skip to Main Content

Emirados Árabes Unidos planejam eliminar plásticos

Até o ano de 2013, os Emirados Árabes Unidos ficarão livres de sacos e outros produtos plásticos não-biodegradáveis, segundo afirmou Obaid Al Matroushi, Diretor-Geral do Ministério da Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos.

Falando a Radio Ajman 4, por ocasião do Dia Nacional do Meio Ambiente, Al Matroushi, disse que o ministério empreenderá um esforço de sensibilização, em todo o país, durante um mês, sobre os perigos do plástico não-biodegradável, entre estudantes, agricultores, pescadores, e público em geral.

Ele declarou, ainda, que o ministério elaborou um guia com as normas sobre os plásticos não biodegradáveis e seus efeitos nocivos sobre o ambiente. Os itens abrangidos por tais normas são relativos, essencialmente, mas sem limitação, a sacolas de compras flexíveis; embalagens plásticas semi-rígidas, para alimentos e revistas; produtos de consumo duráveis; sacos de lixo para uso doméstico; manta termocontrátil; invólucros de paletes; filme plástico auto-aderente etc., entre outros artigos normalmente usados for períodos curtos e posteriormente descartados.

Al Matroushi disse que, segundo um relatório recente, um em cada dois camelos morrem por ingestão de lixo plástico despejado no Deserto dos EAU.

Ajman será o primeiro emirado a proibir sacos plásticos, em de 1 de julho de 2010.

Falando ao Khaleej Times, Khalid Al Hosani, Diretor do Departamento de Saúde e Meio Ambiente do Município Ajman, declarou que todos os importadores de sacos plásticos foram convidados a contatar o governo do município a fim de serem recadastrados e fornecer dados de suas empresas, os quais serão incluídos nos registros. Agora, eles deverão obter aprovação por escrito antes de importar qualquer tipo de sacola plástica.

“O município permitirá somente sacos plásticos oxibiodegradáveis, os quais estejam em conformidade com as normas do ministério”, Hosani acrescentou.

Existem 48 fabricantes de plástico nos Emirados Árabes Unidos, os quais foram informados sobre a decisão e receberam o guia com as normas dos EAU.

Sacos oxibiodegradáveis, que se decompõem em menos de um ano, em materiais não nocivos, já estariam sendo utilizados por hipermercados como o Lulu e o Carrefour, em substituição aos sacos não-biodegradáveis.

Já que perguntar não ofende, lá vai: por que será que lá o Carrefour usa sacolas oxi-biodegradáveis e aqui se recusa a usar, mesmo em cidades e estados onde existe obrigatoriedade? Será que um camelo tem mais valor do que uma vaca?

Um membro da direção do MEW declarou que as especificações para os aditivos a serem utilizados na nova composição do plástico serão estabelecidas até o final do ano.

“Fabricantes de plástico devem estar em conformidade com as especificações, e em consonância com o esforço nacional do ministério para a proteção do meio ambiente, com a proibição definitiva dos plásticos não-biodegradáveis até 2013. ”

Em Sharjah, um oficial sênior do Departamento de Desenvolvimento Econômico disse que as normas referentes aos plásticos biodegradáveis, começarão a ser implementadas a partir de 1o de Janeiro deste ano.

Fonte – UAE Interact de 07 de fevereiro de 2010

Foto – steve phillips

Enquanto isso, no país da máfia do plástico, o MMA o ministro Minc fica brincando de casinha com acampanha do saco é um saco, ao invés de assumir a responsabilidade do seu cargo para banir os plásticos eternos do país.

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top