skip to Main Content
Painéis Solares Mais Eficientes

Painéis Solares mais eficientes

Por Jillian Ambrose -The Guardian

 A célula solar de perovskita sobre silício da Oxford PV ultrapassou a célula solar somente de silício de melhor desempenho, alcançando um novo recorde mundial de 27,3% em junho de 2018. Fotografia: Luca Abbiento Www.abbiento.de/Luca Abbiento 

Oxford PV diz que painéis solares com tecnologia baseada em cristal de perovskita pode gerar quase um terço a mais de eletricidade do que as células de silício.

Os telhados britânicos podem estar abrigando um avanço na nova tecnologia de energia solar no próximo verão, usando um cristal descoberto há mais de 200 anos para ajudar a aproveitar melhor a energia solar.

Empresa de tecnologia solar com sede em Oxford espera até o final do ano começar a fabricar os painéis solares mais eficientes do mundo e se tornar a primeira a vendê-los ao público no próximo ano.

Oxford PV afirma que os painéis solares de próxima geração serão capazes de gerar quase um terço a mais de eletricidade do que os painéis solares tradicionais à base de silício, revestindo os painéis com uma fina camada de um material de cristal chamado perovskita.

O avanço ofereceria a primeira grande mudança na geração de energia solar desde que a tecnologia surgiu na década de 1950 e poderia desempenhar um papel importante para ajudar a enfrentar a crise climática, aumentando a quantidade de energia limpa produzida.

Ao revestir uma célula de energia solar tradicional com perovskita, o painel solar pode aumentar sua geração de energia e reduzir os custos gerais da eletricidade limpa, porque o cristal é capaz de absorver diferentes partes do espectro solar do que o silício tradicional.

Normalmente, uma célula solar de silício é capaz de converter até cerca de 22% da energia solar disponível em eletricidade. Mas em junho de 2018, a célula solar de perovskita sobre silício de Oxford PV ultrapassou a célula solar somente de silício de melhor desempenho, atingindo um novo recorde mundial de 27,3%.

Os painéis revestidos com perovskita também terão uma aparência diferente. Em vez da tonalidade azul geralmente associada aos painéis de silício tradicionais, os painéis do Oxford PV parecerão pretos e combinarão melhor com as ardósias do telhado.

O cristal foi descoberto pela primeira vez por um mineralogista russo nos montes Urais em 1839, mas nos últimos 10 anos, cientistas de todo o mundo estão envolvidos em uma corrida para projetar o mineral para ajudar a gerar mais eletricidade renovável a um custo menor.

O Dr. Chris Case, diretor de tecnologia da Oxford PV, disse que o uso de perovskita representa “uma verdadeira mudança” para a tecnologia solar, que permaneceu relativamente inalterada desde os primeiros painéis à base de silício desenvolvidos na década de 1950.

“O silício atingiu sua capacidade máxima”, disse ele. “Há melhorias residuais a serem feitas e oportunidades de custo de produção, mas do ponto de vista de desempenho está no limite de eficiência. O material perovskita é algo totalmente inovador para a energia solar.”

A empresa ganhou £ 100.000 de financiamento do governo do Reino Unido em 2010, antes de atrair investimentos de capital da gigante petrolífera norueguesa Equinor, Legal & General Capital e da gigante chinesa de renováveis ​​Goldwind.

Frank Averdung, presidente-executivo da Oxford PV, disse que a empresa será capaz de mudar os painéis solares disponíveis comercialmente que usam perovskita para melhorar a geração solar em relação à empresas concorrentes.

“Existem outras empresas trabalhando com perovskita, é claro, e essas outras empresas eventualmente terão um foco mais comercial, mas nenhuma dessas empresas tem a mesma combinação que estamos propondo que é o silício e perovskita juntos, que nós temos”, disse ele.

Original

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top