skip to Main Content

SUS tem interesse em 71 espécies de plantas medicinais

O Ministério da Saúde divulgou uma lista com 71 plantas de interesse do SUS. Entre as plantas encontram-se a alcachofra, a aroeira da praia e a unha-de-gato, usadas pela sabedoria popular e confirmadas cientificamente, para distúrbios de digestão, inflamação vaginal e dores articulares, respectivamente.

A Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (Renisus) traz uma lista de plantas medicinais com potencial para gerar produtos de interesse ao SUS.

O objetivo do Ministério da Saúde, com a divulgação da lista, é orientar estudos e pesquisas que possam subsidiar a elaboração da relação de fitoterápicos disponíveis para uso da população. Atualmente, o SUS já oferece fitoterápicos derivados de espinheira santa, para gastrites e úlceras, e de guaco, para tosses e gripes.

Fitoterápicos

Fitoterápico, de acordo com a legislação sanitária brasileira, é o medicamento obtido exclusivamente a partir de matérias-primas ativas vegetais. Os fitoterápicos utilizados pelo SUS são aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e, por isso, são considerados seguros e eficazes para a população.

O SUS pretende ampliar a lista de medicamentos fitoterápicos disponíveis na assistência farmacêutica básica em todo o país. O Ministério da Saúde também espera que com o Programa, os Estados possam se sentir estimulados a oferecer o serviço com esse tipo de medicamento – são 12 Estados ao todo que já oferecem.

Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (Renisus)

01 – Achillea millefolium
02 – Allium sativum
03 – Aloe spp * (A. vera ou A. barbadensis)
04 – Alpinia spp * (A. zerumbet ou A. speciosa)
05 – Anacardium occidentale
06 – Ananas comosus
07 – Apuleia ferrea = Caesalpinia ferrea
08 – Arrabidaea chica
09 – Artemisia absinthium
10 – Baccharis trimera
11 – Bauhinia spp * (B. affinis, B. forficata ou B. variegata)
12 – Bidens pilosa
13 – Calendula officinalis
14 – Carapa guianensis
15 – Casearia sylvestris
16 – Chamomilla recutita = Matricaria chamomilla = Matricaria recutita
17 – Chenopodium ambrosioides
18 – Copaifera spp
19 – Cordia spp * (C. curassavica ou C. verbenacea)
20 – Costus spp * (C. scaber ou C. spicatus)
21 – Croton spp (C. cajucara ou C. zehntneri)
22 – Curcuma longa
23 – Cynara scolymus
24 – Dalbergia subcymosa
25 – Eleutherine plicata
26 – Equisetum arvense
27 – Erythrina mulungu
28 – Eucalyptus globulus
29 – Eugenia uniflora ou Myrtus brasiliana *
30 – Foeniculum vulgare
31 – Glycine max
32 – Harpagophytum procumbens
33 – Jatropha gossypiifolia
34 – Justicia pectoralis
35 – Kalanchoe pinnata = Bryophyllum calycinum *
36 – Lamium album
37 – Lippia sidoides
38 – Malva sylvestris
39 – Maytenus spp * (M. aquifolium ou M. ilicifolia)
40 – Mentha pulegium
41 – Mentha spp * (M. crispa, M. piperita ou M. villosa)
42 – Mikania spp * (M. glomerata ou M. laevigata)
43 – Momordica charantia *
44 – Morus sp *
45 – Ocimum gratissimum
46 – Orbignya speciosa
47 – Passiflora spp * (P. alata, P. edulis ou P. incarnata)
48 – Persea spp* (P. gratissima ou P. americana)
49 – Petroselinum sativum
50 – Phyllanthus spp * (P. amarus, P.niruri, P. tenellus e P. urinaria)
51 – Plantago major
52 – Plectranthus barbatus = Coleus barbatus
53 – Polygonum spp * (P. acre ou P. hydropiperoides)
54 – Portulaca pilosa *
55 – Psidium guajava *
56 – Punica granatum
57 – Rhamnus purshiana
58 – Ruta graveolens
59 – Salix alba
60 – Schinus terebinthifolius = Schinus aroeira
61 – Solanum paniculatum
62 – Solidago microglossa
63 – Stryphnodendron adstringens = Stryphnodendron barbatimam
64 – Syzygium spp * (S. jambolanum ou S. cumini)
65 – Tabebuia avellanedeae
66 – Tagetes minuta
67 – Trifolium pratense
68 – Uncaria tomentosa
69 – Vernonia condensata
70 – Vernonia spp * (V. ruficoma ou V. polyanthes)
71 – Zingiber officinale

* definir a(s) espécie(s) com cultivo, estudos e indicação de uso

Fonte – Diário da Saúde

Imagem –  mauroguanandi

Leia na página sobre nosso projeto canto das ervas, que ensina à comunidade a utilidade e importância do uso das ervas medicinais e culinárias, tão conhecidas por antepassados.

Este conhecimento infelizmente está sumindo com os antigos e por isso criamos o projeto canto das ervas, para resgatar este conhecimento e fazer as pessoas entenderem que tempero não é só salsinha e cebolinha e que nem toda enfermidade necessita de farmácia.

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top