o nitrogênio do ar em material disponível para as plantas.

Uma das receitas mais bem-sucedidas do CFF é o murukku de bambara, uma espécie de sanduíche crocante e de textura amanteigada comum na Índia.

Azam Ali tenta convencer potenciais investidores em produtos de feijão-bambara citando o sucesso de cultivos como a quinua, que há 30 anos era praticamente desconhecida fora de seus territórios nativos na Bolívia e no Peru.

Segurança alimentar

O trabalho do CFF para popularizar os cultivos esquecidos é mais urgente do que nunca. O setor de alimentos já é responsável por dois terços das emissões globais de gases estufa, segundo a FAO.

No entanto, será necessário aumentar em 50% a produção mundial de alimentos, para dar resposta ao crescimento da população mundial, de acordo com a organização.

As projeções da ONU indicam que a população global, atualmente em 7,2 bilhões de pessoas, chegará a 9,7 bilhões em 2050.

Satisfazer essa demanda sem agravar as mudanças climáticas, prejudicar mais a biodiversidade e destruir ecossistemas exige soluções criativas.

E um elemento chave nessas soluções devem ser os cultivos esquecidos, de acordo com o CFF.

Azam Ali garante que ao investir em plantas locais, os países podem reduzir sua dependência de alimentos importados e sua pegada de carbono.

Os cultivos esquecidos também fortalecem a segurança alimentar diante da frequência de eventos climáticos extremos associados ao aquecimento global.

Sobremesa feita com o pó de moringa

Um dos ingredientes desta sobremesa é o pó de moringa; diversificar a dieta com cultivos esquecidos é fundamental para responder ao aumento da população mundial, segundo o CFF. GETTY IMAGES

Além de todas estas razões, não devemos esquecer que os alimentos alternativos, como o cajá-manga, são mais resistentes às mudanças climáticas do que outras plantas e são altamente nutritivas, segundo o diretor do CFF.

“A diversificação da dieta com estes alimentos é crítica para o futuro da humanidade”, afirma Azam Ali,

Esta reportagem é parcialmente baseada em um artigo de Preeti Jha para a BBC Future. Leia o original (em inglês) aqui.

Fonte – BBC Brasil de 23 de setembro de 2018

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top