skip to Main Content

Carrefour comete crime contra a humanidade e contra o planeta com o aval do MMA

Ou se você preferir o título alternativo … Não compre no Carrefour para não aumentar a fome e a sede da população global!

A notícia é de 15 de março, mas precisava ser comentada.

O Grupo Carrefour banirá a utilização de sacolas plásticas em toda a sua rede de lojas no Brasil nos próximos quatro anos. O anúncio oficial da decisão, uma das mais expressivas ações de sustentabilidade das grandes redes varejistas no país, será feito no próximo dia 15, na loja do Carrefour localizada em Piracicaba, interior de São Paulo. O evento contará com a presença do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc.

Segundo o diretor de Sustentabilidade do Carrefour, Paulo Pianez, a decisão vale tanto para as sacolas plásticas entregues ao consumidor quanto para os sacos plásticos utilizados dentro das lojas (por exemplo, para acondicionar frutas ou legumes). E envolve todas as marcas do grupo (Carrefour, Atacadão e Dia%).

“Depois de diversas ações para reduzir o uso das sacolas, chegamos à conclusão de que deveríamos ser mais definitivos nessa questão, adotando uma das medidas mais radicais que o varejo pode adotar, uma vez que afeta diretamente os hábitos do consumidor: o banimento definitivo do plástico”, antecipou Pianez à Folha.

“A utilização das sacolas plásticas é um tema sobre o qual nós, varejistas, somos constantemente questionados pela sociedade. E com razão, dados os impactos da destinação inadequada desse produto. Essa é uma contribuição importante”, afirmou.

Para compensar possíveis impactos negativos da medida em relação aos consumidores, que no caso brasileiro utilizam de maneira intensiva as sacolas plásticas, especialmente como sacos de lixo, o Carrefour oferecerá opções para o transporte das compras, como sacolas retornáveis vendidas a preço de custo e caixas de papelão usadas nas lojas, entre outras.

Em conjunto com a Basf, a empresa também desenvolveu uma sacola plástica com capacidade para até dez quilos feita de material bioplástico 100% degradável. Um produto que, segundo o Carrefour, é totalmente absorvido pela natureza em até 18 semanas (uma sacola plástica comum leva até 300 anos para se decompor).

O diretor acrescenta que a expectativa do Carrefour em relação aos impactos da decisão sobre os consumidores é positiva. “Nossa percepção é que o consumidor já tem maturidade suficiente para entender que ele também tem um papel a cumprir nesse sentido.”

Nos últimos anos, o grupo adotou o banimento dos plásticos em diversos países nos quais opera, como França, Bélgica, Polônia e Espanha.

Para evitar que o consumidor sinta-se prejudicado ao não poder contar com as sacolas plásticas para acondicionar seu lixo doméstico, a rede varejista oferecerá ainda sacos de lixo produzidos com plástico reciclado a um custo subsidiado, além de promover fóruns e palestras com os consumidores para esclarecer o impacto ambiental das sacolas plásticas tradicionais.

Tendência

O banimento das sacolas plásticas no Carrefour é mais um capítulo na acirrada disputa entre as grandes varejistas do país por ações de sustentabilidade, que ganharam fôlego nos últimos anos. O Walmart, por exemplo, vem apostando no engajamento de sua cadeia de fornecedores para criar produtos 100% sustentáveis.

Já o Pão de Açúcar, conhecido pelas ações de reciclagem que promove, ampliou sua rede de “lojas verdes” e também adotou uma série de procedimentos socioambientais. “Essa é uma disputa da cooperação. Quanto mais ações semelhantes, melhor para a sociedade”, conclui o diretor do Instituto Akatu, Hélio Mattar.

Em Washington, lei veta oferta de sacolas gratuitas

Desde janeiro, entrou em vigor em Washington uma lei que proíbe a distribuição gratuita de sacolas plásticas no comércio. Quem não leva sua própria bolsa pode carregar os itens na mão ou pagar US$ 0,05 por sacola.
A lei não se restringe a supermercados e inclui também livrarias, lojas de roupas e de presentes. A expectativa dos grupos ambientalistas é que ela se torne uma referência para os Estados americanos. Esse tipo de lei é a primeira no país, embora San Francisco já tenha proibido as sacolas plásticas.

Dados da Agência de Proteção Ambiental dos EUA apontam para um volume de plástico desperdiçado em 2008 de 3,96 milhões, entre bolsas, sacolas e embrulhos. Menos de 1% desse total foi reciclado.

Grandes redes de varejo nos EUA, como CVS e Target, já começaram a premiar com dinheiro ou créditos a iniciativa de consumidores que carregam suas próprias sacolas reutilizáveis.

Em Nova York, a legislação exige que os varejistas que distribuem gratuitamente sacolas plásticas façam a reciclagem do material. Algumas redes no Estado já cobram pelo uso das sacolas. Em qualquer supermercado de médio porte de Nova York, ao lado do caixa, existem sacolas reutilizáveis disponíveis para venda.

Em Seattle, recentemente o uso de sacolas de papel e de plástico passou a ser desencorajado, com a cobrança de US$ 0,20 por sacola.

Consideradas um símbolo do desperdício no consumo, as sacolas plásticas têm sido culpadas pela poluição nos oceanos e emissão de carbono. A onda de criação de taxas de cobrança pelo uso vem se espalhando em algumas cidades do país desde 2007. O assunto já foi discutido em Estados como Connecticut, Maryland, Massachusetts, Texas e Virgínia.

Fonte – Folha de São Paulo de 04 de março de 2009

Por que vão demorar 4 anos para banir as sacolas plásticas? Precisam tudo isso? Banir sacola deve ser uma determinação imediata e não daqui a quatro anos quando já tiverem despejado mais de 10 bilhões de sacolas plásticas convencionais e poluentes em nosso solo, deixando o passivo ambiental para os humanos que nascerão daqui a  5 séculos limpar.

Será que daqui quatro anos vão cumprir a palavra num país onde as autoridades não se veêm na obrigação de cumprir nenhuma lei, onde a fiscalização faz cara de paisagem para tudo?

Se estivessem falando a verdade, que de fato estão preocupados com o meio ambiente, deveriam banir essas malditas sacolas já e não falar que daqui quatro anos farão isso. Falam isso para ficar bem na foto, serem demagogos e continuarem a poluir. Dizer que vão banir é querer ficar bem na foto por quatro anos e ainda acharem os brasileiros verdadeiros palhaços.

“O evento contará com a presença do ministro do meio ambiente, carlos minc.”

Nada a estranhar que isso aconteça no brasil. A presença de um ministro de estado para dar falsa credibilidade. A presença do ministro neste teatro, onde os palhaços somos nós, só confirma o poder destas empresas junto ao governo para terem licença para poluir.

Minc apoiando a basf e carrefour … lula apoiando a venezuela e irã … hummm … tudo a ver.

Segundo o diretor de sustentabilidade do carrefour, a decisão vale tanto para as sacolas plásticas entregues ao consumidor quanto para os sacos plásticos utilizados dentro das lojas – por exemplo, para acondicionar frutas ou legumes – e envolve todas as marcas do grupo – carrefour, atacadão e dia% -.

“Depois de diversas ações para reduzir o uso das sacolas, chegamos à conclusão de que deveríamos ser mais definitivos nessa questão, adotando uma das medidas mais radicais que o varejo pode adotar, uma vez que afeta diretamente os hábitos do consumidor: o banimento definitivo do plástico”, antecipou o diretor de sustentabilidade à folha.

“A utilização das sacolas plásticas é um tema sobre o qual nós, varejistas, somos constantemente questionados pela sociedade. E com razão, dados os impactos da destinação inadequada desse produto. essa é uma contribuição importante”, afirmou.

Na verdade vocês varejistas são questionados por legisladores que de fato são preocupados com o meio ambiente e nada respondem. na verdade as três grande redes varejistas, pão de açúcar, wall-mart e inclusive o carrefour, não cumprem com as leis das sacolas vigentes de diversos lugares do brasil. Ou seja, não obedecem as leis e ainda contam com apoio do governo e de seu ministro.

Por falar no assunto, por que não cumprem as determinações da Secretaria do Meio Ambiente do Paraná em relação às sacolas e não pagam as multas que recebem diariamente há anos?

Essa é a verdade e não o que querem impor de forma enganosa à população!

“Para compensar possíveis impactos negativos da medida em relação aos consumidores, que no caso brasileiro utilizam de maneira intensiva as sacolas plásticas, especialmente como sacos de lixo, o carrefour oferecerá opções para o transporte das compras, como sacolas retornáveis vendidas a preço de custo e caixas de papelão usadas nas lojas, entre outras.”

“Em conjunto com a basf, a empresa também desenvolveu uma sacola plástica com capacidade para até dez quilos feita de material bioplástico 100% degradável. um produto que, segundo o carrefour, é totalmente absorvido pela natureza em até 18 semanas (uma sacola plástica comum leva até 300 anos para se decompor).”

Aqui está o crime ambiental e contra a humanidade praticado pelo carrefour. Estas sacolas que dizem que vão usar são produzidas com amido. Isso mesmo, amido, por exemplo amido de milho, que vai ser desviado da cadeia alimentar para produzir sacolas.

Se você ainda não entendeu, explicamos: a basf usa milho transgênico para produzir a matéria prima destas sacolas. usam terras férteis e água potável para produzir amido que será usado na produção das sacolas que são usadas apenas uma vez e que depois vão parar no lixo.

Além do mais, estas sacolas jamais poderão ser recicladas. Se forem recicladas vão destruir a indústria da reciclagem contaminando todo o material reciclado e inviabilizando a reciclagem dos plásticos no brasil. Estas sacolas criminosas do carrefour e da basf ainda geram metano, gás 23 vezes mais potente para o efeito estufa. Custam no mínimo 3 vezes mais que as sacolas atuais. adivinha quem vai pagar a conta? Cara de pau este carrefour.

A nossa única alegria é ver o chico tóxico da braskem ter que explicar aos seus patrões da braskem o motivo que vai fazer a braskem vender menos resinas plásticas para a fabricação das sacolas. Quem sabe alguém inteligente da braskem veja a verdadeira bobagem que o xico fez ao atacar soluções como as oxi-biodegradáveis … quebraram a cara.

A não ser que o monopólio braskem compre a basf. Quanto o valor das ações da basf subiram hoje?

Nos últimos anos, o grupo adotou o banimento dos plásticos em diversos países nos quais opera, como frança, bélgica, polônia e espanha.

Já há muitos anos eles baniram os plásticos em países que tem leis rígidas, enquanto isso aqui, vão enrolando, fingindo … e continuam usando as malditas sacolas plásticas de uso único.

Abaixo estes três grupos que só querem te enganar. Dê preferência aos pequenos mercados e supermercados, que mesmo usando sacolas plásticas, são honestos e não querem te enganar e com eles a conversa é mais fácil para mudar qualquer política. Com os pequenos supermercados, se o consumidor disser que não quer mais sacolas, certamente eles banirão de suas lojas.

Não parece estranho o instituto akatu apoiar plásticos feitos de comida, usando terras férteis, emitindo metano na biodegradação?

Este Post tem 0 Comentários

Deixe uma resposta

Back To Top