skip to Main Content

Cientista britânico prevê 'catástrofe' mundial em 2030 com aumento da população

larkvi

BBC Brasil de 19 de março de 2009

O aumento da população mundial e das demandas por água, energia e alimentos poderão provocar uma “catástrofe” em 2030, ou seja, daqui há vinte anos, segundo previsões do principal conselheiro científico do governo britânico.

John Beddington descreveu a situação como uma “tempestade perfeita”, termo usado quando uma combinação de fatores torna uma tempestade que, por si só, não teria tanto efeito, em algo muito mais poderoso. A analogia também é usada para descrever crises econômicas.

Segundo Beddington, com a população mundial estimada em 8,3 bilhões de pessoas em 2030, a demanda por alimentos e energia deve aumentar em 50%, e por água potável deve aumentar em 30%.

As mudanças climáticas devem piorar ainda mais a situação, vai advertir o cientista nesta quinta-feira, na conferência Desenvolvimento Sustentável RU 09, em Londres.

Complacência

“Não vai haver um colapso total, mas as coisas vão começar a ficar realmente preocupantes se não combatermos esses problemas”, afirma Beddington.

Segundo ele, esta crise por recursos vai ser equivalente à atual crise no setor bancário.

“Minha principal preocupação é com o que vai ocorrer internacionalmente, vai haver falta de alimentos e de água”, prevê o cientista.

“Nós somos relativamente sortudos no Reino Unido; pode não haver falta, mas podemos esperar um aumento de preço dos alimentos e de energia.”

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) prevê falta de água generalizada na África, Ásia e Europa até 2025.

A quantia de água potável disponível por habitante deve diminuir dramaticamente neste período.

Transgênicos

A questão da segurança alimentar e energia chegou a entrar no topo da agenda política no ano passado, durante a alta do preço do petróleo e de commodities.

Segundo Beddington, a preocupação agora que os preços voltaram a cair é de que essas questões saiam da agenda doméstica e internacional.

“Não podemos ser complacentes. Só porque os preços caíram, não significa que podemos relaxar”, diz ele.

Melhorar globalmente a produtividade agrícola é uma forma de combater o problema, afirma Beddington.

Atualmente, se perdem entre 30% e 40% de toda a produção, antes da colheita, por causa de pragas e doenças.

Perde-se também por falta de regulagem de equipamentos, problemas no transporte, no armazenamento e na comercialização – é só ver em qualquer sacolão do mundo a perda – e por fim nas próprias residências, onde existe muito desperdício por falta de gerenciamento no que se compra, ocorrendo assim  a perda final.

“Temos que procurar uma solução. Precisamos de mais plantas resistentes a pragas e doenças, e de melhores práticas agrícolas e de colheita”, afirma Beddington.

“Os alimentos transgênicos também podem ser parte da solução. Precisamos de plantas que sejam resistentes à seca e à salinidade – uma mistura de modificações genéticas e cruzamento convencional de plantas.”

De acordo com o cientista, também são essenciais melhorias na estocagem de água e fontes de energia mais limpas.

John Beddington está a frente de um subgrupo de um novo departamento do governo criado para combater a segurança alimentar.

Nada de Transgênicos, eles já provaram não ser a solução, sua produção é menor do que o cultivo tradicional e ocorre sempre a contaminação da lavoura convencional e orgânica, mas devemos sim fazer cruzamento entre plantas, o que sempre funcionou, desde os primórdios da agricultura.

Agora, porque ninguém fala nada sobre controle de natalidade? Pelo que ví, o aumento populacional é o tema desta reportagem mas ninguém dá a receita o das pedras para diminuir a população, isso é um tabu, não rende votos. Quando acordaremos para este problema? Quando enxergaremos a verdade, de que se não limitarmos a procriação em no máximo 2 filhos por casal de nada adiantará todas as políticas citadas acima, o mundo terá gente saindo pelo ladrão.

Ainda hoje temos mulheres parindo mais de 10 filhos cada, principalmente em países pobres e miseráveis ou no caso do Brasil, para ganhar o bolsa família do governo, porque aqui, cada filho é um investimento, uma caderneta de poupança, que garante que os pobres passem gerações sem trabalhar.

A primeira coisa que se tem que fazer é esterilizar ao menos temporariamente essas pessoas que não tem condições para se manter, entrou no bolsa qualquer coisa, coloca-se DIU, implante subcutâneo contraceptivo de 5 anos – sim, já existe e não custa mais de R$ 500 Reais – menos de € 170 euros – ou se o casal já tiver dois filhos – normalmente já tem uma dúzia – fazer laqueadura na mulher e vasectomia no homem, porque não pense que eles tem filhos por acaso – parafraseando a loirinha, Oops! … I did it again – eles tem filhos porque dá dinheiro, porque é um salário desemprego, por isso já disse um bispo católico, mulheres com mais de 50 anos estão parindo como ratos para garantirem uma renda até o fim de suas vidas.

É essencial controlar a população por meios alheios ao controle da mulher ou do homem, pois com  pílula ou e a camisinha as pessoas esquecem, tem preguiça, isto é, são meios falíveis de controle de natalidade, tem que haver um controle rígido, infalível, se quisermos sobreviver como espécie.

Outra coisa, essas pessoas que dependem do bolsa família não querem fazer nem cursos para se profissionalizar, eles não querem trabalhar, só querem o dinheiro de nossos suados impostos, uma mesada eterna, por isso a solução é, usar o Sistema S Sesi, Senai, Senac …  para obrigar estas pessoas a fazem cursos um atrás do outro, deixarem de ser um peso para a sociedade, dar valor ao dinheiro, porque deles não é exigida uma contrapartida, o dinheiro vem todo o mês e todos nós trabalhadores sabemos que quem não trabalha  não dá valor ao que ganha. É um absurdo, quando se passa por um bairro de pessoas de baixa renda, o povo está todo lá fazendo nada, sentado em cadeiras nas calçadas, fofocando, fumando, dá uma raiva, porque sabemos que eles estão fazendo nada graças ao dinheiro que enviamos para eles. Se eles não tivessem telefone social, luz fraterna, água solidária, vale gás, vale leite, as entidades dando roupas e calçados para eles, cesta básica, bolsa família, certamente eles iriam trabalhar, porque quando a água bate na bunda as pessoas aprendem a nadar, o que jamais ocorrerá com eles, porque eles tem casa, comida e roupa lavada, graças a nós, trabalhadores.

Que tipo de herança transmitirão para seus filhos? Porque nós sempre dizemos para os nossos, quando você trabalha você faz, constrói dinheiro, constrói patrimônio, mas eles não, eles ganham o dinheiro como se fosse um prêmio por não fazer nada. Nós dizemos aos nossos filhos que a educação é o único meio de crescer intelectual e financeiramente, mas eles não tem nem a obrigatoriedade de manter seus filhos na escola.

Imagine você como estará este país em dez anos, quando os filhos desses ganhadores do bolsa tudo tiverem idade para trabalhar, o que ocorrerá? Afinal, eles não terão qualificação, vontade, exemplo em casa, mas irão querer continuar sendo sustentados, e aí, o que você acha que acontecerá?

Os empresarios reclaram que não conseguem pessoas para trabalhar, na colheita de café, ou na agricultura em geral, não existe mais mão de obra, as pessoas estão esquecendo do básico de uma sociedade, que é Familia, Trabalho e Renda, causa e consequência. Trabalhou, gerou renda e  existe o alimento para as  familias. A Lei de Gerson, mudou gerações e agora, precisamos acertar nossa sociedade para existir um futuro.

Controle de natalidade já!

This Post Has One Comment
  1. Concordo em número, gênero e grau. Sou Oficial de Justiça e, quando vou às vilas e favelas só encontro cachorro, rato e criança. Pessoas analfabetas, sem condições econômicas de uma vida digna, muitas vezes criminosos, esse tipo de gente faz filho como quem defeca. Ontem mesmo fui intimar um sujeito de uns vinte e cinco anos, todo sujo e com poucos dentes, que me contou com um certo orgulho ser pai de uns quinze filhos. Essa gentalha só esterelizando mesmo; acham bonito jogar um monte de futuros mendigos e bandidos no mundo. Eu poderia sustentar mais alguns filhos mas tive apenas um, para poder lhe dar um estudo de qualidade, hoje ele está bem colocado e terá uma carreira na Marinha. Já os milhões de filhos de favelados apenas continuarão a ocupar os morros, as ruas, a vandalizar e engrossarão os quadros da criminalidade.

    E o Brasil cada vez mais vai caindo ladeira a baixo.

Deixe uma resposta

Back To Top