Abertas vagas para estagiários

Iniciamos as atividades do segundo semestre de 2008.

Estamos dando continuidade aos projetos antigos e iniciando novos projetos.

Atualmente temos vagas para estagiários nos seguintes projetos.

  • Condomínio sustentável – reciclagem 100% em condomínios
  • Consumidor sustentável – dia de compra sem sacolas
  • Projeto Mata ciliar FUNVERDE

Os interessados em estagiar na FUNVERDE, por favor, entrem em contato pelo email funverde@funverde.org.br.

Países ricos buscam solos férteis no exterior

artistgal

O Filtro de 20 de agosto de 2008

A busca pela segurança alimentar está causando um fenômeno interessante: países com poucos recursos agrícolas estão investindo em projetos em nações mais pobres, mas fornecedoras de gêneros alimentícios, para garantir que não haverá risco de desabastecimento nas importações, informa o jornal britânico Financial Times.

Um exemplo é a Arábia Saudita, que está pesquisando formas de injetar seus petrodólares em países como Sudão, Ucrânia, Paquistão e Tailândia, onde a oferta de terras agricultáveis é maior.

Enquanto isso, aqui, na terra da novela, futebol e lula, continuamos a desperdiçar nossa terra hiper ultra superprodutiva com instatalação de lixões.

Toda terra fértil que seria criada a partir da compostagem do nosso lixo orgânico está sendo jogada nos lixões, deixando nosso solo cada vez mais empobrecido, necessitando daí a utilização de adubos químicos.

Quando iremos acordar do nosso sono eterno? Quando acontecer como está acontecendo com os países desertificados que tem que buscar terra fértil fora de suas fronteiras? Tudo acaba, a água, o solo fértil … se não cuidarmos, um dia seremos como o deserto de gobi, deserto, seco, infértil.

***

Financial Times August 20 2008

Foreign fields

Saudi Arabia has no permanent rivers or lakes. Rainfall is low and unreliable. Cereals can be cultivated only through expensive projects that deplete underground reservoirs. Dairy cattle must be cooled with fans and machines that spray them with water mists. This is not, in short, a nation that would normally be associated with large-scale agriculture.

But that could be about to change. Boosted by revenues from the oil boom and concerned about food security, the kingdom is scouring the globe for fertile lands in a search that has taken Saudi officials to Sudan, Ukraine, Pakistan and Thailand.

Their plan is to set up large-scale projects overseas that will later involve the private sector in growing crops such as corn, wheat and rice. Once a country has been selected, each project could be in excess of 100,000 hectares – about 10 times the size of Manhattan island – and the majority of the crop would be exported back, officials say.

While Saudi Arabia’s plans are among the grandest, they reflect growing interest in such projects among capital-rich countries that import most of their food. The United Arab Emirates is looking into Kazakhstan and Sudan, Libya is hoping to lease farms in Ukraine and South Korea has hinted at plans in Mongolia. Even China – with plenty of cultivable land but not a lot of water – is exploring investments in south-east Asia.

“This is a new trend within the global food crisis,” says Joachim von Braun, director of the Washington-based International Food Policy Research Institute. “The dominant force today is security of food supplies.”

Alarmed by exporting countries’ trade restrictions – such as India’s curbs on exports of rice, Ukraine’s halt to wheat shipments and Argentina’s imposition of heavy taxes on overseas sales of soya – importing countries have realised that their dependence on the international food market makes them vulnerable not only to an abrupt surge in prices but, more crucially, to an interruption in supplies.

As a result, food security is at the top of the political agenda for the first time since the 1970s. “The food crisis gave alarms for all countries to look for places to secure supplies of agricultural goods,” says Abdullah al-Obaid, the deputy minister of agriculture in Saudi Arabia.

Mr von Braun, echoing the opinion of dozens of other officials interviewed by the Financial Times, says that faith in the international food market is waning. For the first time since the early 1990s, when trade in farm products rose sharply, many are starting to doubt the wisdom of depending on agricultural imports. “The importers are nervous and they have realised that they [had] better have a stake in countries with potential for agriculture exports,” he says.

With global food consumption rising, largely due to demand for a meat-rich diet in emerging economies, the challenge of feeding booming populations in countries such as Saudi Arabia is growing by the year. Cereal prices have come off their highs of earlier this year but are still more than three times their average over the past decade.

Food security is firmly behind every plan to invest in agriculture overseas. During a recent tour of central Asia, Khalifa bin Zayed, the UAE president, pointed to the need to lock in supplies. “The UAE is looking at implementing some agricultural projects in Kazakhstan as part of its efforts to develop stable food sources for its needs,” he said.

For countries rich in cultivable land and water but short of capital, such plans could also make a lot of sense. Wheat fields in Ukraine, for example, yield less than 3,000kg a hectare in spite of some of the world’s most fertile soils and abundant rain. That is well below the US’s yield of about 6,500kg a hectare, achieved in less optimal conditions. But more tractors, a lot more fertiliser, better techniques and higher-yielding seeds could change the situation.

Lennart Båge, president of the United Nations’ International Fund for Agriculture Development in Rome, says that land was long thought less important than oil or mineral deposits. “But now fertile land with access to water has become a strategic asset,” he says.

Some countries have grasped the potential of this resource. Sudan, for example, is seeking to attract at least $1bn (€680m, £540m) of capital for its agricultural sector from Arab and Asian investment groups. The investment ministry is marketing 17 large-scale projects that would cover an area of 880,000 hectares.

Meles Zenawi, the prime minister of Ethiopia, is also enthusiastic. After welcoming a Saudi agriculture delegation a fortnight ago, he said: “We told them [the Saudis] that we would be very eager to provide hundreds of thousands of hectares of agricultural land for investment.”

Yet such deals are likely to come at a heavy price for food-producing countries. Through secretive bilateral agreements, the investors hope to be able to bypass any potential trade restriction that the host country might impose during a crisis.

For some policymakers, this evokes the nightmare scenario of crops being transported out of fortified farms as hungry locals look on – although whether vast tracts could be defended in the manner of, say, oil installations, is open to question. Others point out that the scramble for land is taking place in countries with weak legal environments, where most farmers lack formal tenure rights or access to compensation mechanisms.

Supporters of free trade in agriculture are also worried by what they consider to be attempts to build ownership of food production rather than increase supply to the international market. Ed Schafer, US agriculture secretary, says he would be concerned if the investments were simply a means to “bypass the international market and global trade agreements”.

European agriculture officials add that the poorest food-deficit countries, such as those in west Africa, would suffer most: unable to invest overseas, they would also be most vulnerable to rising prices in a diminished international market.

Multilateral institutions such as the World Bank and the United Nations Food and Agriculture Organisation, which initially encouraged foreign investment in agriculture as a way to boost global output, are moderating their previous support.

T he change is clearly seen in the posture of Robert Zoellick, president of the World Bank, who initially described state-led foreign investment as a “win-win venture” ‘. Now a spokesperson for the bank says: “This is a situation that could bring real benefits to people in some developing countries, but to be sustainable, land purchase or lease arrangements must benefit, and be seen to benefit, all parties including citizens of the host country, local communities and investors.”

A similar shift can be observed in Jacques Diouf, director-general at the FAO. He initially called for “joint-venture agreements between, on the one hand, those countries that have the financial resources and, on the other, those that possess land, water and human resources”.

But now he is warning of the risk of a “neo-colonial” agricultural system. “Some negotiations [between host countries and the investors] have led to unequal international relations and short-term mercantilist agriculture,” says Mr Diouf.

Mr Båge also agrees there could be problems. “We are talking about some host countries where there is widespread poverty and hunger, and we must ensure that the local populations share fully in the benefits of these initiatives.”

For example, in Sudan – one country targeted by almost all Gulf investors – the World Food Programme, the UN agency that deals with food emergencies, is feeding 5.6m people. If the investment plans go ahead, Sudan, perversely, could be exporting to rich nations while its own population suffers.

Chinese officials, who supported Beijing’s expansive policy to secure commodities such as oil and metals in Africa, seem aware of the potential dangers. Although Beijing has explored deals in the Philippines and Laos, and has also developed some small projects in Africa – mostly “demonstration” farms that educate locals in farming techniques – it appears to have little appetite for large-scale investment in agriculture overseas.

“There are so many people starving in Africa,” says Xie Guoli, a trade official at the Chinese ministry of agriculture. “Can you ship the grain back to China? The cost will be very high, as well as the risk.”

Nevertheless, some Chinese private-sector companies are looking at investing in farmland, although officials say that they are focusing on central Asia rather than Africa. Beijing seems more relaxed about the potential for conflict in countries such as Kazakhstan, where the transportation costs would also be lower.

United Nations agriculture and food aid officials are also worried about the potential for corruption, given the weakness of governance in many African and central Asian countries.

They suggest the investments should be governed by a framework similar in scope to the Extractive Industries Transparency Initiative, a scheme that obliges resource-rich countries to publish company payments and government revenues from oil, gas and mining.

The EITI has helped to tackle corruption in the oil and minerals sector, officials say. But a similar scheme for agriculture could take months of negotiations – and food-deficit countries are in a hurry. As western officials discuss risks and safeguards, Saudi Arabia and others appear to want to lease land ahead of the next planting season.

Additional reporting by Barney Jopson in Addis Ababa

Past failures temper hopes for Sudan

As oil-rich Gulf states hunt for overseas land to set up agricultural projects it should come as no surprise that their attention turns towards Sudan.

As Africa’s largest country, it has vast tracts of land. The White Nile and the Blue Nile, which cross into Sudan from Uganda and Ethiopia respectively – before joining in Khartoum to form the Nile proper – provide plentiful water for irrigation. Sudan is a member of the 22-nation Arab League, Arabic is its lingua franca, and the country sits just across the Red Sea from Saudi Arabia, the Gulf’s most populous state.

But putting any plans into practice will throw up a host of hurdles. In spite of being an oil producer since 1999, Sudan is impoverished and hugely underdeveloped, the result of decades of conflict and government mismanagement.

The quality of roads, for example, will determine how easily producers can transport their harvests from rural areas to ports. In 2003, the World Bank estimated that just 6,240km of Sudan’s 55,000km of roads were tarmacked. And in Sudan and other countries on Gulf states’ radar, investors will have to take on the risks of political instability, corruption and dealing with inefficient bureaucracies.

Previous attempts by Arab states to involve Sudan in solving their food problems have shown just how easily the grandest of visions can end in failure.

During the first oil boom of the 1970s, governments joined forces to set up the Arab Authority for Agriculture Investment and Development, with headquarters in Khartoum. The agency’s objectives included contributing to Arab food security.

Most of its projects were to be focused in Sudan, but officials say they achieved little because of a combination of poor management, insufficient financing and regional politics.

“[The AAAID] was sitting here doing nothing,” says Abdul-Rahim Hamdi, a former Sudanese finance minister. “The history of the AAAID was the history of bureaucracy, general managers who didn’t want to do anything or [who wanted] to keep their offices outside of Sudan, and so it did very little.”

Sudan’s relations with its Arab neighbours deteriorated in the 1990s because of the Islamic regime’s support for Iraq’s invasion of Kuwait, its willingness to host Osama bin Laden and his followers and accusations that it was involved in the 1995 assassination attempt on Hosni Mubarak, the Egyptian president.

Relations have since improved, but the Darfur conflict continues to destablise Sudan, while Omar al-Bashir, the country’s president, is the first sitting head of state to be indicted for genocide by the prosecutor of the International Criminal Court.

Still, Mr Hamdi is optimistic, arguing that the needs of food importers will outweigh any political considerations.

He adds that projects currently being discussed will differ from those of the 1970s and 1980s because they will involve bilateral government agreements and greater input from the private sector.

Under Saudi Arabia’s plans, for example, Riyadh hopes it will act as a facilitator for overseas projects, with bilateral agreements to protect investments and to agree on what percentage of produce would be exported back to the kingdom. But it will be looking to the Saudi private sector to invest in and run any schemes. That could create its own set of problems.

“Convincing the private sector is not going to be easy,” says an analyst based in Saudi Arabia. “Some of these countries are extremely corrupt . . . and will they have the political will to improve their infrastructures?”

“It’s not easy to tell another country to build roads because we want to export things.”

Lojas brasileiras aderem ao “my bag”

snapdragonjane

Tudo bem de 17 de agosto de 2008

Tatiana Aoki, de Aichi

Estabelecimentos também aderem à cobrança de sacos plásticos, incentivando uso de sacola pessoal.

 

 

Para preservar o meio ambiente, comerciantes da cidade de Minokamo incentivam o uso das sacolas pessoais de náilon ou tecido para fazer compras nos supermercados.

A fim de reduzir o volume de sacos plásticos utilizados e tentar compensar os danos causados ao meio ambiente, a prefeitura de Minokamo (Gifu) inicia, a partir de 1º de setembro, a cobrança das sacolas de plástico usadas em supermercados e lojas de departamento. O valor estipulado é de 5 ienes por saco, e a idéia é de que os moradores de Minokamo passem a usar sacolas de tecido ou náilon, hábito já adotado, por exemplo, nas feiras brasileiras, em que cada um leva a sua para ir às compras.

Inicialmente, 17 departamentos de grande porte da cidade entrarão na campanha. No entanto, a novidade maior fica por conta da adesão de três lojas de duas redes de produtos brasileiros: O Barateiro e Curitiba Shop, ambas de Minokamo, que também passarão a cobrar pelas sacolas plásticas. É a primeira vez que empresas brasileiras participam de uma iniciativa como esta no Japão. Há supermercados e departamentos japoneses de outras províncias que já adotaram a cobrança, como o Jusco, da rede Aeon, que possui lojas por todo o país.

Brasileiros

O compromisso assumido pelos representantes brasileiros foi marcado por uma cerimônia terça-feria 12, na qual estavam presentes o prefeito de Minokamo, Naoyoshi Watanabe, autoridades da cidade e a imprensa brasileira e japonesa. “Temos como meta a redução da quantidade de lixo emitido no meio ambiente. Só no Japão, são desperdiçados 30 bilhões de sacos todos os anos. E a participação de comerciantes brasileiros em uma cidade como Minokamo, que tem 11% da população composta por estrangeiros, é de extrema importância para o sucesso da campanha”, afirmou o prefeito Watanabe.

Durante a cerimônia, os dois lojistas brasileiros presentes discursaram. O diretor da loja O Barateiro, Oscar Tence, explica porque apóia a prefeitura. “Temos que pensar no meio ambiente e ter como meta reduzir a utilização de sacos plásticos em até 80%, principalmente para as futuras gerações”, conclui Tence.

O Diretor Executivo do Escritório de Promoção da Região de Chuno da Província de Gifu, Kawai Masaaki, aponta que, até 2010, os sacos plásticos sejam pagos em todos os estabelecimentos da província. Para divulgar o empreendimento, serão distribuídos pôsteres explicativos em três idiomas – japonês, português e inglês –, bem como lenços de papel anunciando a data de início da campanha.

Alguém pode me explicar a história do lenço de papel? Não conheço este tipo de marketing. Será que é para ser utilizado depois e não ser jogado na rua, o que aconteceria se fosse um fly?

Com uma população de 55 mil habitantes, Minokamo pretende que todos levem suas sacolas reutilizáveis às compras, em conjunto com outros hábitos, como não utilizar copos e hashis descartáveis e adotar a bicicleta como meio de transporte – em detrimento dos automóveis.

Iniciativas isoladas

Embora inédita, a cobrança das sacolas plásticas era algo pretendido desde 2007, pelo lojista brasileiro Roberto Martins, da rede Bell Mart, que possui lojas em Aichi, Gifu e Mie. “Infelizmente, a idéia não foi totalmente aceita pelos comerciantes brasileiros, e por isso não vingou. Se fôssemos os pioneiros na questão da reciclagem, teríamos muita credibilidade no mercado japonês. Porém, os lojistas japoneses fizeram isso antes, e perdemos uma grande oportunidade”, lamenta.

Martins não cobra pela sacola de plástico, mas coloca a ecológica para vender. “Subsidiamos a sacola ecológica, pois pagamos 200 ienes e vendemos por 100 ienes. E vi que muitos clientes brasileiros aderiram a elas.” Ele cutuca a cobrança dos 5 ienes. “Acho que a conscientização não deve ser forçada, pois caso contrário, o cliente é obrigado a aderir, sem ter consciência do objetivo, que é preservar o meio ambiente”, finaliza.

Santa Maria é a segunda cidade do Brasil a implantar um sistema moderno de recolhimento de lixo

bucklava

No Rio Grande do Sul, a cidade de Santa Maria implantou um sistema italiano de recolhimento de lixo, muito comum em toda a Europa.

Além de Santa Maria a cidade de Caxias do Sul possui o mesmo serviço.

Em Santa Maria a concorrência foi vencida pela empresa PRT Prestação de Serviços Ltda.

A região centro de Santa Maria, que produz cerca de 30% do lixo recolhido na cidade, foi escolhida para receber os novos equipamentos (caixas containers).

Em seguida será expandido o serviço para as outras áreas da cidade.

Os contêineres serão equipados com sensor que avisará os caminhões de coleta quando 80% da capacidade for atingida.

O recolhimento do lixo nos novos locais pode acontecer até duas vezes por dia, dependo se atingirem ou não os 80% da capacidade de armazenamento.

Serão usados dois caminhões para recolhimento do lixo pelo novo sistema, os quais já estão sendo montados na fábrica, assim como o veículo que garantirá que os containeres permaneçam sempre limpos.

Com a automatização do serviço, será necessária apenas a presença de um motorista.

A principal vantagem apontada pela PRT Prestação de Serviços Ltda para o novo serviço é a possibilidade dos moradores escolherem o horário e o dia mais apropriados para retirar seus resíduos de suas residências.

Como o contêiner é fechado, os resíduos podem ser depositados a qualquer hora do dia ou da noite, sem trazer riscos a população.

O serviço é inédito no Brasil.

***
Parte das 180 toneladas de lixo produzidas por dia, em Santa Maria, não ficarão mais espalhadas pelo centro da cidade. Cenas com lixeiras abarrotadas e sujeira pelas ruas e calçadas estão com os dias contados.

Dentro de 90 dias, um novo sistema de recolhimento entrará em vigor, terminando com problemas como estes. A PRT é a empresa vencedora da licitação para a implantação de toda a nova etrutura para o tratamento adequado do lixo.

O resultado da concorrência saiu no dia 4 de julho. Como a empresa que ficou em segundo lugar não recorreu da decisão, a PRT ficará responsável pela coleta e destinação final dos resíduos durante os próximos cinco anos. O valor proposto pela empresa foi de R$ 692.452,83, R$ 183.869,62 a menos do que a segunda colocada que foi a Vega, de São Paulo. O novo sistema funcionará da seguinte forma: coleta seletiva, coleta domiciliar, coleta conteinerizada e destinação final (*veja abaixo). De acordo com o fiscal do contrato, Luiz Geraldo Cervi, o que será implantado é o mais próximo do ideal. “Vai ser o mesmo esquema adotado em Caxias e também nos Estados Unidos, Buenos Aires e Europa. Santa Maria estará entre as poucas cidades do Estado que têm aterro sanitário”, destaca o engenheiro florestal.

Um dos avanços será o horário de recolhimento. Os moradores não precisarão ficar estocando lixo dentro de casa aguardando o dia e horário da coleta. No Centro, os containers fechados permitirão o depósito dos sacos a qualquer momento, pois os recipientes serão vedados. Além disso, o caminhão recolherá quando um sistema de sensores avisar que o container está 80% cheio. Portanto, não haverá horários pré-determinados.

Desde março, quando foi realizado o contrato emergencial com a PRT, parte do novo funcionamento já foi adotada. Ações como triagem, compostagem e destinação final adequada, já ocorrem em Santa Maria. No mesmo mês, o depósito da Vila Caturrita foi fechado, dando início a um processo de recuperação ambiental do local. O atual aterro também funciona na Caturrita, e já tem cerca de 100 funcionários trabalhando, em sua maioria famílias de catadores que se mantinham com resíduos do antigo “lixão”. O local ainda vende material reciclável para empresas.

*MODALIDADES DE RECOLHIMENTO DO LIXO
1 – Coleta seletiva: serão instalados 15 containers para a separação de material reciclável, em pontos estratégicos de Santa Maria, Boca do Monte e Arroio Grande.
Recolhimento:um caminhão fará o serviço, recolhendo o lixo separadamente. Além disso, os moradores que ficarem fora do trajeto podem agendar para a coleta porta a porta.

2 – Coleta domiciliar: é o sistema atual de recolhimento nas lixeiras que será feito por oito caminhões compactadores que ocorrerá nos bairros e em todos os distritos de Santa Maria.
Recolhimento: em horários e dias da semana pré-definidos.

3 – Coleta conteinerizada: 400 containers serão colocados no Centro, ocupando um espaço equivalente a uma vaga de carro, junto a calçada, a uma distância de 50 metros um do outro. Todas as lixeiras residenciais serão retiradas. Atingirá 20% da população de Santa Maria, com o perímetro abrangendo desde a Avenida Dores, Avenida Medianeira, Rua Silva Jardim até a Euclides da Cunha. Recolhimento/containers:os containers terão 2,5 metros cúbicos de capacidade. O lixo ficará compeltamente vedado, sem possibilidade de vazamento, sendo mais higiênico que as atuais lixeiras. Nem mesmo em caso de chuva, ocorrerão problemas, pois haverá uma tampa nos recipientes que será acionada pelos moradores por meio de um pedal. O recolhimento será conforme a demanda, pois o sistema funcionará por meio de sensores que indicarão quando os containers estiverem 80% cheios para que sejam esvaziados. O caminhão de recolhimento contará com o motorista mais um auxiliar. Braços mecânicos despejarão o conteúdo do container no caminhão que irá compactar o lixo. Logo após, passará o caminhão higienizador para fazer a lavagem e esterilização do recipiente. O veículo terá sistema computadorizado que permitindo o motorista visualizar o processo de recolhimento e lavagem através de câmeras instaladas dentro do caminhão.

4 – APÓS A COLETA, O LIXO PASSARÁ POR TRÊS ETAPAS

4.1 – Triagem: há esteiras rolantes onde, em cada extremidade, têm funcionários fazendo a separação de plástico, vidro, papel, metal e material orgânico.

4.2 – Compostagem: transformação do material orgânico em adubo.

4.3 – Destinação final: resíduos não aproveitáveis irão para o aterro sanitário que será uma espécie de vala forrada com uma lona de 1 centímetro de espessura, para não haver vazamentos. Também haverá drenos para o gás metano e para o chorume (substância líquida expelida pela decomposição do lixo). O lixo ainda será compactado com camadas de terra. Quando a “vala” estiver cheia, a lona será fechada, isolando todo o lixo do meio ambiente.

Interessante, mas pelo que entendemos não se está obrigando o cidadão a separar o lixo em sua residência e isto é péssimo.

Claro que o sistema é muito mais civilizado que o de Maringá, onde as pessoas deixam seu lixo em frente às suas residências por horas até o caminhao coletar e pior, os caminhões fazem um serviço sujo e mal lavado, deixando lixo derramado, chorume na rua …

Mas nada irá funcionar enquanto não houver a obrigatoriedade da separação do lixo na origem, para evitar inclusive a contaminação de materiais recicláveis, inviabilizando assim sua reciclagem.

Será que os políticos tem medo medo da população porca que não recicla? Será que eles tem medo da perda do voto destes suínos e por isso não faz uma lei para multar quem não reciclar 100% em suas casas?

Prefeitos que sabem que serão reeleitos, depois de reeleitos pensem em multar os cidadãos que se recusam a assumir sua responsabilidade por seu lixo gerado, sejam responsáveis por suas cidades, alcaides.

Tornem-se prefeitos do Século XXI e parem de enrolar para resolver o problema dos resíduos, que tem solução e é fácil de aplicar, mas tem que ter vontade política, o que raramente vemos.

Aspersor de garrafa PET

Ontem – sábado, 16 de agosto de 2008 – acabaram as férias e retornamos o projeto mata ciliar FUNVERDE, que desde 2004 vem revegetando as margens dos rios de Maringá.

Conversa vem, conversa vai, uma de nossas voluntárias, que planta e comercializa orquídeas lindíssimas, disse que precisava fazer um sistema de irrigação para suas plantas.

Foi quando lembrei de ter visto um aspersor de pet – primeiro R de reutilização – e agora que encontrei na web coloco aqui para quem se interessar.

É fácil, barato e eficiente, principalmente para quem tiver uma horta caseira ou um jardim.

Viciados em petróleo

Este vídeo, em inglês, mostra as causas e conseqüências de tudo em que conhecemos.

Quando estamos pedindo que se faça mais reciclagem, mais reuso de recursos naturais, estamos pensando a médio e longo prazo. Estamos pensando em daqui a 5, 10, 20 anos. É pouco, mas precisamos pensar além de hoje, o que a maioria da população e governo não está fazendo.

Neste vídeo, mostra que, com a escassez do petróleo, estamos procurando outras formas de energia, o que é o correto. Mas, qual será o impacto a curto e médio prazo desta opção? Em cima do biodiesel e do etanol estamos vendo o aumento do valor dos produtos agrícolas.

Precisamos nos lembrar que tudo um dia acaba. O petróleo é um deles e hoje é o responsável por mais de 80% de toda a energia deste planeta. O quê faremos quando acabar?

Os cientistas estão nos ofertando alguns tipos de energia, cabe a nós, definirmos alguns tipos e iniciar sua utilização prática. Dificilmente, teremos um percentual tão grande como hoje temos em cima do petróleo como matriz energética, portando teremos vários opções de energia para podermos utilizar.

Projeto mata ciliar FUNVERDE – 16 de agosto de 2008, volta das férias

Depois das férias de julho, voltamos no sábado a replantar a mata cilia do Córrego Maringá.

Durante o mês de julho a prefeitura foi fazendo buracos para quando voltássemos, já pudéssemos plantar.

Claro que com as chuvas do começo do mês tivemos que aprofundar vários buracos, porque encheram de barro, mas … menos mal, o importante é que a prefeitura fez os buracos para plantio.

Como achamos que não viria ninguém, trouxemos pouquíssimas árvores.

Aprofundando os buracos que encheram de terra durante as maravilhosas chuvas que tivemos no início do mês.

As árvores com folhas novas após as chuvas.

Hoje está uma moleza para estaquear, a terra muito fofa por causa do solo úmido.

Acabado o plantio, hora de recolher as ferramentas e catar o lixo, principalmente os sacos em que as árvores vieram embaladas.

Plantando pau brasil.

Estão todos convidados para a semana que vem se juntarem a nós no projeto mata ciliar FUNVERDE.

As incrições para estágio no projeto mata ciliar FUNVERDE estão abertas.

Londrinos partem para a Grécia com carros movidos a óleo de cozinha

Taras Kalapun

BBC Brasil de 16 de agosto de 2008

Dez equipes irão fazer o trajeto de 3 mil quilômetros em duas semanas.

Um grupo de aventureiros parte Londres neste sábado para uma viagem a até a Grécia usando como combustível apenas óleo de cozinha usado em restaurantes e lanchonetes que encontrarem no trajeto.

O projeto Grease to Greece (Gordura para a Grécia, em tradução livre) faz parte de outro maior, o FatFinding (ou Caçadores de Gordura) e conta com 10 grupos de motoristas.

As equipes sairão do centro de Londres e seguirão até a Atenas em um percurso de 3 mil quilômetros a ser realizado durante duas semanas.

O idealizador do projeto, Andy Pag, já viajou de Londres a Timbuktu em um automóvel movido a base de chocolate e afirma que o objetivo é identificar se o uso de óleo vegetal reciclado é viável para ser utilizado como combustível em longa distância.

“A intenção é verificar se o uso do óleo é possível e praticável em viagens longas e rir um pouco no caminho”, afirmou Pag.

A chegada em Atenas está prevista para o dia 27 de agosto. O time que chegar primeiro a capital irá receber um troféu das mãos do embaixador britânico na Grécia.

Combustível

Pag explica que as equipes poderão, em emergências, recorrer ao biocombustível e comprar óleo de cozinha em supermercados, caso seja necessário. No entanto, o principal combustível da viagem deverá ser óleo reciclado de restaurantes e lanchonetes encontrados no trajeto.

Segundo Pag, o principal desafio será convencer os donos dos estabelecimentos a doarem a gordura usada, já que em alguns países, há um controle duro com relação aos resíduos comerciais.

“Será difícil explicar para um dono de uma lanchonete na Croácia que queremos a gordura do estabelecimento dele”, brinca um dos organizadores.

“Estamos nas mãos dos donos de lanchonetes na Europa”, disse.

De acordo com Pag, não é necessário converter os motores a diesel para usar biocombustíveis. Segundo ele, a maioria dos motores comportam a mistura de óleo vegetal com combustível comum.

“As equipes não precisam converter seus motores, mas se fizerem, será mais fácil evitar o uso de combustíveis fósseis completamente durante a viagem”, concluiu Pag.

Enquanto isso, no país da novela, do samba, do futebol e do Lula, todo mundo continua jogando óleo de cozinha usado na pia, contaminando milhões de litros de água por dia.