skip to Main Content

Os oceanos estão cheios de gigantescas plataformas de petróleo abandonadas

Por Alberto Sanchis – 1 de junho de 2023 – Mais de 12.000 plataformas de petróleo e gás são erguidas nos mares de todo o mundo – Imagens: Unsplash | Pexels

Mas, à medida que os recursos fósseis se esgotam, começam a produzir menos e tornam-se menos rentáveis ​​para os seus operadores, as empresas acabam por abandoná-las no mar.

Com a aproximação das alterações climáticas e uma mudança energética nos países, cada vez mais estas plataformas estão a tornar-se obsoletas.

E a grande questão é o que fazer com eles.

O problema é que removê-los da água é uma tarefa árdua e cara.

Mas abandoná-los à sua sorte e permitir que se deteriorem também representa um problema ambiental.

Repensar seus usos tornou-se uma missão prioritária.

Um mar cheio de “sucata” de metal

Só no Mar do Norte tem 615 destas plataformas e 23 mil pequenas infra-estruturas que orbitam em torno delas, além de 43 mil quilómetros de oleodutos e gasodutos e cerca de 27 mil poços de petróleo ou gás.

Segundo dados da equipe internacional de pesquisa Follow The Money, 85% dos poços estão abandonados.

Exemplos como o da Dinamarca, que anunciou há dois anos que iria parar de extrair petróleo dos seus campos até 2050, dão-nos pistas de que estas infra-estruturas obsoletas irão aumentar.

Nem sabemos quanto

Na verdade, segundo a referida investigação, um terço dos oleodutos e cerca de 10% das plataformas também deixaram de funcionar.

E poderia ser ainda mais, já que muitos gasodutos que foram registrados como desativados estão, na verdade, fora de serviço.

Há que ter em conta que até há 20 anos não existia obrigação de registo de cabos e tubagens instalados no fundo do mar.

Portanto, ninguém sabe quanta sucata existe submersa ou flutuando.

Tudo isto nos leva à convenção OSPAR

Para evitar esta poluição marinha e proteger a zona Nordeste do Atlântico dos efeitos nocivos da atividade humana, muitos países europeus, incluindo a Espanha, assinaram um tratado com um ponto muito importante neste sentido: a obrigação de que quando deixarem de usar um plataforma, ela é retirada, o poço tampado e as tubulações enterradas ou retiradas.

O problema é que quase ninguém cumpre.

Porque?

Porque custa muito.

É muito caro

Estas instalações offshore são na verdade gigantescas infraestruturas de aço que podem pesar até 30 mil toneladas (o equivalente a 20 mil carros), como é o caso do britânico Magnus.

A remoção de tais monstros é realizada em duas etapas: primeiro a parte superior é limpa e dividida para ser içada em barcaças guindaste ou navios-tanque.

E então a tampa é cortada e levada em outro navio para desembarcar para desmontagem e reciclagem.

Finalmente, os poços de petróleo e gás são cobertos para evitar vazamentos no mar.

E fazer tudo isso custa muito dinheiro.

A Comissão Europeia calculou que a limpeza do Mar do Norte de plataformas abandonadas custará pelo menos 30 bilhões de euros entre 2020 e 2030.

Segundo este artigo da Motorpasión, apenas o aluguer e utilização dos maiores navios guindaste do continente para recuperar o que que fica no fundo do mar custa dois milhões de euros por dia por navio.

Use-os para energia renovável

Mas o dinheiro não é a única razão pela qual persistem no mar mesmo quando estão fora de uso.

Existem razões estratégicas e financeiras.

Há que ter em conta que estas plataformas também podem ser fundamentais na transição energética.

Muitas empresas estão atrasando o descomissionamento porque podem reutilizá-los para gerar CO₂.

De acordo com a Autoridade de Transição do Mar do Norte (NSTA), a reutilização de 50 gasodutos para armazenamento de CO₂ poderia poupar-nos 8 mil milhões de euros.

Além disso, ter instalações desta dimensão no mar permitiria às empresas petrolíferas manobrar para novos modelos de negócio noutras formas de energia, seja através da instalação de centrais eólicas offshore ou do armazenamento de hidrogénio verde.

Ou para criar recifes artificiais

Há mais defensores da ideia de que deixar plataformas abandonadas no mar é positivo para o ambiente.

Há uma razão pela qual estas instalações antigas podem ser úteis: elas fornecem o esqueleto ideal para recifes de coral.

Para algumas espécies, estas plataformas marinhas são berçários ainda melhores do que os recifes naturais, uma vez que os seus pilares imponentes são o local perfeito para a desova de pequenas larvas de peixes.

Como?
Após vários anos de desuso, eles criam uma superfície que fornece milhares de cantos e recantos para organismos como caranguejos, minhocas, ouriços-do-mar e blennies usarem.
Esses animais fornecem então alimento para peixes maiores e a estrutura se torna um verdadeiro ecossistema.

Então?

Embora empresas como a SpaceX tenham dado a eles usos mais bizarros, como convertê-los em bases para lançamento de foguetes, ou outras tenham dado origem a micronações independentes, o panorama torna-se complexo no aspecto jurídico.

Por um lado, OSPAR afirma que devemos eliminá-los sem ter em conta os danos à vida marinha, enquanto as regulamentações de países como o Reino Unido se concentram precisamente na prevenção de atividades que possam prejudicar as espécies marinhas protegidas.

Na verdade, contrariamente à legislação europeia, o Scottish Wildlife Trust também propõe que a remoção da arquitectura pode não ser a melhor opção ambiental.

Tal como no Golfo do México, as estruturas ao largo da costa da Escócia proporcionam superfícies que são colonizadas por espécies marinhas e tornaram-se criadouros de peixes comercialmente importantes.

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top