skip to Main Content

Plastivida apronta mais uma e desafia o Carrefour

Plastivida desafia o Carrefour a distribuir sacolas plásticas mais resistentes

Recentemente, a rede de supermercados Carrefour anunciou uma série de medidas para, em quatro anos, banir definitivamente em suas lojas o uso de sacolas plásticas.

A Plastivida Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos desafia que, entre tais medidas, o Carrefour distribua sacolas plásticas dentro da Norma Técnica ABNT NBR 14.937, para garantir que sejam mais resistentes, suportem o peso das compras na totalidade de sua capacidade e, assim, não tenham que ser usadas em duplicidade para que não rasguem.

A Plastivida lembra que é um direito do consumidor exigir sacolas plásticas fabricadas com a qualidade determinada pela Norma Técnica. É também uma recomendação do Ministério do Meio Ambiente (MMA), divulgada no site do Ministério, que o consumidor exija sacolas certificadas.

Elas garantem a integridade das mercadorias que embalam; após carregarem as compras, podem – e são– reutilizadas em inúmeras funções (como embalar o lixo doméstico, levar utensílios para a praia, acondicionar o guarda-chuva molhado dentro da bolsa, guardar alimentos, etc); e evitando assim o desperdício, já que o consumidor pode usar cada uma delas em sua total capacidade, sem ter que colocar uma dentro da outra, o que reduz a quantidade utilizada e descartada.

Econômicas, resistentes, práticas, higiênicas e inertes, sacolas plásticas são reutilizáveis e 100% recicláveis. Tanto que, segundo pesquisa do Ibope, 100% delas são reutilizadas como saco de lixo e são as embalagens preferidas de 71% das donas de casa para transportarem suas compras. A questão nos dias de hoje é reduzir o impacto ambiental causado por aqueles que descartam incorretamente as sacolinhas.

A sacola produzida dentro da Norma Técnica ABNT NBR-14.937 traz o peso que elas podem suportar (6,0 kg) e, com isso, o consumidor consegue racionalizar o uso dessas embalagens. Com um consumo responsável, não é necessário penalizar a população, com alternativas como, por exemplo, a de cobrar por sacolas retornáveis.

A Plastivida acredita que a solução mais equilibrada está no investimento na informação e conscientização. Com pouco mais de dois anos, o Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas criado pela cadeia produtiva do setor, já conta com a participação de três dos seis maiores grupos varejistas do Brasil, de inúmeras outras redes, além do apoio da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e de suas congêneres estaduais.

Voltado para a conscientização da população sobre uso responsável e descarte adequado de sacolas plásticas, o Programa já reduziu 40%do consumo das sacolinhas na maior rede de supermercados do País.

Dessa forma, a Plastivida chama o Carrefour para assumir esse compromisso com a população e com a sustentabilidade.

Fonte – Consumidor Moderno de 01 de abril de 2010

Foto – parri67….I tell

No dia da mentira, 1º de Abril, a plastivida não poderia deixar passar em branco sua data mais querida. Dispara uma série de mentiras, usa o Pão de Açúcar para avalizar as inverdades e ainda por cima se acha no direito de desafiar o Carrefour a aderir ao mentiroso e cartelizado programa de qualidade das sacolinhas.

Mentira número 1 – 100% delas são reutilizadas como saco de lixo.

Se isso fosse verdade, não existiram sacolinhas plásticas largadas no meio ambiente, nem seriam usadas nas diversas formas como querem mostrar os mitômanos da plastivida e a FUNVERDE não teria iniciado, em 2004, a cruzada contra as malditas sacolas plásticas através seu projeto sacolas ecológicas.

Mentira número 2 – dentro da Norma Técnica ABNT NBR-14.937 traz o peso que elas podem suportar (6,0 kg).

Não existe nesta norma qualquer referência a peso a ser suportado pela sacola, tampouco em relação à espessura.

Além disso, e que não é menos grave, tais sacolinhas ditas certificadas, são produzidas somente por meia dúzia de fabricantes, configurando formação de cartel, em prejuízo de milhares de fabricantes de sacolas no Brasil.

Se, de acordo com a plastivida, o Grupo Pão de Açúcar é signatário e aderiu ao uso destas tais sacolas, é conivente com a mentira em relação à norma, com a distorção e manipulação de normas e com a formação de cartel no Brasil, prejudicando a livre concorrência entre as indústrias e uso de outros materiais e tecnologias.

Não conseguimos acreditar que a ABRAS também apóia este tipo de comportamento da mentira, da dissimulação, da falta de caráter do cartel.

A plastivida diz que conta com apoio do Ministério do Meio Ambiente em seu programa mentiroso. Será que o MMA sabe disso? Será que o MMA realmente apóia a mentira e o cartel? Esperamos que o MMA se manifeste.

Ao desafiar o Carrefour a aderir, a plastivida está convidando o Carrefour a ter a mesma postura que o Grupo Pão de Açúcar. Ou seja, enganar a sociedade dizendo que as sacolas obedecem uma norma que não existe em relação a espessura e capacidade de carga e comprar somente de fabricantes que fazem parte deste cartel.

O Carrefour já tomou anunciou decisão de usar sacos plásticos feitos de comida, comida transgênica misturada com mais de 50% de petróleo, que usa mais energia e água em sua fabricação, onde o plantio dos genéticamente modificados e transgênicos da BASF poluem o solo e águas para prover o amido para a fabricação de parte da matéria prima destas sacolas que serão adotadas pelo Carrefour. O Carrefour falta mais uma vez com a verdade ao dizer que tais sacos e sacolas são de origem renovável, quando mais de 50% é petróleo, são várias vezes mais caras que as de plástico, além da mentira maior ao dizer que vão biodegradar em 180 dias, esquecendo de mencionar que isso talvez só aconteça em ambiente de compostagem, o que não existe no Brasil. Ainda que existisse, estas pseduo sacos e sacolas biodegradáveis da Basf emitem Metano em sua degradação, gás 23 vezes mais potente como efeito estufa.

É esse o parceiro do Carrefour, a BASF do plástico transgênico feito a partir de comida, roubando comida e água de bilhões de bocas famintas?

É claro que o Carrefour prometeu acabar com as sacolas em 4 anos. Também pudera, em 4 anos o ministro é outro, o presidente é outro, o presidente do Carrefour será outro e as pessoas já terão esquecido. Por falar em ministro, por sinal não é mais ministro, pois se licenciou para sair candidato a deputado federal depois de inflar sua participação no noticiário fazendo campanha contra sacola – claro, dá audiência.

E cadê os resultados da campanha saco é um saco?

Quem quer banir sacola plástica poluente faz agora, imediatamente. Quem só quer aparecer diz que faz em 4 anos, e ainda engana a sociedade falando que na Espanha já baniu em suas lojas. O que de fato fez na Espanha é vender e assim engordar sua receita. É só ir a qualquer loja do Carrefour na Espanha para comprovar. Se bem que não somos contra cobrar, afinal, deu reultado na Irlanda, que praticamente baniu as sacolas porque as pessoas não querem pagar por elas.

Mentira número 3 – o programa já reduziu 40%do consumo das sacolinhas na maior rede de supermercados do País.

A plastivida está se referindo ao Grupo Pão de Açúcar como signatário do programa mentiroso e cartelizado. Mas o pior é a mentira escondida nestes dados. O Grupo Pão de Açúcar usa no mínimo 150 milhões de sacolas por mês, o que significa que eles distribuem no mínimo 1 bilhão e 800 milhões de sacolas por ano. Se tivesse reduzido 40%, isso significaria uma diminuição de 720 milhões de sacolas por ano e não 80 milhões como a plastivida diz no seu site.

Plastivida, como sempre, manipulando informação para aumentar o lucro de seus patrões.

Plastivida, como sempre, uma vergonha nacional!

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top