skip to Main Content

China declara guerra à poluição

As armas, a Lei e a estrutura do Estado Chinês para combater a poluição

Rio Citarum, na China - Situação crítica

O Comitê Permanente da Assembleia Nacional Popular da China, após dois anos de debates, aprovou emenda constitucional alterando a legislação de meio ambiente e instituindo um sistema integrado de sanções.

O novo marco autoriza aplicação de medidas coercitivas pela Agência Ambiental Chinesa, como embargos e interdições. Permite também que autoridades de controle ambiental nas províncias adotem medidas de cunho administrativo no combate às infrações ambientais.

A emenda também institui regras de responsabilização civil e criminal a serem aplicadas pelo judiciário chinês.

Resposta às exigências do mercado e ao clamor das ruas

A emenda constitucional integra o esforço nacional no combate à poluição. Esse esforço nacional é uma resposta do Estado Chinês a duas fortes demandas:

1- A necessidade de adaptação da indústria chinesa às regras e padrões ocidentais, como incremento à competitividade dos seus produtos na economia global, especialmente quando os EUA e o Bloco Europeu voltam a ganhar espaço no mercado;

2- A urgência em atender aos reclamos por melhoria nas condições ambientais das cidades chinesas, reclamos esses que deram causa a protestos de toda ordem – algo inédito no fechado sistema político chinês.

A demanda do mercado por melhorias ambientais

A preocupação em ultrapassar barreiras não tarifárias consistentes em critérios de sustentabilidade, bem como a necessidade de atender a um público consumidor cada vez mais consciente em relação ao assunto, estimularam o governo chinês a sujeitar sua economia a novos padrões de qualidade ambiental. Não por outro motivo, a alteração constitucional agora noticiada foi precedida da criação do Ministério do Meio Ambiente da China, no início do ano de 2014 – reflexo da importância que o tema alcançou na economia e na política, em âmbito nacional e internacional.

Solo contaminado em Xiangfan

A mobilização segue mudança de atitude das próprias empresas chinesas. Com efeito, a China tem sido uma campeã de certificações pela norma ISO 14000. O país experimenta hoje uma implantação em larga escala de sistemas de gestão de qualidade ambiental nas suas unidades fabris.

A demanda por quadros profissionais dedicados à gestão ambiental e por equipamentos, está gerando toda uma nova economia voltada para os sistema de controle de emissões, destinação de resíduos, consultoria, etc.

A questão urgente de saúde pública

A mudança legal, no entanto, também é uma resposta do governo às crescentes manifestações populares contra a poluição, que vêm ocorrendo nas principais cidades industriais da China.

Moradores de cidades como Pequim, Xangai e Cantão, são confrontados periodicamente com níveis perigosos de “smog” – neblina misturada à poluição atmosférica. Os riscos à saúde dos milhões de habitantes são crescentes.

Os episódios críticos de poluição acarretaram ondas de protesto nas principais capitais chinesas. Junto com as manifestações, luzes foram jogadas no sombrio quadro estatístico governamental.

A poluente indústria chinesa

De fato, estudos recentes estimam que cerca de dois terços do solo chinês estariam contaminados. Análises efetuadas pelos organismos de proteção do sistema hídrico, por sua vez, apontam que 60% da água subterrânea está contaminada e tornou-se imprópria para consumo.

Um relatório oficial afirmou que 16% do solo chinês está contaminado por produtos químicos altamente tóxicos, como arsênico e mercúrio. No último mês de junho (de 2014), níveis perigosos de benzeno e outros cancerígenos voláteis foram detectados em várias cidades situadas ao noroeste de Lanzhou – Capital da província de Gansu, conhecida por sua petroquímica. Este fato provocou desabastecimento de água e uma corrida aos mercados em busca de água engarrafada.

Milhares de pessoas foram às ruas na cidade de Kunming, no mês de maio de 2014 passado, para protestar contra a produção anunciada de um produto químico tóxico, em uma refinaria.

Protestos fazem parte da fisiologia de nossa era de conflitos por interesses difusos. No entanto, não se enquadram na obsessão por “paz social” contida na filosofia do Estado na China…

O duro preço do progresso chinês

Três décadas de expansão rápida e desenfreada resultaram em um alto preço ambiental para o país.

Líderes comunistas têm se preocupado com o número crescente de protestos relacionados com o tema.

A China experimentou um crescimento econômico sem precedentes após a reforma do Estado, iniciada por Deng Xiaoping, no final dos anos 70.

Polícia chinesa em meio ao smogue - ampla autonomia para investigar

Em função do Produto Interno Bruto – PIB, os chineses admitiram a implantação de todo tipo de indústria poluente em seu território, Na verdade, até pouco tempo atrás, o direito de poluir era garantido pelo governo e a própria poluição parecia ser um bem governamental protegido na China.

No entanto, a introdução internacional gradativa do princípio do poluidor-pagador, obrigou a internalização dos custos ambientais na atividade econômica chinesa e, por conseguinte, ocasionou profunda reforma no direito econômico do país.

O Direito Econômico acompanhou a evolução chinesa após a abertura de 1979, havendo todo um capítulo relacionado à atividade industrial aposto por Emenda à Constituição, em 1993. Por esse sistema, o Estado procura intervir menos e a eficiência é sempre levada em conta. Assim, há, por exemplo, uma preocupação grande com o direito de patentes industriais, assunto cujas decisões da Suprema Corte são vinculantes a todos os juízes do país.

A China sofreu enorme influência externa no desenvolvimento das relações de consumo. Nessa área, visando se adaptar à complexidade dos interesses difusos, o poder popular chinês permitiu ás associações de consumo assumir papel relevante.

As organizações sociais podem receber reclamações da população e possuem capacidade de requerer medidas de ordem judicial e administrativa na proteção do consumidor. Isso conferiu ao cidadão chinês uma capacidade de mobilização e de petição impensáveis algumas gerações atrás.

Esse avanço democrático no campo das relações de consumo, abriu as portas para que o interesse ambiental provocasse a implementação de nova disciplina no campo legal, na esteira do direito do consumidor.

A China aperta a repressão ao dano ambiental

Organizações sociais e advogados ambientalistas, por óbvio, sempre tiveram muita dificuldade em reivindicar direitos contra as principais empresas poluentes. Responsabilizar legalmente os poluidores demonstrou ser difícil em um país onde governos locais costumam se concentrar no crescimento motriz e o capitalismo é de Estado.

Entre 2011 e 2013, menos de 30 mil casos ambientais foram acolhidos por ano, nas cortes chinesas, de uma média anual de 11 milhões de casos. No entanto, essa baixa estatística de forma alguma reflete a explosão de conflitos ambientais, canalizados para a via dos protestos explícitos nas ruas e junto às assembleias das províncias – um potencial político bastante preocupante para as severas autoridades governamentais.

A nova legislação chinesa busca responder justamente à essa nova demanda.

Organizações sociais, de forma similar ou até mais incisiva que suas congêneres de consumo, terão participação na supervisão da atividade estatal de fiscalização e licenciamento ambiental. Essa tendência, inclusive, já se reflete nas províncias chinesas – recentemente, a província de Hebei assumiu papel de liderança ao anunciar legislação que permitirá maior participação popular no processo de formulação das leis ambientais.

Assembleia Popular Nacional – Poder Soberano para ditar normas
Pela nova regra, autoridades poderão deter administrativamente, por até 15 dias, os dirigentes da empresa que não efetuar estudos de impacto ambiental ou não paralisar a atividade poluente, após notificada a fazê-lo.

Autoridades locais também poderão sofrer sanções, serem rebaixadas ou demitidas, se consideradas culpadas de má conduta ou de encobrir delitos relacionados a danos ambientais.

Uma nova interpretação judicial da Suprema Corte, entrou em vigor no final de junho de 2014, antecipando, de certa forma, os efeitos das mudanças legais. Ela recorre à lei de combate à corrupção e impõe “punições mais severas” a quem permitir execução “frouxa e superficial” de leis de proteção ambiental no país, informou a agência oficial de notícias Xinhua. “Nos casos mais graves, a pena de morte poderia ser proferida”, informou a agência.

“Com critérios mais precisos para formar convicções e fundamentar a sentença, a decisão da Suprema Corte fornece uma arma poderosa para a aplicação da lei, o que é esperado para facilitar o trabalho dos juízes e apertar as punições para os poluidores”, disse o comunicado do governo.

“Toda a força deve ser mobilizada para descobrir pistas de quebra da lei de poluição ambiental de uma forma oportuna”, acrescentou a agência de notícias.

As sanções por crime ambiental, de fato, incluem prisão e até pena de morte, nos casos de maior gravidade.

A nova disposição legal, constando penas mais severas, no entanto, só entrará em vigor no primeiro dia do ano de 2015. O prazo é necessário para permitir adaptação da economia à nova estrutura repressiva.

Um novo direito ambiental chinês

Direito Ambiental é matéria de certa forma nova no direito chinês. Somente a partir de 1979, com a abertura econômica, surgiram marcos legais dedicados à questão.

Em 1989, foi baixado o marco especial de proteção ambiental na china, seguido de leis especiais de controle da poluição atmosférica e das águas. Esse marco foi o alvo da modificação ocorrida agora, pois sua implementação era praticamente inexistente – a opção estratégica governamental pelo crescimento, suplantava qualquer outro custo.

Olimpíadas de Pequim, na passagem do século XXI, porém, forçaram o Estado chinês a aprimorar sua legislação de controle – exigência aposta no acordo internacional com o COI (Comitê Olímpico Internacional).

A estrutura de controle ambiental, no entanto, continuou descentralizada, afeta aos governos provinciais. Isso ainda ocorre, pois o novo Ministério do Meio Ambiente ainda é órgão de menor importância na constelação ministerial do governo central.

A pressão para impulsionar uma agenda verde diante do crescente descontentamento com o aumento da poluição, contudo, deverá modificar a estrutura administrativa nos próximos meses, para permitir a implementação dos novos parâmetros legais aprovados.

O judiciário chinês se prepara para o desafio

O primeiro-ministro Li Keqiang anunciou que Pequim estava “declarando guerra” à poluição.

Para tanto, são necessários instrumentos judiciais de implementação das novas regras.

Assim, anunciado o novo marco legal, juristas chineses alertaram para várias questões que necessitariam de revisão jurisprudencial e doutrinária. Lacunas poderiam por alguns conflitos fora do alcance da tutela do Estado.

Pena de morte - China reduziu o número de hipóteses,
 mas ainda aplica em larga escala

Surgiu a necessidade de adaptação do judiciário ao novo quadro legal. A Suprema Corte do Povo resolveu, então, instituir câmaras e juizados especiais para tratar dos conflitos ambientais.

Assim, para a proteção do direito ao meio ambiente sadio, um tribunal especial foi instituído pela Suprema Corte. Esse tribunal terá equivalentes locais, que receberão casos relativos à poluição do ar, da água e do solo, bem como à proteção de recursos minerais e naturais, como florestas e rios – segundo consta no comunicado assinado por Sun Jungong, porta-voz da Suprema Corte do Povo.

Seu estabelecimento, segundo Jungong, “terá um impacto positivo e profundo na proteção dos direitos e interesses ambientais do povo, evitando a deterioração futura do ambiente e melhorando a imagem internacional da China relativa à proteção ambiental”.

O Judiciário da China, no entanto, não é um Poder de Estado. É órgão subordinado ao grande poder legislativo.

O judiciário julga conflitos entre as partes, não interfere nos assuntos de Estado. Não pode, por exemplo, declarar inconstitucionalidade de lei.

Os direitos humanos, bem como princípios internacionais não contemplados expressamente na legislação interna chinesa, não podem ser invocados em juízo.

Qualquer reclamação que envolva interesses difusos não expressos em lei, ou conflitos normativos ocorrentes da aplicação da norma por organismo estatal, deve ser dirigida aos comitês do Poder Legislativo.

Aliás, quem manda é o Poder Legislativo da China. São 2 mil deputados oriundos de todas as províncias, que se reúnem uma ou duas vezes por ano. A atividade ordinária do legislativo é, na verdade, executada pelo comitê executivo da Assembleia, formado por 200 deputados divididos em vários outros comitês, criados para temas específicos. Essa estrutura de poder popular é repetida nas províncias, que possuem sua própria Assembleia Popular e respectivo Comitê.

Um judiciário gigantescamente enxuto…

A Justiça da China é única, sua estrutura tem alcance nacional. Não existem “tribunais especializados”, apenas Varas ou Câmaras especializadas – assim, deve-se entender a criação de tribunal especializado na área ambiental, por câmara na Suprema Corte, câmaras nos tribunais provinciais e varas especializadas no julgamento dessas questões.

Os juízes são selecionados em quadro de carreira administrativa, acessada por concurso nacional. Começam suas atividades como funcionários, são promovidos a auxiliares do juiz e depois nomeados juízes. Ministério Público e Polícia seguem parâmetros similares e possuem relativa autonomia entre si. A polícia pode investigar e inclusive instituir escutas e determinar buscas sem necessitar de ordem judicial ou autorização do promotor.

Como não há foro privilegiado na China. Funcionários graduados, primeiro PERDEM o posto e são demitidos, por decisão do Comitê legislativo, só depois são submetidos a julgamento.

Os julgamentos costumam ser rápidos – reformas ocorridas nos últimos vinte anos instituíram garantias de contraditório e oportunidade de defesa.

Há apenas duas instâncias, o juízo da causa e o tribunal recursal. Excepcionalmente, como nos casos de pena de morte, admite-se seguimento de recurso para decisão da Suprema Corte.

A maioridade penal dá-se com 16 anos de idade. Há condenação à prisão perpétua. Condenados, em qualquer caso, são obrigados a trabalhar.

A pena de morte, que antes das reformas nos anos 80, abrangia 68 tipos penais, atualmente é aplicada a casos de latrocínio, homicídio com qualificadoras, tráfico de entorpecentes, fraude em financiamentos com prejuízo ao público, corrupção, prevaricação e fraude, traição e espionagem, terrorismo e sequestro com morte. Deverá, agora, abranger poluição com danos à saúde pública, envenenamento do ar ou da água.

Esses dados são importantes por conta das alterações anunciadas na legislação de controle da poluição, cujas penas de caráter administrativo, civil e penal, poderão produzir certo grau de injustiças irreparáveis.

Grupos de direitos humanos informam que a China ainda executa milhares de pessoas por ano, mais do que todos os outros países do planeta juntos. A pena de morte é muitas vezes imposta didaticamente por corrupção e crimes econômicos.

Por outro, e pelo fato da estrutura ser gigantescamente enxuta (se é que se pode usar termos contraditórios para classificar o sistema chinês) o impacto da legislação imporá efeito didático suficiente para coagir o sistema industrial chinês a buscar a regularização ambiental a médio prazo.

É ver para conferir.

Fonte – Antonio Fernando Pinheiro Pedro, advogado (USP) , sócio-diretor do escritório Pinheiro Pedro Advogados. Consultor ambiental, com consultorias prestadas ao Banco Mundial, IFC, PNUD, UNICRI, Caixa Econômica Federal, Ministério de Minas e Energia, Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, DNIT, Governos Estaduais e municípios. É integrante do Green Economy Task Force da Câmara de Comércio Internacional, membro do Grupo Técnico de Sustentabilidade e Gestão de Resíduos Sólidos da CNC e membro das Comissões de Direito Ambiental do IAB e de Infraestrutura da OAB/SP. Jornalista, é Editor-Chefe do Portal Ambiente Legal, Editor da Revista Eletrônica DAZIBAO e editor do Blog The Eagle View.

O Pinheiro deu uma aula maravilhosa com com esta matéria, com dados impressionantes e assustadores.

Com uma população atual de 1.36 bilhões de almas, segundo o site CountryMeters, o governo não está muito preocupado com o povo, porque sempre dá para reproduzir mais povo, que é usado como trabalho escravo pelo governo.

Mesmo os dados afirmando que de dois terços do solo chinês estariam contaminados, 60% da água subterrânea está contaminada e tornou-se imprópria para consumo, 16% do solo chinês está contaminado por produtos químicos altamente tóxicos, como arsênico e mercúrio. A indústria petroquímica a água polui com benzeno e outros cancerígenos voláteis, os campos de melancia explodem por excesso de produtos químicos para acelerar o crescimento das frutas.

A polinização das maçãs, peras, pêssegos… tem que ser feitas por humanos porque a poluição matou todos os polinizadores. Nada disso importa, pois eles querem produzir, não importa a que preço, mesmo que o preço seja a perda de vidas de seus cidadãos ou dos clientes dos países para o qual vendem o que produzem, seja produção agrícola ou da indústrial.

Mas esperem, vocês notaram na matéria que nós consumidores – consumidores e não consumistas, percebam a diferença -, nós clientes que não aceitamos comprar produtos da China porque eles estão poluindo seu país e o mundo, porque estão fabricando produtos contaminados, plantando comida contaminada, graças a nós é que eles criaram o ministério do meio ambiente agora, neste ano, no Século XXI?

Sim, nós produzimos a mudança mudando o que compramos ou o que boicotamos.

Não compre transgênico, prefira orgânicos, não compre da China porque eles usam mão de obra escrava, porque eles estão destruindo seu ar, solo e água, e principalmente, não compre comida da China, jamais. E aproveitando, não compre nas grandes redes, porque o dinheiro fica concentrado nas 25 corporações que controlam o planeta. Compre local, de quem você conhece, que gera emprego para quem mora na região, assim você está dando poder ao cidadão e não às corporações. O dinheiro fica na sua região, e não enriquecendo quem não precisa e não deve ter mais poder.

Não tenha preguiça, não tenha medo. Mude seus hábitos e mude o destino do planeta.

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top