skip to Main Content
Superpopulação

Superpopulação

Para muitos repórteres que cobrem o clima, a superpopulação continua sendo um tabu!
Columbia Journalism Review – Wudan Yan18/09/2019

Mas isso não é verdade. Em 2017, Seth Wynes, da Universidade de Lund, na Suécia, e Kimberly Nicholas, da Universidade da Colúmbia Britânica, estimaram as emissões de carbono que várias escolhas individuais de estilo de vida teriam. A principal maneira de reduzir a mudança climática, segundo o relatório , seria ter menos um filho (o que de outra forma contribuirá anualmente com 58,6 toneladas adicionais de dióxido de carbono, em média nos países desenvolvidos, de acordo com as estimativas dos pesquisadores).

O vice-campeão na emissão de gases efeito estufa vai para quem evita usar carros (2,4 toneladas de dióxido de carbono por ano) e em seguida são as pessoas que estão evitando os voos transatlânticos (1,6 toneladas de dióxido de carbono por ano).

Newman me disse que, apesar de ter checado meticulosamente seu artigo, nem ele nem seus editores perceberam o erro no qual ele estabeleceu a premissa de sua história. (Nos comentários enviados por e-mail, Newman escreveu que não ter um filho “não estava na história simplesmente porque não me ocorreu enquanto eu estava escrevendo a história”, embora ele tenha questionado se deveria considerar ter um filho “uma única ação. “São os milhões de atividades que ocorrem na vida daquele humano que você criou que geram o CO2”, escreveu ele. “Para mim, não parece justo comparar voar em um voo transatlântico – um evento independente que ocupa apenas algumas horas – com uma vida inteira de emissão de carbono.”

Logo após o artigo de Newman, o The Guardian publicou uma história interativa focada exclusivamente em quanto dióxido de carbono é emitido por voo. Um mês depois da história de Newman, a Quartz publicou uma história intitulada “Se você se importa com o seu impacto no planeta, deve parar de voar“. Para essa história, a Quartz replicou um gráfico do estudo de Wynes e Nicholas, mas não conseguiu incluir o impacto de não ter outro filho teria na emissão de gases efeito estufa. Quando perguntei à repórter, Natasha Frost, por que o Quartz decidiu omitir parte dos dados, ela disse que o software gráfico não podia colocar os dados corretamente no gráfico.

Se algum artigo está falando apenas de voar menos ou comer menos carne, “é perigoso e enganoso”, diz Erica Gies, jornalista independente que escreveu sobre população e sua decisão pessoal de não ter filhos , diz. “Ou o escritor está mal informado, e não quer olhar para a realidade ou se abrir para o ataque pessoal evitando escrever sobre ela.”

Não ter outro filho economiza 20 vezes mais carbono por ano, e qual o motivo de mais jornalistas não estar falando sobre o aumento da população humana e seus impactos nas mudanças climáticas?

Os Ambientalista acreditam que superpopulação atual é um dos motivos em que chegamos à nossa atual crise climática. Para explicar o impacto que os seres humanos têm no meio ambiente, eles usam a fórmula I = PAT: o impacto humano no meio ambiente (I) é o produto da população (P), riqueza (A) e tecnologia (T). “Mudar a população é o único fator – o mais fácil e que terá mais impacto”, diz o ativista e documentarista Terry Spahr.

O ativista ambiental Bill McKibben, que, em 1999, escreveu Talvez um sobre sua decisão de ter apenas um filho devido à crise climática, acredita que a população não é tão discutida porque o crescimento populacional não é imediato e as taxas de natalidade nos Estados Unidos já estão abaixo de todos os níveis a algum tempo. “Se, de fato, temos uma década para fazer mudanças transformadoras, há outras coisas” – como as instituições gigantes da indústria de combustíveis fósseis – “que são mais cruciais”, disse-me McKibben.

A questão da população foi discutida mais amplamente na década de 1970, depois que o biólogo Paul Ehrlich escreveu The Population Bomb , um aviso de que a população mundial estava ficando fora de controle. O crescimento da população levou a Índia a implementar um programa para esterilizar os homens à força, e a China a introduzir sua política de filho único.

Na mesma época, as principais organizações ambientais dos EUA, como o Sierra Club, a World Wildlife Foundation e a Audubon Society, adotaram políticas e plataformas que limitariam o crescimento da população. (O Sierra Club, por exemplo, acreditava que a população dos EUA deveria ser estabilizada somente com a limitação da imigração.) Mas eles acabaram desistindo desta teoria. “Foi mal entendida pelas pessoas”, diz Spahr. Ou seja, “se você acreditava em políticas populacionais, era racista, colonialista, imperialista ou acreditava na eutanásia e em todo tipo de coisas loucas”. Como resultado, diz Spahr, o controle populacional “perdeu sua força como um todo, parte viável e importante da conversa.”

Essa reação pode intimidar escritores interessados ​​em discutir como a população e a escolha reprodutiva estão ligadas ao impacto climático. Ash Sanders, que recentemente publicou um ensaio no BuzzFeed sobre o motivo pelo qual ela optou por não ter filhos , estava inicialmente temerosa por contar a história por esses mesmos motivos.

Gies escreveu seu primeiro artigo sobre controle populacional para a Forbes em 2011. Por um longo tempo, ela diz, parecia que ninguém mais estava disposto a escrever sobre isso.

“Eu tenho muita vergonha”, diz ela. “As pessoas me disseram: se você está tão preocupado, deveria se matar. E ter um filho na maioria das culturas é um bem automático, então as pessoas ouvem você criticando elas e suas escolhas quando você fala sobre suas próprias escolhas. ”Mas, ao mesmo tempo, Gies diz, ela recebeu mensagens sinceras de pessoas que se sentiam da mesma forma que ela..

Embora os jornalistas cheguem a um consenso sobre a gravidade da crise climática, não existe um consenso sobre como vincular a questão da população às mudanças climáticas – ou se a ligação deve ser feita. Falar sobre não ter filhos, diz Frost, levanta “questões éticas complicadas sobre a diferença entre as ações em que, se todos as levassem, o mundo provavelmente seria um lugar melhor (como não comer carne) e aquelas em que todos os que faziam o mundo pior (como não ter filhos, se você acha que a raça humana é uma coisa valiosa para proteger).”

David Roberts, jornalista ambiental da Vox, escreveu em um artigo de 2017 que se recusava a falar sobre superpopulação porque era moral e politicamente preocupante . Nesse artigo, explica que discutir coisas como empoderar as mulheres seria uma maneira indireta de atingir a população. (Ou seja, se você educar as mulheres sobre planejamento familiar e oferecer oportunidades de renda, elas optarão por ter menos filhos).

Gies, enquanto isso, diz que a população precisa ser discutida diretamente. “Esse é o problema: não falamos sobre isso diretamente”, diz ela.

Spahr diz que viu a conversa sobre população e mudança climática se tornar mais pública nos últimos cinco anos. O príncipe Harry anunciou recentemente que ele e seu parceiro, Meghan, só terão dois filhos por causa das mudanças climáticas (embora ter dois filhos apenas atinja a taxa de reposição e não reduza o impacto climático). Em fevereiro, Alexandria Ocasio-Cortez perguntou se é ético ter filhos diante da crise climática.

Dada a urgência da crise, diz Sanders, “precisamos atacar as mudanças climáticas de tantos ângulos estruturais e culturais diferentes. Não acho que a população seja a bala de prata, mas acho que é a única ferramenta que temos e que não estamos falando o suficiente. Eu acho que existem maneiras de ter essa conversa eticamente que levarão à liberdade e à escolha. ”

Original

Deixe uma resposta

Back To Top