skip to Main Content

Relacionando a biodiversidade urbana com a saúde humana com o conceito ‘Holobionte’

Um serviço ecossistêmico relativamente não contabilizado da biodiversidade é o benefício para a saúde humana através da microbiota simbiótica de nosso meio ambiente.

Este benefício ocorre porque os seres humanos evoluíram ao lado de micróbios e foram constantemente expostos a diversas microbiota.

Plantas e animais, incluindo humanos, são organizados como hospedeiros com microbiota simbiótica, cujo genoma coletivo e história de vida formam um único holobionte.

Como tal, existem interdependências entre biodiversidade, holobiontes e saúde pública que nos levam a argumentar que os resultados da saúde humana poderiam ser melhorados aumentando o contato com a biodiversidade em um contexto urbano.

Propomos que os humanos, como todos os holobiontes, provavelmente necessitem de um habitat microbiano diversificado para se apropriarem de recursos para viver uma vida longa e saudável.

Discutimos como a urbanização industrial provavelmente perturba a simbiose entre a microbiota e seus hospedeiros, levando a resultados negativos na saúde.

O habitat urbano industrializado é pobre em biodiversidade macro e microbiana e desencoraja o contato com a microbiota ambiental benéfica.

Esses fatores de habitat, juntamente com dieta, antibióticos e outros, estão associados à epidemia de doenças não transmissíveis nessas sociedades.

Sugerimos que a restauração da biodiversidade microbiana urbana e dos processos microecológicos por meio da recuperação do microbioma pode beneficiar a saúde holobionte e ajudar no tratamento da epidemia de doenças não transmissíveis urbanas.

Além disso, identificamos lacunas de pesquisa e algumas soluções para os obstáculos econômicos e estratégicos na aplicação da reeducação microbiana na vida urbana diária.

Fonte – Frontiers de 26 de março de 2019

Esse artigo é parte da pesquisa The Urban Microbiome: Uncovering the Hidden Footprint of Cities

Deixe uma resposta

Back To Top