skip to Main Content

Paraná incentiva uso de embalagens 100% ecológicas

Paranashop de 07 de dezembro de 2008

O Estado do Paraná quer reduzir em 30% o volume diário de resíduos depositados nos aterros sanitários – cerca de 20 mil toneladas. A ação faz parte do Programa Desperdício Zero, promovido pela Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, com apoio do Ministério Público Estadual.

A iniciativa identificou os materiais que mais se acumulam nos aterros: sacolas plásticas, embalagens longa vida, pilhas, baterias, papel, materiais de construção civil, pneus, lâmpadas fluorescentes, metais, lixo orgânico, vidros e óleo lubrificante. Com base nessa lista, os fabricantes e distribuidores dos principais tipos de resíduos estão sendo convocados a assumir a responsabilidade sobre a destinação final desses produtos.

Em relação às embalagens plásticas, o governo estadual e o Ministério Público local contataram inicialmente a Associação Paranaense de Supermercados (Apras) para conhecer o destino das 80 milhões de sacolas usadas mensalmente – o equivalente a 53 toneladas de plástico depositadas em aterros. Como a entidade não tinha a informação, a solicitação foi feita, na seqüência, às próprias redes de supermercados.

Correção, os supermercados do Paraná distribuem 1 bilhão e 200 milhões de sacolas por mês.

A partir disso, diversos supermercados passaram a substituir as embalagens tradicionais por materiais 100% ecológicos. A adesão tem sido maior por parte das cadeias supermercadistas locais. A resistência maior ocorre nas redes nacionais – algumas, inclusive, não forneceram a quantidade de sacolas usadas nem apresentaram as medidas alternativas para a questão do descarte desses itens no meio ambiente. Devido a isso, os estabelecimentos foram multados (R$ 70 mil por dia) pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

Só 3 grandes redes – walmart, pão de açúcar e carrefour – estão agindo de forma mafiosa, formando um cartel desobedecendo o governo do Paraná e estão pagando por isso, com multas acumuladas que passam dos 10 milhões. Isso é que é ser bandido, se recusam a usar embalagens ambientalmente corretas. Você pode dar o troco, não compre nestas redes que não tem compromisso para com a humanidade.

Estimativas do programa Desperdício Zero apontam que de cada 100 sacolas plásticas, apenas 15 retornam para reciclagem. Uma das alternativas para substituir as embalagens tradicionais é a adoção do material biodegradável, que consiste no acréscimo de um aditivo (d2w) em sua fabricação. Ele tem as mesmas propriedades do produto convencional, inclusive em relação à resistência, transparência, permeabilidade e impressão. O principal diferencial é quanto ao processo de decomposição – enquanto o plástico comum dura até 200 anos, a sacola com d2w leva, no máximo, 18 meses para se degradar.

Eles estão exagerando, nós temos dados informando que de 100 sacolas plásticas, apenas 5 retornam para a reciclagem, em uma estimativa otimista.

O plástico oxi-biodegradável custa no máximo 5% a mais do que o plástico convencional e o benefício que proporciona ao planeta é imenso, quem não usa é porque é bandido mafioso que está conspirando para o fim do planeta.

This Post Has One Comment
  1. […] processo de decomposição – enquanto o plástico comum dura até 200 … Veja o post completo clicando aqui. Post indexado de: […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top