skip to Main Content
Microplásticos Influenciam No Crescimento Das Plantas, Indica Novo Estudo

Microplásticos influenciam no crescimento das plantas, indica novo estudo

A poluição provocada pelo plástico continua a aparecer um pouco por todo o planeta. Da queda de neve no Ártico ao gelo marinho na Antártida, o microplástico – pequenos fragmentos de plástico – tem criado focos de poluição de norte a sul no globo terrestre.

O facto de pequenos fragmentos também existirem no solo não é surpreendente, contudo ainda não tinha sido estudado o impacto na vida das plantas.

O estudo, agora realizado por uma equipa internacional de investigadores da Universidade de Massachusetts Amherst, Estados Unidos e da Universidade Shandong, na China, investigou como a poluição plástica poderá estar a infiltrar-se no solo e na vida vegetal da Terra, com um foco particular nas culturas agrícolas.

Enquanto um saco de plástico ou uma garrafa de refrigerante pode chegar ao oceano ou ao meio ambiente como um pedaço de lixo, o clima e outras forças corrosivas podem rapidamente decompor este plástico em fragmentos menores e difíceis de rastrear.

Esses microplásticos que medem menos de 5 mm são um grande foco para os investigadores de plásticos oceânicos, mas os autores deste novo estudo voltaram a sua atenção para fragmentos ainda menores, medindo menos de 100 nanometros, descritos como nanoplásticos.

Juntamente com as mudanças no tamanho físico destas peças plásticas, o processo de degradação também pode alterar as suas propriedades químicas.

“Foi por isso que sintetizamos nanoplásticos de poliestireno com cargas superficiais positivas ou negativas para uso nas nossas experiências”, disse Baoshan Xing, da Universidade de Massachusetts Amherst.

Com essas amostras nanoplásticas em mãos, a equipa efetuou testes numa Arabidopsis thaliana, uma pequena planta com flores. Para o estudo estas plantas cresceram no solo com uma variedade de nanopartículas com diferentes tipos de cargas superficiais.

Os cientistas observaram como as diferentes condições afetavam o seu peso, altura, crescimento radicular, conteúdo de clorofila e saúde geral durante um período de sete semanas.

“Os nanoplásticos reduziram a biomassa total das plantas-modelo”, indicou Xing. “As flores eram menores e as raízes eram muito mais curtas. Se reduzir a biomassa, não é bom para a planta, o rendimento é baixo e o valor nutricional das culturas pode ser comprometido. Descobrimos que as partículas carregadas positivamente não foram tão absorvidas, mas são mais prejudiciais à planta. Não sabemos exatamente o porquê, mas é provável que os nanoplásticos com carga positiva interajam mais com a água, nutrientes e raízes e tenham desencadeado diferentes conjuntos de expressões génicas. Isto precisa ser mais explorado em plantas cultivadas no meio ambiente. Até o efectuarmos, não saberemos como isto pode afetar o rendimento da safra e a segurança da safra de alimentos”.

Numa outra experiência, a equipa submeteu as mudas a um ambiente rico em microplásticos como forma de estudar os efeitos na sensibilidade das raízes e descobriu que, após 10 dias, o crescimento das mudas era novamente atrofiado em comparação com um grupo de controle.

“As nossas experiências indicaram evidências de captação e acúmulo de nanoplásticos em plantas de laboratório no nível tecidual e molecular, usando abordagens microscópicas, moleculares e genéticas.”

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top