skip to Main Content
Podemos Reduzir Nossa Pegada Energética?

Podemos reduzir nossa pegada energética?

Por Populations Matters

Novo estudo afirma que podemos reduzir o consumo global de energia em 75% e ainda assim ter uma vida confortável. Alistair Currie da Population Matters, pergunta – podemos fazer isso?

ONU projeta que nossa população atual de 7,8 bilhões crescerá para aproximadamente 9,7 bilhões até o ano de 2050 e chegará a quase 11 bilhões até o final do século. Cada uma dessas pessoas exigirá moradia, infraestrutura, alimentos, água e energia. O crescimento populacional está longe de ser o único fator que impulsiona a demanda. por energia.

No mundo de hoje, foi calculado que cerca de uma pessoa sai da extrema pobreza a cada segundo; cinco pessoas por segundo estão entrando na chamada “classe média global” de pessoas que vivem com relativo conforto e segurança; e a cada dois segundos alguém se torna “rico”, pelos padrões globais. Estima-se que a classe média global atingirá mais de 5 bilhões de pessoas em 2050

Isso é muito bom e bem-vindo para os mais pobres, mas aumentar a riqueza é um fator crítico de nossa crise ambiental. É possível que todos se sintam confortáveis, sem acabar com o planeta em que vivemos?

NEM TUDO SÃO FLORES

novo estudo, publicado no Global Environmental Challenge, trabalha com base no princípio “ascendente” de determinar quais seriam as necessidades de energia para um número estimado de 10 bilhões de pessoas, todas vivendo com conforto e segurança, mas sem luxos – as famílias têm laptops, aquecimento e máquinas de lavar, mas nem todas possuindo veículos, ou refeição diária com muita carne.

A pesquisa calcula que essas necessidades poderiam ser atendidas aproximadamente com o mesmo nível de consumo global de energia da década de 1960 (quando a população era menos da metade do que é hoje). Isso é 60% menos energia do que consumimos atualmente – e apenas um quarto do consumo de energia atualmente projetado para 2050.

Os autores observam que este nível de demanda de energia é apenas pouco maior do que as projeções atuais sugerem que as fontes de combustível não fóssil sejam capazes de fornecer até 2050.

AÇÃO RADICAL

Essa transição pode ser alcançada? Os pesquisadores acreditam que sim, de dois jeitos – o desenvolvimento geral e abrangente do uso de novas tecnologias, e o nivelamento social urgente e abrangente das desigualdades grotescas que existem atualmente pelo planeta. Em um artigo associado, um dos autores do estudo descreve isso como “ação radical em todas as frentes”.

A escala deste projeto será enorme. Por exemplo, a fim de perceber os benefícios de novas tecnologias e design, o estudo prevê que todas as residências e edifícios públicos, como escolas e hospitais, deverão ser substituídos por edifícios com eficiência energética até o ano de 2050 (não calcula a contribuição deste programa de construção às emissões de carbono – a construção atualmente é responsável por cerca de um sexto das emissões de gases que afetam o clima).

No que diz respeito aos transportes, combina uma visão “ambiciosa” para a utilização do transporte público com o pressuposto de que as atuais projeções de eficiência energética máxima dos veículos são cumpridas (os autores notam que isto pressupõe todos os custos associados e outros obstáculos deverão ser superados).

A view of Singapore's skyline with a mass rapid transit station in the foreground.

PISOS E TETOS

Socialmente, a transformação não é menos radical. Atualmente, o consumo de energia dos menos afortunados da população global é de aproximadamente 20% da pegada energética final do planeta, que por sua vez é menor do que os 5% do que o consumo total. Para atingir a meta, aqueles países com o maior consumo precisariam reduzir o consumo em 90%. Os autores fazem uma crítica em relação a outras projeções de uso futuro de energia.

“No Cenário de Desenvolvimento Sustentável da IEA, por exemplo, o foco está em cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, aumentando o acesso à eletricidade e a disponibilidade de fogões para 100% da população, globalmente; isso coloca um piso no consumo, mas o A IEA não considera limitar o uso de energia dos consumidores globais mais ricos. Esta é a principal razão para o consumo final de energia da SDS de 2050 ser o dobro do nosso – e, aliás, deixa somente em décimo o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável com a desigualdade social agora sem um controle.

(Para nossa análise da relação entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a população, visite esta página)

 

DESAFIANDO A DESIGUALDADE

Consumo de recursos por país
Gráfico de emissões per capita de CO2 em diferentes países

É cada vez mais claro que o caminho para sair de nossa crise ambiental requer mudanças sociais e econômicas radicais e a aceitação de um grau menor de afluência por aqueles atualmente mais afortunados. Ao pedir “transformações sociais drásticas e desafiadoras”, este estudo é consistente com quase todas as principais análises recentes de soluções para a nossa crise ambiental.

Person eating burger

 

Crop harvesters

Nas palavras do novo estudo:

“De modo geral, então, o presente trabalho é consistente com argumentos de longa data de que as mudanças econômicas e sócio-ambientais necessárias para enfrentar a magnitude dos desafios ecológicos atuais são enormes, embora as soluções tecnológicas nós já temos.”

PRECISAMOS ABORDAR A POPULAÇÃO?

O estudo traz uma contribuição crítica para o debate sobre sustentabilidade, ao mostrar que parece possível suprir as necessidades energéticas de uma população maior do que a que temos hoje e, ao mesmo tempo, garantir um padrão de vida satisfatório para todos. Também indica a importância fundamental de reduzir a desigualdade por meio da redução do consumo dos mais ricos para garantir que todos possam ter um padrão de vida decente.

No entanto, como os autores do estudo reconhecem, ele não avalia os vários impactos não associados ao uso de energia, como escassez de água, conversão de habitat para agricultura, erosão do solo, consumo de recursos finitos ou renováveis, poluição e vários outros fatores que influenciam a sustentabilidade . Os próprios autores dizem que “os resultados são, portanto, de uso limitado para orientar ações locais e nacionais específicas para reduzir os impactos ecológicos de forma eficaz”.

Um estudo mais abrangente de 2018 de todos os fatores que contribuem para uma qualidade de vida decente constatou que atualmente nenhum país do mundo oferece qualidade de vida sem transgredir “fronteiras planetárias”, ou seja, de forma ambientalmente e sustentável. Os autores concluíram que garantir benefícios sociais, como educação de alta qualidade, além do conforto físico e segurança, “poderia exigir um nível para o uso de recursos que é duas a seis vezes o nível sustentável global”.

INVERTENDO A TRAJETÓRIA

A escala e a velocidade das transformações técnicas e políticas necessárias para atingir os níveis de consumo de energia do novo estudo marcam-no como um trabalho mais útil pelas possibilidades que revela como um roteiro para uma solução. Em nenhum lugar da Terra o consumo geral ou per capita está diminuindo, e atualmente não há vontade política ou o ímpeto econômico para reduzir sua riqueza entre os mais ricos, ou a evidência de um movimento social significativo de pessoas reduzindo voluntariamente seu próprio consumo.

Em todo o mundo, no entanto, o número de filhos que as pessoas têm está diminuindo, e vem sendo assim há pelo menos uma década. Embora seja absolutamente claro que ações atualmente impopulares e politicamente inaceitáveis ​​são necessárias para reverter a tendência de aumento do consumo e da situação insustentável, as principais ações e políticas que reduzem o tamanho da família são o que as pessoas desejam: educação, capacitação, fuga da pobreza e planejamento familiar. Educar a população nos dá a oportunidade de trabalhar com uma tendência existente, em vez de ter que sofrer com a falta de recursos.

Baby feet

É OU / OU É

É essencial agir para acabar com as desigualdades grotescas e parar o processo descontrolado de crescimento do consumo. Assim também é a ação para educar a população. Estranhamente, alguns críticos do argumento da população acreditam que as soluções devem ser uma ou outra, e se preocupar com a população significa apoiar a injustiça do sistema econômico atual.

É claro que será muito mais fácil garantir um corte de 75% no uso global de energia em 2050 se houver menos pessoas no planeta. Quanto mais cedo diminuir o crescimento populacional, mais cedo teremos um ambiente equilibrado.

 

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top